conecte-se conosco


Esportes

Silvana Lima vai representar Brasil na estréia do surfe em Tóquio 2020

Publicado

em

A cearense Silvana Lima carimbou seu passaporte para a Olimpíada de Tóquio 2020, durante a disputa da etapa de Mauí (Havaí), última do Circuito Mundial de Surfe (WCT), neste domingo (1). Ela é a segunda brasileira já classificada para a Olimpíada ano que vem: em outubro, na etapa de Portugal, a gaúcha Tatiana Weston-Webb, radicada no Havaí, foi a primeira a assegurar presença nos jogos olímpicos.

Neste domingo (1), Silvana Lima conquistou a última vaga olímpica do Circuito Mundial. A brasileira perdeu no último duelo para a heptacampeã mundial Stephanie Gilmore, as oitavas de final de Mauí. No entanto, a cearense, de 35 anos, arrematou a vaga pois sua rival direta no ranking, a neozelandesa Paige Harej, foi eliminada logo na primeira bateria das oitavas.

As outras surfistas já classificadas para a Olimpíada, além das duas brasileiras, são as australianas Sally Fitzgibbons e Sthephanie Gilmore, a francesa Johanne Defay, a costa-riquenha Brisa Hennessy, e as norte-americanas Caroline Marks e Carissa Moore.

Apesar da presença garantida em Tóquio 2020, Silvana Lima terminou a temporada em 12º lugar no ranking, e não vai disputar o Circuito Mundial de Surfe em 2020. A atleta registrou um comentário nas redes sociais deixando claro que está feliz e vive um momento especial.

“Nunca imaginei que um dia iria representar meu país. Depois de tanta luta, hoje estou aqui graças a Deus, pra dizer que meu grande sonho acaba de ser realizado!”

Já no Circuito Mundial masculino, a briga por vagas em Tóquio 2020 segue acirrada. O Brasil terá dois representantes, entre os homens.  A definição dos classificados depende da última etapa: a da praia de Pipeline (Havai), que começa no próximo domingo (8).  Até o momento, três brasileiros competem pelas duas vagas: o potiguar Ítalo Ferreira lidera o ranking, seguido pelo atual campeão Gabriel Medina, e Filipe Toledo, na quarta posição, também tem chances de conquistar um lugar na Olimpíada do Japão.  

Edição: Cláudia Soares Rodrigues

Comentários do Facebook
Leia mais:  Jogadora do Palmeiras é ameaçada por torcedor após expor opinião política
publicidade

Esportes

Coluna: Érika, o malbec que harmoniza com grandes ambições

Publicado

em

Aos olhos da maioria, os principais destaques da entrega do Prêmio Brasil Olímpico, na última terça-feira (10), no Rio de Janeiro, foram os Atletas do Ano, Arthur Nory, da ginástica artística, e Beatriz Ferreira, do boxe. Para os fãs do basquete, foi notável também a presença do “Mão Santa” Oscar Schmidt, que recebeu o Prêmio Adhemar Ferreira da Silva pela contribuição ao esporte. Uma outra premiada não gerou tantas manchetes e cliques, mas teve uma conquista simbólica. A pivô Érika foi escolhida a atleta do ano no basquete, uma vitória com diversos significados.

A coroação de Érika rompeu uma sequência de dez anos seguidos com homens levando o prêmio. A última vez que uma mulher havia sido escolhida como Atleta do Ano no basquete foi em 2008, com Kelly. No total, em 21 anos de premiação, a balança está quase equilibrada: foram 12 prêmios do masculino e nove do feminino. Mas muito disso se deve à contribuição inicial de Janeth, que foi vencedora nos seis primeiros anos (1999 a 2004). Érika não pôde comparecer à cerimônia por estar treinando com a equipe do IDK na Espanha e, por e-mail, falou sobre a representatividade da conquista:

“O basquete masculino sempre teve muito mais visibilidade e notoriedade do que o basquete feminino nas grandes mídias. Sempre lutei para tentar colocar o basquete feminino em um patamar elevado. Esse prêmio vem como uma condecoração para nós mulheres. Somos capazes e estamos trabalhando duro para levantar o basquete feminino brasileiro. Porém, conquistaremos isso com o tempo. É um processo”, diz Érika.

Ainda há um outro ângulo que exemplifica o quão especial foi a vitória da pivô. Como o escopo do prêmio era basicamente todo e qualquer jogador de basquete do Brasil, homem ou mulher, Érika competiu com atletas no ápice da forma física, muito mais novos que ela, que tem 37 anos. O vencedor do ano passado, por exemplo, foi o armador Yago, do Paulistano e da seleção brasileira, que à época tinha 19 anos. 

Leia mais:  GP de Mônaco de F1 já teve acidentes fatais, brigas e reinado de Ayrton Senna

“Sei que já vivi o meu auge físico no basquetebol, mas em termos de experiência, dedicação e vontade de vencer, nunca me senti tão viva como me sinto agora. Sou como o vinho, quanto mais velho melhor”, destaca a jogadora.

O técnico da seleção feminina, José Neto, ele próprio um apreciador de vinhos, está bem posicionado para comparar os atributos dela ao da nobre bebida.

“O malbec tem como característica principal ser um vinho encorpado, forte. Harmoniza muito bem com a carne. Como ela gosta de jogar muito com contato, no garrafão, essa é a melhor comparação para ela”, afirma, entre risos.

Érika tem sido uma das chaves para um processo relativamente acelerado de redenção da seleção, desde a chegada de Neto, no meio do ano. Fez parte da conquista da medalha de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima, a primeira em 28 anos, além do bronze na AmeriCup e da campanha no pré-olímpico das Américas. José Neto admite que pensou que a presença de Érika seria útil como exemplo para atletas mais novas, mas ela tem se mostrado ainda mais eficaz de fato na quadra. A dedicação da pivô aos treinos chegou a surpreender o técnico.

“Quando ela viu que queríamos colocar um ritmo mais intenso, não se abateu por ser mais velha. Percebeu que precisava fazer alguma coisa a mais para acompanhar esse ritmo”, relembra.

Ela levou a performance dos treinos para as partidas.

“Gosto de ter uma referência de jogo interior, a jogadora grande, a pivô. Não existem tantas como a Érika no mundo. Ela fez a diferença jogando contra atletas que foram MVP da WNBA. Ela é dominante tática e tecnicamente no jogo próximo à cesta, mesmo diante de jogadoras de excelência do mundo”, destaca Neto.

Leia mais:  Jogadora do Palmeiras é ameaçada por torcedor após expor opinião política

Após a conquista da medalha de ouro no Peru, Érika chegou a afirmar que havia pensado em se aposentar. Até mesmo pela idade, seria natural começar a falar do passado, que, no caso da pivô, é repleto de momentos memoráveis. Érika foi campeã da liga norte-americana em 2002, quando tinha apenas 20 anos de idade. Foi vitoriosa nas ligas espanhola e brasileira também. Parte de uma geração que não conseguiu manter o nível da anterior – campeã mundial e medalhista olímpica -, Érika conseguiu deixar uma marca. O jornalista Felipe Souza (Blog do Souza e CBB), que cobre basquete há doze anos, muitos deles dedicados às competições femininas, coloca Érika no quinteto dos sonhos da seleção brasileira na história, mesmo com a concorrência de nomes como Marta e Alessandra.

“Ela seria minha pivô, junto com a Janeth, a Hortência, a Magic Paula e a Adrianinha ou Helen Luz na armação. Mesmo em épocas em que não tínhamos equipes muito fortes, ela sempre entregou o que se esperava: pelo menos dez pontos, pelo menos cinco rebotes. O auge dela foi fantástico”, opina.

A própria Érika, ao falar de auge, não remete somente ao passado, mas também ao presente. Lembra com carinho do ano de 2011, em que conquistou três títulos na Espanha, sendo MVP. Mas considera que o momento atual, com o renascimento da seleção, é igualmente doce. Érika tem contrato com o IDK até o fim da temporada espanhola, que se encerra em abril. Mas o olhar, inegavelmente, está nos objetivos com o Brasil. Na próxima semana, José Neto convoca a seleção para o Pré-Olímpico, que acontece na França, em fevereiro. Neto não confirma mas dá a entender que ela é figura quase certa na lista. Terminando com uma das três vagas do grupo que tem quatro seleções (Porto Rico, França e Austrália, além do Brasil), a seleção estará em Tóquio em busca de afirmação e Érika, do prêmio final.

Leia mais:  Fifa anuncia ‘aumento importante’ na premiação do Mundial Feminino de 2019

“Quero muito ajudar a levar nossa seleção a um título de maior expressão. Acho que falta somente isso na minha carreira, entre as coisas que não fiz ainda”, diz.

Não aparece nessas palavras, mas o “título” tem nome: uma medalha olímpica. Seria a cereja no bolo. Ou quem sabe no vinho. Um toque de certa forma exótico, mas que vale a pena experimentar.

Edição: Verônica Dalcanal

Comentários do Facebook
Continue lendo
Nacional4 horas atrás

Idosa que teve 10 caminhões de lixo retirados de casa recebe doações de móveis

arrow-options Alexandre de Azevedo/Prefeitura de Ribeirão Preto Foram estimados 10 anos de acumulação de objetos na residência. Dona Elídia de...

Política4 horas atrás

Desembargador mantém afastamento de ex-presidente da Palmares

arrow-options Reprodução Bolsonaro disse que pretende reconduzir Camargo à presidência da Fundação Palmares O desembargador Fernando Braga Damasceno negou pedido...

Entretenimento4 horas atrás

Silvio Santos surge em festa do SBT e faz discurso emocionante

Depois de precisar se ausentar na edição do ano passado, Silvio Santos surgiu de surpresa na festa de fim de...

Internacional4 horas atrás

Homem tira tênia de 10 metros do próprio ânus ao ir ao banheiro

arrow-options Reprodução Verme foi retirado quando homem sentiu vontade de ir ao banheiro Um homem de 44 anos na Tailândia...

Política5 horas atrás

Crimes Cibernéticos: CPI ouve provedores

Dando continuidade às discussões sobre rastreamento de dados na internet para facilitar apuração de crimes, a Comissão Parlamentar de Inquérito...

Política5 horas atrás

Frente defende mais aulas de educação física nas escolas

A proposta de aumentar o número de aulas de educação física para pelo menos três vezes por semana no ensino...

Economia5 horas atrás

Os inimigos do crescimento

arrow-options undefined Na época da posse de Michel Temer, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25% ao ano....

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana