conecte-se conosco


Meio Ambiente

Assenor promove ação na Semana do Meio Ambiente em São Mateus

Publicado

em

SÃO MATEUS (ES) – A Associação Empresarial do Litoral Norte do Espírito Santo (Assenor) lançou no último sábado (01) a nova fase do Projeto Água na Mesa, com o plantio de mudas nativas da Mata Atlântica no entorno da nascente do Forno Velho, na divisa dos bairros Carapina e Jaqueline, conhecida como Bica da Lilita, propriedade de Joselita dos Santos Nascimento. O evento marou o Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nesta quarta-feira (5), com participação maciça de crianças, jovens e adolescentes acompanhados por familiares. Também se fez presente o 7º Grupo de Escoteiro Agenor de Souza Lé, que realizou em São Mateus o 28º Mutirão Nacional Escoteiro em Ação Ecológica (MutECO), com o tema Escotismo: uma aventura saudável.

De acordo com a Assenor o projeto tem apoio de instituições públicas e privadas como Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros, 7º Grupo Escoteiro Agenor de Souza Lé, Cáritas Diocesana, Projeto Araçá, Ufes, FVC, Comitê da Bacia do Rio Cricaré, Idaf, Incaper, Lions Clube de São Mateus, Sindicato Rural, Emflora, Suzano Papel e Celulose, Conselho de Segurança da Região dos Quilômetros, Conselho de Segurança de São Mateus, Polícia Ambiental, Crea, OAB, Coopbac, dentre outros.

O empresário Natanagildo Beltrame, o Natal, explicou que o Projeto Mata Água na Mesa veio a partir do Comitê de Meio Ambiente implantado pela Assenor e agora coroado com êxito, com a participação neste sábado das pessoas e entidades que se prontificaram em ajudar no evento de grande importância para a conscientização da preservação das matas e nascentes, como ocorreu na Bica da Lilita.

Natan foi mais além ao adiantar que o projeto tem por finalidade um trabalho de conscientização para a importância da preservação de mais de três mil nascentes no município de São Mateus. “Teve início na microbacia do Rio Preto, por ser uma das maiores e mais importantes”, explica, adiantando que já foram feitas visitas a 25 nascentes e seus proprietários, com a proposta de dar início a este trabalho realizado no sábado.

O presidente da Assenor adiantou ainda que para este mês já há pelo menos outros dois plantios de árvores, sendo um nesta quarta-feira (5) às 9 horas no Cerimonial Green Park, no Rio Preto, e numa propriedade rural no dia 22 ou 29.

Veja imagens do evento:

 

Leia mais:  Tempestade Iba está na altura da costa de Linhares, com ventos de até 83 km/h

Comentários do Facebook
publicidade

Meio Ambiente

Brasil aparece em 116º lugar no ranking de países com maior risco de faltar água

Publicado

em

A ferramenta usa uma metodologia sólida, com base em revisão de pares e dados de acesso à água e estresse hídrico do mundo todo

Uma nova ferramenta divulgada na terça-feira (6) permite identificar quais as regiões com maior risco de faltar água no Brasil e no mundo.

O Aqueduct Water Risk Atlas, produzido pelo World Resources Institute (WRI), avalia o estresse hídrico, riscos de seca e enchentes em cidades e regiões de 189 países.

A ferramenta usa uma metodologia sólida, com base em revisão de pares e dados de acesso à água e estresse hídrico do mundo todo. Ela avalia a demanda por água em regiões, incluindo para abastecimento doméstico, uso industrial, irrigação e consumo da pecuária, criando um importante panorama da segurança hídrica no planeta. Os dados vão da década de 1960 até 2014.

Segundo os dados, os países com maior problema de falta de água no mundo estão concentrados principalmente no Oriente Médio:

1. Catar

2. Israel

3. Líbano

4. Irã

5. Jordânia

Mas a crise hídrica e os riscos de falta de abastecimento por secas também chamam a atenção em outras regiões do mundo, como na Índia, o 13º na lista, Chile (18º), Bélgica (23º) ou Portugal (44º).

Falta d’água no Brasil

O Brasil é o país com maior reserva de água doce do mundo, graças aos rios amazônicos e os rios voadores, que geram chuva para o Centro-Oeste e Sudeste do país, abastecendo nossa agricultura. Assim, no ranking de países, o Brasil não aparece entre os mais críticos – é apenas o 116º. Ainda assim, quando olhamos para regiões ou cidades específicas, vemos que crises hídricas são um fato.

Faltou água nas principais cidades do país: em São Paulo e no Rio de Janeiro (2014-15) e no Distrito Federal (2017-18). No Nordeste, a população enfrentou recentemente uma sequência de 5 anos de seca extrema, agravadas pelas mudanças climáticas.

O ranking do Aqueduct identifica essas áreas principais. Ele mostra que, no Brasil, regiões da Bahia, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte sofrem com níveis “extremamente altos” de risco de crise hídrica, um nível semelhante ao dos países do Oriente Médio. As regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Campinas, Ribeirão Preto e Vitória aparecem com risco “alto”, assim como outras regiões. O mapa abaixo mostra a situação. Quanto mais escuro o tom de vermelho, maior o risco.

Como as florestas podem ser uma solução

O ranking do Aqueduct mostra as informações mais recentes sobre onde, no mundo, há risco para o abastecimento de água. Mas outros projetos do WRI apontam para soluções às frequentes crises de falta d’água que cidades e países enfrentam no mundo. Uma dessas linhas de estudo indica que a solução para esses problemas pode estar na natureza.

Trata-se dos investimentos em infraestrutura natural. São soluções inovadoras baseadas na natureza, como a conservação de áreas de mata nativa, a restauração florestal e a gestão sustentável das paisagens.

Estudo do WRI mostra que a infraestrutura natural pode contribuir para abastecimento de água limpa e regular nas grandes cidades, além de proteger contra enchentes e secas. No Brasil, o WRI Brasil analisou o papel da infraestrutura natural em duas regiões, São Paulo e Rio de Janeiro. Os resultados mostram que a restauração de áreas degradadas contribui para a melhora da qualidade da água nas grandes cidades e reduzem gastos das empresas de saneamento.

Com conhecimento adquirido em soluções baseadas na natureza e investimentos em infraestrutura natural, as cidades brasileiras podem se preparar para garantir abastecimento de água de qualidade para os seus cidadãos, se protegendo de secas e das mudanças climáticas.


(*WRI Brasil)

Comentários do Facebook
Leia mais:  Nascente da Biquinha é vítima de crime ambiental
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Agricultura55 minutos atrás

Ministros da Agricultura do Brics se reunirão no final do mês em Bonito (MS)

Os ministros da Agricultura dos países que compõem o Brics se reunirão nos próximos dias 25 e 26 de setembro...

Mulher55 minutos atrás

Com dor ao usar salto alto, mulher descobre que cometeu gafe hilária

É verdade que, dependendo do modelo e altura, usar salto alto pode acabar com os pés. No caso de Ayleigh McGhee, de...

Mulher55 minutos atrás

Saiba quais os sintomas, tratamentos e impactos da depressão na gravidez

Gerar um filho pode mudar completamente a vida de uma mulher. São inúmeras alterações hormonais, novos sentimentos e situações que...

Mulher55 minutos atrás

Chapinha que não sai na água é solução para manter o efeito liso

Um dos maiores problemas para quem depende da chapinha para alisar os cabelos é a questão da água. Além de...

Entretenimento56 minutos atrás

Encontro inusitado: Daniela Mercury recebe astros de Hollywood em show nos EUA

Daniela Mercury contou com uma presença VIP no show que fez em Nova York na noite de terça-feira (17). Ela...

Entretenimento56 minutos atrás

Mais magras, Maiara e Maraisa mudam look e styllist fala de ciúmes dos namorados

Quem te viu, quem te vê! Maiara e Maraisa estão plenas após adotarem novos hábitos de alimentação e focadas nos...

Saúde56 minutos atrás

Nova insulina ultrarrápida traz benefícios para pessoas com diabetes tipo 2

Um novo medicamento promete trazer mais qualidade de vida aos pacientes adultos que possuem diabetes. Trata-se da Fiasp®, insulina asparte...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana