conecte-se conosco



Estadual

“Sinal Vermelho”: mulheres do ES têm código para pedir socorro

Publicado

em

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link https://www.agazeta.com.br/es/cotidiano/sinal-vermelho-mulheres-do-es-agora-tem-codigo-para-pedir-socorro-0421 ou utilize os recursos oferecidos na página. Textos, fotos, artes e vídeos da Rede Gazeta estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo digital e/ou do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização da Rede Gazeta ([email protected]). As regras têm como objetivo proteger o investimento que a Rede Gazeta faz para produzir um conteúdo jornalístico de qualidade.

Começou a valer nesta semana a lei que instruiu profissionais de supermercados, farmácias e demais profissionais a receberem como um pedido de socorro quando uma mulher desenhar um X vermelho na palma da mão.

O sinal vermelho (a letra “X” escrita na cor vermelha) tornou-se um símbolo de pedido silencioso por socorro de mulheres que sofrem violência. Com base numa campanha desenvolvida pelo Poder Judiciário, o Espírito Santo passou a reconhecer o sinal como pedido de ajuda após publicação de lei na última segunda-feira (05).

A ideia de um pedido silencioso foi desenvolvida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em conjunto com a Associação dos Magistrados do Brasil (AMB), na tentativa de pensar alternativas para proteger mulheres durante a pandemia.

Na campanha nacional, ficava restrito aos funcionários de farmácias reconhecer o pedido quando uma vítima mostrasse o Sinal Vermelho, com a orientação de tentar o endereço da vítima e ligar para a Polícia Militar-190. Após registros de mulheres que foram salvas por essa iniciativa, muitos estados passaram a instituir o recurso como lei e ampliar para supermercados, shoppings, lojas, bares, pousadas, repartições públicas e até portarias de condomínios.

“É uma forma de ampliar a vigilância e cuidado sobre a mulher, fazendo com que ela tenha vários pontos de ajuda. Sempre que ela apresentar para um funcionário do local este simbolo, ele deve tentar se aproximar, conseguir o endereço discretamente e acionar a Polícia Militar, pois a vítima pode estar sendo coagida”, pontuou a juíza Hermínia Azoury, coordenadora estadual de enfrentamento à violência doméstica e familiar. 

QUATRO VÍTIMAS JÁ USARAM O RECURSO

Antes de ser intitulado como lei, o sinal vermelho havia sido usado por  quatro  vítimas de agressão no interior do Espírito Santo, desde o início da pandemia. “Quatro mulheres não morreram. Agora, vamos ir além das farmácias, ampliando os locais onde elas podem pedir ajuda com esse sinal”, enfatiza a juíza.

A magistrada conta que em outros estados houve maior adesão ao código, inclusive com relatos de vítimas que chegaram a usar até mesmo produtos da própria farmácia, como esmalte vermelho, para pedir socorro já que o agressor a acompanhava no estabelecimento.

“O funcionário viu, se aproximou e perguntou se ela queria participar de uma promoção e pra isso era só deixar o endereço e um telefone de contato. Assim que a  mulher saiu com o agressor, o funcionário acionou a polícia que deteve o suspeito”, exemplifica. 

Outro ponto levando por Azoury, é que a medida reparte com a toda a sociedade a responsabilidade em manter a integridade desta mulher vítima de violência uma vez que mais pessoas estarão atentas. 

“A sociedade toda vai saber do que se trata, vai discutir sobre e poder ajudar. Em especial por não haver policiamento suficiente a  todo instante. Acreditamos que alguém vai ligar para a polícia dizendo que tem uma mulher sofrendo violência doméstica, pois qualquer pessoa pode denunciar,  não apenas a vítima”, completou a juíza.  

SINAL VERMELHO

  • Lei do Sinal Vermelho: A letra “X” escrita na cor vermelha na palma da mão de uma mulher tornou-se um símbolo de pedido silencioso por socorro pra as vítimas de violência. O Espírito Santo passou a reconhecer o sinal como pedido de ajuda. 
  • Onde pedir ajuda: a lei descreve que qualquer pessoa que trabalhe em supermercado, repartições públicas, farmácias, lojas, shoppings, portarias de prédios, bares e restaurantes. 
  • Como ajudar: o funcionário deve coletar, de maneira a não expor a vítima, o nome, endereço e telefone da mulher. Logo em seguida, ligar para o telefone 190 e fazer o relato. 
  • Sanção: a lei começou a valer no último dia 05 de abril.
Comente Abaixo
Internacional21 minutos atrás

Com disparos de artilharia e flores, Reino Unido saúda príncipe Philip

Salvas de tiros e de artilharia foram disparadas no Reino Unido neste sábado (10) para marcar a morte do príncipe...

Economia21 minutos atrás

Ilhabela ignora medidas de Doria e permite abertura de bares e restaurantes

Reprodução Toninho Colucci, prefeito de Ilhabela O prefeito de Illabela (SP), Toninho Colucci, passou a permitir o atendimento presencial em...

Entretenimento21 minutos atrás

Marido de Ivete Sangalo se desculpa após acusar empregada de transmitir Covid-19

Reprodução/Instagram Ivete Sangalo e Daniel Cady O marido de Ivete Sangalo, o nutricionista Daniel Cady, publicou um pedido de desculpas...

Entretenimento26 minutos atrás

Youtuber Camila Loures compra Ferrari avaliada em R$ 1,3 milhão

Reprodução/Instagram Camila Loures compre ferrari Influenciadora e cantora com mais de 12 milhões inscritos no Youtube, Camila Loures, de 25...

Nacional51 minutos atrás

Homem ficou 15 anos preso sem ser processado: ‘Quero reencontrar meus filhos’

Reprodução Homem sai da cadeia após passar 15 anos preso sem ter processo na Justiça O jardineiro Cícero José de...

Saúde51 minutos atrás

Em três meses, Samu no DF recebeu 6,3 mil trotes

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência do Distrito Federal (Samu-DF) recebeu, de janeiro a março de 2021, 195,3 mil...

Saúde51 minutos atrás

Rio faz 771 autuações no 1º dia de novas medidas de flexibilização

A prefeitura do Rio registrou 771 autuações no primeiro dia de fiscalização das novas medidas de flexibilização que valem até...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!