conecte-se conosco


Saúde

Uso de maconha medicinal provoca divergência entre autoridades e pesquisadores

Publicado

em

Agência Brasil

Pesquisador faz anotações sobre maconha medicinal
shutterstock
Algumas famílias têm autorização de plantio de maconha para uso medicinal

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados realizou nesta terça-feira (9) uma audiência pública sobre a regulação do uso da maconha medicinal. Nas exposições de autoridades, pesquisadores e representantes de pacientes, opiniões variaram entre uma maior abertura, incluindo o plantio por famílias para tratamento, e normas mais restritivas.

Leia também: Comissão do Senado votará projeto que concede meia-entrada a doadores de sangue

A regulamentação da maconha medicinal  é objeto de discussão no Parlamento e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência reguladora está com consulta pública aberta para ouvir interessados sobre uma proposta de resolução voltada a definir “requisitos técnicos e administrativos de segurança e controle necessários para a autorização do cultivo, exclusivamente para fins medicinais e científicos, da planta Cannabis spp”.

No Congresso, diversos projetos de lei buscam regular o emprego medicinal. Na Câmara tramita o PL 399 de 2015, do deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), que cria condições para viabilizar “a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta cannabis sativa em sua formulação”. No Senado, o PLS 514 de 2017 inclui na legislação a “permissão de importação de sementes e plantas e descriminalizar o cultivo de cannabis sativa para uso pessoal terapêutico medicinal e científico”.

Debate

O deputado Eduardo Costa (PTB-PA) abriu a audiência lembrando que já há medicamentos com substâncias derivadas da cannabis sendo comercializados no Brasil, para tratamento de esclerosa múltipla, mas por um alto custo. “Mervatyl é utilizado para esclerose múltipla, mas tem custo unitário de R$ 2 mil, proibitivo para classes mais humildes. Temos que criar facilidades. Seria o melhor dos mundos ter o registro de medicamentos e que eles fossem utilizados pelo SUS, para que famílias tivessem mais segurança”, defendeu.

Leia mais:  Campanha de vacinação ocorre entre os dias 19 e 30 de setembro

O presidente da Anvisa , William Dib, argumentou que hoje o tema está sendo decidido pela Justiça sem critérios claros. Ele explicou que a proposta de resolução da agência fixaria exigências para o plantio, como a sua realização dentro de prédios, com determinadas condições técnicas e de segurança.

“O registro será simplificado, sem precisar de estudo clínico. Precisaria de certificação de qualidade, de boas práticas. Isso é fundamental, segurança de que produto será produtivo positivamente, usado para saúde das pessoas, e não para uso qualquer que seja diferente de medicamento”, explicou.

Quirino Cordeiro, do Ministério da Cidadania, questionou as evidências científicas da efetividade do emprego de cannabis em tratamentos em diversas áreas. Ele discordou de pontos importantes da proposta da Anvisa e defendeu uma regulação mais restritiva, na qual seria liberada apenas o uso do canabidiol.

“Não podemos deixar que as famílias tenham que plantar o que seus filhos vão utilizar. Tanto o plantio por empresas quanto por famílias, o ministério avalia que são situações inapropriadas. Precisamos nos ater aonde estamos no presente momento no tocante ao embasamento científico para isso, o uso compassivo do canabidiol, mas vedando a prescrição da cannabis in natura para uso terapêutico”, opinou.


Controle e fiscalização

O representante do Ministério da Agricultura Carlos Goulart informou que o órgão não se opõe ao uso medicinal, mas sua preocupação está na “organização dos órgãos para definir quem iria controlar e fiscalizar se o uso proposto desses plantios”.

Leia mais:  Jovem morre por febre maculosa no interior de SP; estado teve 15 mortes em 2018

João Paulo Lotufo, do Conselho Federal de Medicina, manifestou preocupação do uso medicinal reforçar uma percepção na sociedade de que a cannabis não faz mal. “Podemos plantar e produzir o canabidiol? Acho que deve. Mas temos que esclarecer que não há maconha medicinal, há canabidiol. Essa é a preocupação do CFM. Precisamos de medidas de informação neste sentido”, disse.

O médico Leonardo Ramires, representante da Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal, contestou o representante do Ministério da Cidadania afirmando que o “canabidiol sozinho não existe”. Ele também contestou o argumento de que não haveria evidências científicas dos benefícios de tratamentos com produtos à base de cannabis, citando que mais de 900 médicos de 36 especialidades já teriam prescrevido tratamento com substâncias desse tipo.

Na avaliação de Ramires, o cenário atual, com a oferta de apenas um medicamento, é problemático porque a comercialização depende da safra da planta e o custo é alto. O Mervatyl, por exemplo, custa cerca de R$ 2.000. “Caro vai ficar para nós, pacientes. Há empresário abrindo empresa nos Estados Unidos para vender para brasileiro. Será que isso é para população brasileira? Precisa de associação para fornecer a preço justo”, disse.

Ricardo Ferreira, da Associação Brasileira do Estudo de Cannabis, reforçou que não se trata de liberação ou não da cannabis, mas de como ampliar o mercado, hoje monopolizado pela fabricante do Mervatyl, a empresa britânica GW.

“A questão é vamos continuar importando ou vamos produzir aqui? Vamos usar a regulamentação a nosso favor ou vamos importar insumos que uma empresa vai produzir lá fora para vender para cá. É isso que tem que ser discutido, e não se a cannabis pode ou não ser usada como medicamento. Isso já foi resolvido em 2017”, disse, lembrando do ano em que a Anvisa permitiu o início da comercialização do Mevatyl no país.

Leia mais:  Vacinação contra a gripe atingiu 71,6% do grupo-alvo, diz Ministério da Saúde

Leia também: Pesquisa indica que massagem pode ser uma grande aliada contra a dor

O deputado e ex-ministro da Saúde Ricardo Barros (PP-PR) defendeu que a regulação pode ajudar a baratear os custos do Sistema Único de Saúde no atendimento a pacientes em doenças e condições cujo uso de  maconha medicinal pode auxiliar. “Esse é o debate que interessa para o Brasil, e pode reduzir para o SUS o custo de determinados tratamentos, especialmente se tivermos liberdade de utilizar a planta adequada da forma mais simples”.

Fonte: IG Saúde
Comentários do Facebook
publicidade

Saúde

Sente coceira na cabeça? Saiba quais são as possíveis causas e soluções

Publicado

em

Women's Health

Poucas coisas na vida podem ser tão irritantes quanto uma coceira na cabeça – principalmente quando ela não parece ter fim. É alergia? É infecção? Vamos te ajudar a desvendar soluções para acabar com esse incômodo!

Leia também: Você é alérgico a que? De coceira a morte instantânea, veja tipos e sintomas

coceira na cabeça arrow-options
shutterstock
A coceira na cabeça pode acontecer por diversas razões; veja algumas e como lidar com elas

A caspa e a coceira na cabeça atingem metade da população, e as três causas principais são: couro cabeludo oleoso (e não ressecado, como muitos pensam), acúmulo de pele morta ou um fungo chamado malassezia.

Esfregar vigorosamente o shampoo no couro – e não apenas no seu cabelo – pode aumentar o excesso de produto na região, fazendo com que a descamação persista.

Para um melhor resultado, use shampoos que contenham zinco ou ácido salicílico, que tratam o fungo e o acúmulo de sebo. Se depois de algumas semanas você ainda sente o comichão, é preciso visitar o dermatologista.

Soluções para a coceira na cabeça

Algumas substâncias presentes em produtos capilares podem gerar uma reação alérgica. Beni Moreinas Grinblat, dermatologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, diz que cada alergia tem uma causa. “O ideal é afastar o agente causal”, explica.

Leia também: Pessoas com alergia têm mais chances de ter problemas psicológicos, diz pesquisa

“O alérgeno é frequentemente alguma fragrância ou um agente hidratante, chamado propilenoglicol”, completa Maria Hordinsky, professora da University of Minnesota (EUA).

Se a sua cabeça coça muito (e em todas as partes), pare de usar produtos com os agentes citados por cerca de uma semana. Caso a irritação desapareça, substitua seu shampoo e seu condicionador por opções sem fragrâncias ou com pH neutro.

Leia mais:  Jovem morre por febre maculosa no interior de SP; estado teve 15 mortes em 2018

Secadores, chapinhas, tinturas e escovas térmicas também podem ressecar o couro cabeludo e causar coceira, então mantenha a temperatura intermediária para a secagem dos fios.

Quando a sua coceira está em apenas um ponto, pode ser uma condição de pele, como a psoríase. Trara-se de uma doença autoimune que causa manchas escamosas. A dermatologista Laís Dias, de São Paulo, afirma que o mal ainda possui uma causa desconhecida.

“Ela pode se manifestar através de placas vermelhas e descamativas e possui alguns agravantes, como o fumo, o sobrepeso e a ansiedade. Além da pele, ela também pode surgir nas unhas e no couro cabeludo.”

Leia também: Adolescente com doença rara se torna “alérgica a quase tudo”

O tratamento da psoríase só pode ser realizado por um especialista. Renato Shintani Hikawa, dermatologista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), enfatiza que a psoríase não é contagiosa. “Infelizmente, ainda não existe cura, mas há tratamentos e os pacientes podem melhorar a qualidade de vida quando bem tratada.”

Fonte: IG Saúde
Comentários do Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Economia52 minutos atrás

Governos liberais no Brasil e na Argentina facilitaram acordo Mercosul-UE

arrow-options Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Lucas Ferraz, secretário de Comércio Exterior, falou sobre o acordo entre Mercosul e União Europeia...

Saúde53 minutos atrás

Sente coceira na cabeça? Saiba quais são as possíveis causas e soluções

Poucas coisas na vida podem ser tão irritantes quanto uma coceira na cabeça – principalmente quando ela não parece ter...

Nacional53 minutos atrás

50 anos de viagem à Lua: Comemorações e conspirações

arrow-options Nasa Foto do astronauta norte-americano Buzz Aldrin caminhando na Lua. Há exatos 50 anos, no dia 20 de julho...

Nacional53 minutos atrás

Depois dos 50 anos do homem na Lua, surgem novos projetos de vários países

arrow-options Reprodução/Nasa Agência Espacial Americana (NASA) estimou o preço de um novo pouso na Lua entre R$ 80 bilhões e...

Nacional53 minutos atrás

Trump pode mediar tensões econômicas entre Japão e Coreia do Sul

arrow-options Isac Nóbrega/PR Trump afirmou que foi convidado pelo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, para mediar questão O presidente dos EUA,...

Nacional54 minutos atrás

Público reage a comentário de Bolsonaro com frases exaltando Nordeste

arrow-options Marcos Corrêa/PR – 19.7.19 Presidente Jair Bolsonaro disse que fome no Brasil “é uma grande mentira” Um dia após...

Entretenimento54 minutos atrás

Haslaine Vieira, ex-Malhação, participa de clipe do namorado

Heslaine Vieira gravou na última quinta-feira (18), na Barra da Tijuca, no Rio, o clipe da música Protetpr Solar, do...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana