conecte-se conosco


Agricultura

TRIGO/RETRO 2018: Apesar de maior produção, clima prejudica qualidade em 2018

Publicado

em

Clique aqui e confira o release completo em word.

 

Cepea, 11/01/2019 – O mercado de trigo iniciou 2018 com menor produção doméstica, grande volume importado e preços internos em alta, especialmente no Paraná e em São Paulo, de acordo com informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Esse cenário atraiu produtores e, com isso, a área em 2018 cresceu, mas o clima desfavorável prejudicou a qualidade do cereal desta temporada.   

 

Para a colheita em 2018, a estimativa inicial da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), divulgada em março/18, previa produção de 4,66 milhões de toneladas, que acabou sendo reajustada meses depois para 5,53 milhões de toneladas. Já na estimativa divulgada em dezembro, a Companhia indicou a oferta interna um pouco menor, de 5,4 milhões de toneladas. 

 

Vale lembrar que, entre agosto/17 e julho/18 (safra 2017/18), houve redução na área de semeio, devido à menor atratividade da cultura, queda de produtividade e oferta interna reduzida. Assim, a produção nacional colhida em 2017 foi a mais baixa desde 2012, ainda de acordo com dados da Conab, sendo necessário manter elevada as importações, que alcançaram 6,39 milhões de toneladas no período. Somando os estoques inicias da safra 2017/2018, a produção e as importações, a disponibilidade interna ficou em 13,18 milhões de toneladas, enquanto o consumo recuou 4,6%, a 10,9 milhões de toneladas. Nem mesmo o menor uso do trigo foi suficiente para conter a queda nos estoques finais da temporada 2017/18 e, consequentemente, iniciais da 2018/19. 

 

No primeiro semestre de 2018, período de entressafra argentina, a forte alta do dólar encareceu as importações de trigo e sustentou os preços no Brasil. Em junho/18, as cotações estaduais atingiram os maiores patamares nominais da série do Cepea, iniciada em janeiro de 2004. Em termos reais, as médias mensais foram as maiores desde outubro/13 para os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. Em Santa Catarina, os preços foram, em junho, os maiores desde maio de 2014, em termos reais. 

Leia mais:  AÇÚCAR/CEPEA: Valores permanecem estáveis na entressafra 2018/19

 

Já no segundo semestre, a oferta interna e os bons estoques das indústrias fizeram com que os preços caíssem, movimento que persistiu até outubro. De outubro a dezembro, compradores, preocupados com a possibilidade de novas altas nas cotações no início de 2019, estiveram ativos, sustentando os valores, principalmente no último mês do ano. 

 

No balanço anual, os preços do trigo no mercado de balcão (ao produtor) no Rio Grande do Sul e no Paraná subiram 31,8% e 34,7%, respectivamente. No mercado de lotes (negociação entre empresas), as altas no Rio Grande do Sul, Paraná e em São Paulo foram de 35,1%, 24,4% e 29,9%, na mesma ordem.

 

Apesar de a paridade de importação ter se mantido elevada em boa parte do ano, a oferta restrita do grão brasileiro de boa qualidade manteve as aquisições aquecidas. De agosto/17 a julho/18 (ano-safra 2017/18), as compras de trigo somaram 6,39 milhões de toneladas, de acordo com a Secex – do volume total adquirido, praticamente 90% tiveram como origem a Argentina. Em 2018, de janeiro a dezembro, foram importadas 6,82 milhões de toneladas. 

 

DERIVADOS – Para os derivados de trigo, o ritmo de negócios foi lento em 2018. Empresas realizaram compras aos poucos, devido às incertezas quanto à qualidade da matéria-prima e às dificuldades de repasse dos custos aos produtos finais. 

 

No entanto, os valores das farinhas registraram expressivas altas. No primeiro semestre, a valorização esteve relacionada à menor oferta de trigo, elevando o custo dos derivados. Para o segundo semestre, agentes reduziram as cotações dos produtos em alguns segmentos, com o intuito de manter a atratividade e a liquidez das comercializações.

Leia mais:  PECUÁRIA/CEPEA: Abate não fiscalizado no País corresponde de 3,83% a 14,1% do total

 

De acordo com o IBGE, na parcial de 2018 (até novembro), o esmagamento de trigo diminuiu 4% e, no acumulado dos últimos 12 meses, 4,4%. Vale considerar que, em 2017, o processamento de trigo teve redução de 5,4%, ainda segundo o Instituto. 

 

De modo geral, o preço para aquisição das farinhas ficou, em média, duas vezes maior que o do grão. Entre 28 de dezembro de 2017 e 28 de dezembro de 2018, a cotação média da farinha para massas frescas subiu 28,01%; para pré-mistura, 26,63%; integral, 26,14%; panificação, 26,31%; bolacha salgada, 6,65%; massas em geral, 30,88%; e bolacha doce, 9,72%. 

 

No mercado de farelo de trigo (ensacado e a granel), as cotações registraram movimentos distintos no decorrer do ano. Nos primeiros meses de 2018, mesmo com a demanda aquecida, moinhos cederam aos pedidos de compradores para preços menores. A partir da segunda metade do ano, os valores dos farelos apresentaram altas expressivas, devido ao baixo volume de moagem e às altas cotações de milho em algumas praças. De 28 de dezembro de 2017 a 28 de dezembro de 2018, os preços do ensacado se elevaram 24,67% e os do a granel, 21,66%.

 

INTERNACIONAL – Os preços nas bolsas norte-americanas encerraram o ano registrando fortes elevações. Esse cenário se deve à menor oferta mundial, aos estoques domésticos em baixa e às maiores exportações norte-americanas. No acumulado de 2018 (de 28 de dezembro de 2017 a 28 de dezembro de 2018), o primeiro vencimento do trigo Soft Red Winter negociado na CME Group avançou 19,8%, e na Bolsa de Kansas, os futuros do trigo Hard Winter se valorizaram 16,1%.

Leia mais:  PIB-Agro/CEPEA: PIB-volume deve crescer 1,7% em 2018, mas preço relativo cai 4,8% e pressiona renda

 

Na Argentina, apesar da produção recorde, os preços atingiram patamares elevados. Segundo a Bolsa de Cereales, as exportações devem ser expressivas, com vendas antecipadas. Os preços FOB no porto de Buenos Aires subiram 31,6% no ano.

 

Mundialmente, a produção somou 763,06 milhões de toneladas de trigo na safra 2017/18, 1% acima de 2016/17. O consumo foi de 744,16 milhões de toneladas, contribuindo para elevação dos estoques, que passaram a ter relação com o consumo na ordem de 35,5%, contra 34,2%, segundo dados do USDA divulgados em dezembro/18. 

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Outras informações podem ser obtidas por meio da Comunicação do Cepea: (19) 3429 8836 / 8837 e [email protected]

Comentários do Facebook
publicidade

Agricultura

Em Bruxelas, Tereza Cristina reúne-se com autoridades da Comissão Europeia

Publicado

em

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) encontrou-se nesta quarta-feira (26), em Bruxelas, com autoridades da Comissão Europeia. A primeira reunião foi com o comissário Vytenis Andriukaitis, responsável pela Direção-Geral de Saúde e Segurança dos Alimentos.  No segundo encontro, a ministra esteve com o comissário europeu para a Agricultura e Desenvolvimento Rural, Phil Hogan. As duas agendas enquadram-se nas tratativas com vistas ao acordo Mercosul-União Europeia, em discussão esta semana na Bélgica.

Na conversa com Andriukaitis, foram tratados também temas bilaterais. A ministra destacou que o Ministério da Agricultura avançou muito na governança e transparência de seus processos de controle sanitário. E destacou que o Brasil hoje exporta alimentos de qualidade para 160 países, inclusive os da União Europeia. Foram na ocasião atualizadas as conversas sobre a pauta de exportações.

Pelo Twitter, Andriukaitis mencionou o encontro e disse ser importante a continuação do diálogo sobre segurança dos alimentos. 

 

Já com o comissário Phil Hogan, o Brasil repassou as  propostas comerciais que estão na mesa de negociação do Mercosul e da União Europeia. Depois, Tereza Cristina esteve com seus colegas ministros do Mercosul na embaixada da Argentina.

A ministra se encontrou ainda com o chanceler brasileiro Ernesto Araújo, que chegou hoje a Bruxelas para as rodadas de alto nível com a UE.

Na véspera, a ministra e as equipes do Mapa e do Itamaraty se reuniram com o setor privado brasileiro. O encontro teve o objetivo de ouvir e esclarecer as dúvidas dos representantes dos produtores de carnes, açúcar, etanol, frutas, lácteos, tabaco e defensivos agrícolas.

Leia mais:  SOJA/CEPEA: Caso persista, clima chuvoso pode reduzir qualidade

Histórico

Desde 1999, os integrantes do Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) e os 28 países da União Europeia negociam um acordo de livre comércio, que poderá ter mais de 770 milhões de consumidores.

Em 2018, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) entre Mercosul e União Europeia resultou em US$ 94 bilhões, conforme estatísticas internacionais de comércio. O bloco europeu é o segundo maior parceiro comercial do bloco sul-americano, ficando atrás apenas da China (US$ 120 bilhões, corrente comercial com o Mercosul no mesmo ano).

Os sul-americanos vendem, principalmente, produtos agropecuários. Já os europeus exportam produtos industriais, como autopeças, veículos e farmacêuticos.

No ano passado, as exportações agrícolas brasileiras totalizaram US$ 13,6 bilhões para a União Europeia. O farelo de soja lidera a lista (US$ 3,4 bilhões). As importações do Brasil resultaram em US$ 2,2 bilhões, principalmente de azeite (US$ 362,5 milhões) e vinhos (US$ 156,6 milhões) dos europeus.

Mais informações à imprensa:Coordenação-geral de Comunicação Social
[email protected]

Fonte: MAPA
Comentários do Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Economia59 minutos atrás

Airbnb agora aluga castelos medievais, ilhas paradisíacas e vilas inteiras

Divulgação/Airbnb Chateau d’Estoublon, Fontvieille, França: disponível no Airbnb Luxe, castelo tem dez quartos e acomoda até 20 hóspedes O Airbnb...

Economia59 minutos atrás

Taxa de conveniência: Conveniência para quem?

Bradley Pjohnson/Creative Commons Cobrança de taxa de conveniência pela compra de ingressos pela internet rendeu disputa jurídica Taxa de conveniência,...

Nacional2 horas atrás

Alexandre de Moraes revoga autorização que senador preso passe férias no Caribe

Rosinei Coutinho/SCO/STF Ministro pediu que CNJ analise conduta do procurador e do juiz que atuaram no caso O Supremo Tribunal...

Nacional2 horas atrás

Projeto que dificulta aborto é criticado e Fernando Holiday já admite mudanças

Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr Projeto de Fernando Holiday coloca obstáculos para a realização do aborto legal em São Paulo O vereador...

Nacional2 horas atrás

Céu nublado predomina ao longo do dia nesta quinta, em São Paulo

shutterstock Previsão do tempo para São Paulo indica tempo nublado ao longo do dia As temperaturas continuam amenas nesta quinta (27),...

Entretenimento2 horas atrás

Determinado a dar o golpe, Régis pede Maria em casamento em “A Dona do Pedaço”

Régis (Reinaldo Gianecchini) está cada vez mais perto de alcançar o objetivo de seu golpe em “A Dona do Pedaço”....

Entretenimento2 horas atrás

Além de Paulinho Vilhena, relembre famosos que foram censurados pelo Instagram

Em tempos sombrios do Instagram, Paulinho Vilhena decidiu desafiar a rede social ao publicar um vídeo totalmente nu. Transmitindo um...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana