conecte-se conosco



Economia

Setores afetados por união de PIS e Cofins podem ter alíquota menor; entenda

Publicado

em


source
Governo quer alíquota menor para setores afetados pela união de PIS e Cofins
Lorena Amaro

Governo quer alíquota menor para setores afetados pela união de PIS e Cofins

O governo pretende rever o projeto que unifica o PIS e a Cofins para vencer a resistência do setor de serviços. Em vez de criar uma alíquota única de 12% , conforme prevê o texto encaminhado ao Congresso, a ideia em estudo é criar duas alíquotas: segmentos que seriam prejudicados pela mudança passariam a pagar um percentual inferior a 12%, enquanto os beneficiados estariam sujeitos a uma cobrança maior.

A fusão do PIS e da Cofins foi proposta pelo Executivo para criar a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) . O novo tributo teria alíquota de 12% com possibilidade de deduções de gastos com insumo consumidos ao longo da cadeia.

A medida, em análise pela Câmara dos Deputados , é criticada por setores de serviços que não teriam muitas despesas de produção para deduzir. Hoje, segmentos podem optar por recolher 3,65% de PIS/Cofins, mas sem direito ao abatimento. Esse modelo acabaria com a CBS.

A revisão do projeto faz parte da nova estratégia do Executivo para destravar a reforma tributária , que deve ser analisada de forma fatiada por meio de projetos distribuídos entre Câmara e Senado. O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), espera dar andamento no plano a partir de semana que vem.

Tributação de dividendos

Um dos novos textos, que deve ser anexado nos próximos dias ao projeto que trata da CBS, propõe a redução do Imposto de Renda (IR) das empresas de forma gradual e, em contrapartida, taxa dividendos em 15% .

Você viu?

Também ficaria com os deputados um projeto para zerar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), com exceção de alguns produtos como cigarros, bebidas e automóveis.

Em outra frente, o governo deve rever os benefícios para alguns tipos de aplicações financeiras sobre as quais há redução ou isenção de imposto. A revisão incluiria alguns tipos de previdência privada.

Mudanças devem ficar para pós-eleições

Senadores, por sua vez, ficariam responsáveis por dar início à tramitação da proposta de emenda à Constituição (PEC) que mexe com impostos estaduais e municipais (ICMS e ISS), segundo um auxiliar do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Porém, como a PEC exige quórum qualificado, o entendimento é que dificilmente as mudanças serão aprovadas antes das eleições em 2022.

A última etapa da reforma a ser enviada pela equipe econômica vai mexer com IR de pessoas físicas porque isso dependerá da recriação da CPMF, batizado de imposto sobre operações digitais.

Guedes aposta nisso para desonerar a folha e lançar a carteira verde amarela, sem contribuição previdenciária e demais penduricalhos, como FGTS, dentre outros.

Comente Abaixo
Política25 minutos atrás

Renan Calheiros diz que leitura do relatório final da CPI da Covid foi adiada

Reprodução/Youtube Renan Calheiros diz que leitura do relatório final da CPI da Covid foi adiada O senador  Renan Calheiros (MDB-AL), relator...

Mulher25 minutos atrás

“Tinha pavor de envelhecer”, diz a jornalista Leilane Neurbath

Reprodução Leilane Neurbath fala sobre novo programa, envelhecimento e relacionamento com namoadar No último dia 14, foi ao ar o...

Nacional25 minutos atrás

Vídeo mostra homem sendo agredido por seguranças de festa LGBTQIA+ em Madureira

Reprodução Jovem recebe socos, chutes e uma rasteira em boate de Madureira Um vídeo que mostra ação truculenta de seguranças...

Entretenimento30 minutos atrás

Viih Tube já curte a vida de solteira

Reprodução/Instagram Viih tube aparece em balada curtindo vida de solteira Menos de uma semana do  anúncio do fim do relacionamento...

Nacional55 minutos atrás

Ministério confirma audiência com Cacique Cobra Coral, mas nega que tenha pedido

Reprodução/TV Tem Solicitação da reunião teria partido do assessor Osmar Santos O Ministério de Minas e Energia (MME) emitiu uma...

Economia55 minutos atrás

Ministro do STF dá prazo de seis meses para Minas Gerais pagar dívida

Abdias Pinheiro/ Secom TSE Ministro do STF dá prazo de seis meses para Minas Gerais pagar dívida O Ministro do...

Nacional1 hora atrás

‘A gente colhe o que planta’, postou advogada de Marcinho VP antes de ser presa

Reprodução/redes sociais ‘A gente colhe o que planta’, postou advogada de Marcinho VP antes de ser presa Menos de 24...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!