conecte-se conosco


Economia

Senado aprova multa para empresas com salários desiguais para mulheres e homens

Publicado

em

Shutterstock

“Ainda se registram casos de discriminação contra as mulheres”, pontuou o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB)

O Senado aprovou, na noite desta quarta-feira (13), um projeto de lei que prevê multa para empresas e empregadores que não pagarem salários iguais a mulheres e homens que desempenham a mesma função. A punição, a ser incluída na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), também valeria para discriminações quanto à idade, cor ou situação familiar. O texto ainda deve passar pela Câmara dos Deputados e por sanção presidencial para virar lei.

O valor da multa, segundo define o projeto apresentado pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB), corresponderia ao dobro da diferença salarial verificada mensalmente e seria pago, claro, a quem sofreu a discriminação. “Apesar das inúmeras políticas de igualdade de gênero promovidas pelas mais diversas organizações, ainda se registram casos de discriminação contra as mulheres no que se refere à remuneração”, argumentou o parlamentar.

O senador Paulo Paim, do PT, também demonstrou apoio ao projeto. Durante a seção, Paim lembrou que a lutra contra a desigualdade salarial é histórica para as mulheres, que não deveriam ser discriminadas apenas por serem mulheres. “Na mesma função, na mesma atividade, [defendo] que não haja diferença por sexo, por cor ou por hierarquia familiar; mas, sim, que [elas] tenham direito ao mesmo salário [dos homens]”, declarou.

Dados do IBGE

Segundo pesquisa do IBGE, a desigualdade salarial entre mulheres e homens tende a aumentar conforme a idade
Pixabay

Segundo pesquisa do IBGE, a desigualdade salarial entre mulheres e homens tende a aumentar conforme a idade

Em 2018, o rendimento médio mensal das mulheres brasileiras continuou muito menor do que o dos homens. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última sexta-feira (8), Dia Internacional da Mulher, a remuneração masculina foi 20,5% maior no período.

No ano passado, o ganho médio das mulheres ocupadas entre 25 e 49 anos foi de R$ 2.050, o equivalente a 79,5% da remuneração recebida pelos homens no mesmo ano, de R$ 2.579. O dado revela redução da desigualdade em relação a 2017 (78,3%), mas piora na comparação com 2016 (80,8%).

Nos últimos sete anos, a taxa variou entre 75,6% e 80,8%. Enquanto 2016 registrou a menor desigualdade, e foi o único ano em que se ultrapassou a casa de 80%, 2013 foi marcado pela maior disparidade, e o único ano em que o indicador não chegou sequer a 76%.

Salário delas em relação ao deles

Ano

Proporção

2012

76,6%

2013

75,6%

2014

76,8%

2015

78,5%

2016

80,8%

2017

78,3%

2018

79,5%

O IBGE também revelou que a  desigualdade salarial aumenta conforme as pessoas envelhecem. Em 2018, as mulheres entre 25 e 29 anos recebiam 86,9% do rendimento masculino. Na faixa de 30 a 39 anos, cai para 81,6% e, entre o grupo de 40 a 49 anos, passa a ser de 74,9%. Segundo a pesquisa, a tendência se deve, em grande parte, à redução da jornada média que ocorre com as mulheres mais velhas.

Em média, excluindo a chamada jornada dupla, que compreende serviços domésticos e a ocupação formal, as mulheres
trabalharam menos horas do que os homens. Enquanto elas trabalharam 37,9 horas semanais, eles atuaram por 42,7 horas. Elas trabalhavam, em média, 4,8 horas semanais a menos do que eles, mas o valor médio trabalhado por hora foi de R$ 13 para as mulheres e de R$ 14,20 para os homens.

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Leia mais:  Faltam “de 60 a 70 votos” para aprovar reforma da Previdência, afirma Mourão
publicidade

Economia

Mercado reduz previsão de crescimento da economia em 2019 pela terceira vez

Publicado

em


Analistas diminuem expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano e projeção cai para 2,01%
iStock

Analistas diminuem expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano e projeção cai para 2,01%


Analistas do mercado financeiro reduziram, pela terceira vez consecutiva, as expectativas para o crescimento da economia brasileira no fim do ano. De acordo com dados do Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (18) pelo Banco Central (BC), a previsão de expansão do Produto Interno Bruno (PIB) caiu de 2,28% para 2,01% em 2019.

A projeção do PIB , que é a soma de todos os bens e serviços produzidos pelo País, era de crescimento de 2,30% no dia 4 de março. Na semana passada, o Boletim Focus apontou queda de 0,2 ponto percentual (p.p) no índice, marcando 2,28% . Com o relatório dessa semana, a estimativa cai mais 0,27 p.p, atingindo 2,01%.

A previsão do Boletim Focus para o crescimento da economia brasileira no fim deste ano é similar à da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), que ficou em 1,9% na última previsão , em 6 de março.

Os analistas consultados pelo BC também estimaram o crescimento do PIB brasileiro para os próximos três anos. Para 2020, a expectativa de expansão da economia se manteve em 2,80%, mesma projeção da semana passada.  O mesmo padrão apareceu na estimativa para 2021 e 2022, que seguiram em 2,50%

Além do PIB, relatório fez previsões para inflação e dólar


Boletim Focus também faz outras previsões além do PIB, como dólar e inflação
shutterstock

Boletim Focus também faz outras previsões além do PIB, como dólar e inflação

Apesar da queda nas projeções do PIB do Brasil , o BC elevou a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, de 3,87% para 3,89% em 2019.

Mesmo com o aumento, o índice permanece dentro da meta de inflação estipulada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para o fim deste ano, que é de 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

Leia mais:  Prazo para sacar o abono do PIS termina nesta sexta-feira

Para 2020, a previsão é de que o IPCA permaneça em 4% (dentro da meta para o ano, que é de 4% também) e, para 2021 e 2022, as projeções ficaram congeladas e continuaram em 3,75%.

Leia também: Mesmo com tragédia de Brumadinho, Vale deve lucrar em 2019

Além do PIB e da iflação, há a análise do dólar, em que as expectativas também se mantiveram: é esperado que a moeda americana termine o ano de 2019 cotada a R$ 3,70, com um ligeiro aumento em 2020: R$ 3,75.

*Com informações da Agência Brasil

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Continue lendo
Variedades3 horas atrás

Casados há mais de 7 décadas na BA, idoso de 104 e mulher de 94 anos

Casal mora em povoado de Vitória da Conquista, na região sudoeste da Bahia, têm 5 filhos, 18 netos e 24...

Nacional3 horas atrás

Google e WhatsApp devem remover imagens da boneca ‘Momo’

Imagens da boneca têm sido utilizadas por criminosos da internet para convencer crianças e jovens a cometerem atos ilícitos e...

Estadual4 horas atrás

Detenta foge de hospital em Vitória e deixa filho de dois meses internado

Aline Barreto Alcântara cumpria pena no Centro Prisional Feminino de Cariacica por furto qualificado. Presa fugiu por uma báscula após...

Mulher4 horas atrás

Aline Riscado posa de biquíni na praia e ganha elogios: ‘Parece uma escultura’

Beldade divulgou foto nas redes sociais RIO DE JANEIRO (RJ) – Aline Riscado aproveitou o finalzinho da tarde de domingo...

Nacional4 horas atrás

Menina se mata com a arma do pai em São Paulo

Ele estava tomando banho quando ouviu o barulho do tiro SÃO CAETANO (SP) – Uma menina de 10 anos se...

Nacional6 horas atrás

Homem pega no pênis de menino de 13 anos e diz: “quero sentir endurecer”

CUIABÁ (MT) – Um homem, identificado como E.L.R., 47 anos, foi preso em flagrante por abusar sexualmente de um garoto...

Agricultura7 horas atrás

Em Washington, ministra ressalta importância da reaproximação com os EUA

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), que acompanha viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, comentou nesta...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana