conecte-se conosco


Economia

Síndicos vão passar por prova de avaliação de desempenho e conhecimento

Publicado

em

Uma nova realidade, que se fortalece pela procura crescente do trabalho na área, vem mudando o cenário na vida dos condomínios, pelos benefícios que agrega. Trata-se da profissionalização dos síndicos; Hoje, de inegável importância para uma uma gestão mais produtiva e que afaste ou minimize de certa forma, questões que poderiam vir a se tornar problemas no futuro.

Leia também: Saiba como utilizar o WhatsApp de maneira inteligente nos condomínios


Em meio a crise econômica, a inadimplência é o maior problema para muitos síndicos em condomínios
iStock

Em meio a crise econômica, a inadimplência é o maior problema para muitos síndicos em condomínios

Não é à toa, que hoje se privilegia o profissionalismo em detrimento da concepção amadora, porém de extrema boa vontade, em que moradores em sua maioria aposentados, com tempo livre, poderiam administrar o empreendimento como síndicos .

Mas não podemos desmerecer o trabalho exercido, e não é, de maneira alguma, essa a intenção. Não é desconhecida a dedicação desses administradores, no intuito de realizarem sua função dando o melhor de si. Por outro lado, cabe considerar que esses gestores, geralmente aposentados e com tempo ocioso, o que lhes permitia executar a tarefa, são cada vez em número menor, pois os idosos também mudaram seu ritmo de vida, apostando no esporte, nas atividades culturais e de lazer para investir o tempo livre.

Além do fato de que muitos condomínios transformaram-se em verdadeiros clubes, e que sua gestão depende de conhecimentos cada vez mais abrangentes, com a profissionalização da sindicância, condomínios e condôminos ganham também em qualidade de vida, à medida em que esses profissionais têm ao seu dispor ferramentas para evitar o descumprimento de normas legais, a desvalorização do patrimônio imobiliário, e para facilitar a solução de dificuldades e conflitos.

Sem contar outras vantagens obtidas com a profissionalização, tais como criar oportunidades para melhorias internas no condomínio, geração de novas fontes de receita, facilidade em distratar o contrato sem ter que chamar uma assembléia (os contratos de sindicância profissional tem, normalmente, cláusula de rescisão sem ônus), apólice de seguro de responsabilidade civil em nome da empresa de sindicância, conhecimento de “melhores práticas” a serem implantadas, entre outras que culminam em uma gestão mais transparente, ética e segura.

Leia mais:  Correios terão que pagar indenização por expor carteiros à insegurança

Leia também: Festas e eventos em condomínios, uma grande oportunidade

Essa nova modalidade, e porque não dizer nova profissão, vem merecendo destaque e  caminhando a passos largos para se tornar quase que imprescindível. Contudo, muito embora seja uma realidade em todo o Brasil, essa profissão ainda não é regulamentada, o que faz com que os cuidados com as contratações sejam estritamente necessários, e se iniciem antes mesmo da contratação, para que não surjam situações que  possam gerar desgastes desnecessários, ou arrependimentos irreversíveis.

Mas como fazer isso? Quais cuidados são esses? Para não haver erro, separamos aqui algumas dicas na hora de contratar um síndico profissional para o seu condomínio:

  1. Certifique-se de que o Síndico tenha conhecimento e capacidade de gestão. Por se tratar de uma nova profissão, é difícil identificar os profissionais capacitados para realizar um trabalho de qualidade. Para solucionar esta dificuldade, indicamos os profissionais com a Certificação Síndico 5 Estrelas, única certificação obtida através de uma prova de proficiência e com  reconhecimento da Fundação Vanzolini, principal certificadora do Brasil, gerida pelos professores da USP.
  2. Procure profissionais modernos, atuais e gabaritados para exercer a função, com conhecimentos em tecnologia, direito, contabilidade e engenharia por exemplo;
  3. Verifique o histórico da Síndico, em quais condomínios atua, procure pedir referências;
  4. Tire uma ficha do candidato e do CNPJ de sua empresa, veja se existem processos, protestos, etc.
  5. Procure saber o número de horas que o Sìndico se dedicará ao seu condomínio, bem como o número de funcionários, horários de atendimento, plantões e quantos condomínios atende, para ter uma idéia geral do nível de comprometimento da mesma;
  6. Abra uma concorrência, escute diversos Síndicos, desconfie de “negócios da china” e fique atento aos detalhes das propostas recebidas;
  7. Verifique se o Sìndico possui seguro de responsabilidade civil e qual a sua cobertura e prêmio.
Leia mais:  Teto mais alto! Imóveis de até R$ 1,5 milhão poderão ser financiados com FGTS

A verdade é que não existe segredo para que bons resultados sejam alcançados. O caminho certo e seguro é procurar empresas que ofereçam além do conhecimento adequado, idoneidade e credibilidade com síndicos . Faça sua analise com calma e procure pesar todos os prós e contras antes de tomar sua decisão, com certeza suas chances de grande sucesso aumentarão consideravelmente.

Comentários do Facebook
publicidade

Economia

Bolsonaro assina medida provisória para fazer pente-fino em benefícios do INSS

Publicado

em


A medida provisória sobre o pente-fino do INSS só terá força de lei quando for publicada no Diário Oficial da União
Alan Santos/Presidência da República

A medida provisória sobre o pente-fino do INSS só terá força de lei quando for publicada no Diário Oficial da União

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assinou, nesta sexta-feira (18), uma medida provisória (MP) que estabelece iniciativas para combater fraudes em benefícios pagos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A medida altera regras para a concessão de auxílio-reclusão, pensão por morte e aposentadoria rural, além de prever uma economia de R$ 9,8 bilhões só em 2019 a partir das auditorias realizadas.

Leia também: Seguro-desemprego tem reajuste de 3,43% e pode chegar a mais de R$ 1,7 mil

Para fazer o pente-fino no INSS , a MP cria duas estruturas: o Programa Especial para Análise de Benefícios com Indícios de Irregularidade e o Programa de Revisão de Benefícios por Incapacidade. O primeiro, que contará com o trabalho de técnicos e analistas do INSS, ficará responsável por 3 milhões de processos pendentes de análise e terá orçamento de R$ 110 milhões em 2019. Se prorrogado até o ano que vem, esse valor baixa para R$ 25 milhões.

O segundo, por sua vez, ficará a cargo de peritos médicos federais. O objetivo é revisar todos os benefícios pagos por incapacidade e que não passam por perícia médica há mais de seis meses. Mais de 2,5 milhões de benefícios de prestação continuada e outros de natureza previdenciária, assistencial, trabalhista ou tributária também serão auditados. O orçamento para esse programa é de R$ 123 milhões neste ano e de R$ 90 milhões se revalidado em 2020.

Por se tratar de uma MP, o decreto terá força de lei somente quando for publicado no Diário Oficial da União, o que deve acontecer ainda hoje, segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. Depois disso, o Congresso Nacional terá até 120 dias para analisar o texto e torná-lo, de fato, uma lei. Se isso não acontecer, a MP perderá a validade.

Leia mais:  Bolsonaro comemora concessão de rodovia e fala em geração de 4 mil empregos

Principais mudanças


No auxílio-reclusão pago pelo INSS serão impostas algumas restrições para dependentes de presos em regime fechado
Shutterstock

No auxílio-reclusão pago pelo INSS serão impostas algumas restrições para dependentes de presos em regime fechado

No auxílio-reclusão , serão impostas algumas restrições para dependentes de presos em regime fechado, que deverão ter um tempo mínimo de contribuição para o INSS de 24 meses. A MP também cancela o benefício a presos no regime semiaberto e proíbe a acumulação do auxílio com outras gratificações. Além disso, a comprovação de baixa renda levará em conta a média dos últimos 12 salários do segurado, e não somente o anterior à prisão, como é hoje.

Para pensões por morte, a MP passará a exigir comprovação documental de relações de união estável ou de dependência econômica. Para receber o benefício desde a data da morte do segurado, filhos menores de 16 anos deverão requerer a pensão em até 180 dias após o falecimento. A medida, segundo a Secretaria da Previdência, também acaba com pagamentos de pensão por morte em duplicidade.

Leia também: Três estados brasileiros já decretaram calamidade financeira em 2019

A aposentadoria rural também deve sofrer mudanças importantes. Será criado um cadastro de segurados para abastecer o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS), que será, a partir de 2020, a única forma de o trabalhador rural comprovar seu tempo de contribuição. Até lá, só será possível atestar o período de contribuição para o INSS por meio de uma autodeclaração, que terá que ser homolagada por entidades do Pronater (Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural) a partir de março.

Pente-fino de Temer


Em 2016, Michel Temer deu início a um pente-fino nos auxílios-doença e aposentadorias por invalidez pagos pelo INSS
Alan Santos/Presidência da República

Em 2016, Michel Temer deu início a um pente-fino nos auxílios-doença e aposentadorias por invalidez pagos pelo INSS

Leia também: Informações sobre maiores clientes do BNDES já estavam disponíveis desde 2015

Leia mais:  Correios terão que pagar indenização por expor carteiros à insegurança

Revisar os benefícios pagos pelo INSS não é exclusividade do governo Bolsonaro. Em agosto de 2016, o então presidente Michel Temer (MDB) deu início a um pente-fino nos pagamentos de auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. Segundo anunciado pelo Ministério da Cidadania, foram realizadas quase 1,2 milhões de perícias e cancelados 578,5 mil benefícios irregulares até 31 de dezembro de 2018.

Comentários do Facebook
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana