conecte-se conosco


Economia

Segurar preço do diesel será menos impactante que nova greve de caminhoneiros

Publicado

em

caminhão em protesto
Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Nova greve dos caminhoneiros prejudicaria mais do que suspensão do aumento no preço do diesel

Apesar das perdas bilionárias da Petrobras, a decisão do presidente Jair Bolsonaro de suspender o aumento do preço do diesel foi vista na equipe econômica como uma forma de evitar prejuízo maior.

Na avaliação de uma fonte do Ministério da Economia, o país não poderia correr o risco de passar por uma nova greve de caminhoneiros em um momento em que a economia patina, por isso a decisão de suspender o aumento no preço do diesel.

No ano passado, o PIB cresceu apenas 1,1%, frustrando as projeções que chegavam a 3% antes da paralisação. Só em um mês, as perdas na economia chegaram a R$ 15,9 bilhões. 

“Para nós, no ano passado, a greve foi o principal fator de jogar para baixo a perspectiva de crescimento. A economia está sem tração. A última coisa que poderia acontecer é uma greve do nível que aconteceu. Acredito que o presidente suspendeu para discutir”, afirmou esta fonte.

Ainda de acordo com esse integrante, a equipe ainda não se reuniu para discutir qual será a reação à crise que colocou o governo em um impasse: garantir a saúde financeira da Petrobras e, ao mesmo tempo, não causar atritos com os caminhoneiros.

Em viagem pelos EUA, o ministro da Economia, Paulo Guedes, ainda não se pronunciou sobre o episódio e sinalizou que não foi consultado por Bolsonaro sobre o assunto.

A estratégia vai ser discutida em reuniões na próxima semana. Uma das opções na mesa é a criação de um sistema para amortecer a oscilação de preços nas bombas, como o que deveria ser a Cide, que acabou sendo desvirtuada.

Nesse modelo, a tributação sobre os combustíveis aumentaria quando o petróleo estivesse mais caro e diminuiria, quando a cotação do óleo subisse. A medida, no entanto, precisaria ser incluída em uma reforma tributária ainda em elaboração. Além disso, dependeria do avanço da reforma da Previdência, já que presumiria uma renúncia de arrecadação.

Essa ideia chegou a ser proposta durante o governo de Michel Temer, mas não avançou. No governo de transição, a possibilidade também foi levantada pela equipe econômica
em formação, quando se debatia o que substituiria o subsídio ao diesel que vigorou até dezembro.

Preço do diesel gera pressão no congresso

bomba de gasolina
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Presidente vetou aumento do preço do diesel e foi parabenizado por caminhoneiros

Na Câmara, os deputados já se movimentam para pressionar Castello Branco em depoimento à Comissão de Minas e Energia.

Um convite ao executivo foi aprovado há dez dias para que ele falasse justamente sobre a política de preços da estatal. Havia a negociação para que ele fosse à Câmara em maio. Mas, diante da intervenção de Bolsonaro, pode haver uma antecipação e até mesmo uma convocação.

“Vamos dialogar (sobre o preço do diesel) na segunda-feira, pois de fato achamos muito perigoso o acontecimento. Afinal, o governo federal tem assento no conselho e faz parte das decisões. Não foi bom, na nossa avaliação, para o presidente da República nem para Petrobras. É pior ainda para os acionistas”, disse Silas Câmara (PRB-AM), presidente da comissão.

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Leia mais:  Duas pessoas morrem em acidente com carreta na BR 101 Norte, em Sooretama
publicidade

Economia

Não é só Bitcoin! Conheça outras criptomoedas importantes

Publicado

em

A primeira moeda virtual criada no mundo é também a mais famosa. Até quem não entende sobre o mercado de criptomoedas já ouviu falar e sabe o que é Bitcoin. Tal fama pode ser explicada pelos grandes picos de valorização que a moeda sofre – em 2014, por exemplo, atingiu uma marca histórica ao valorizar aproximadamente 1900%, enquanto a bolsa subiu 28% no mesmo período. A força do Bitcoin só não é maior devido à sua volatilidade: os preços podem cair ou subir muito em apenas um dia.

Leia também: Entenda como funcionam as criptomoedas

Porém, recentemente, especialistas voltaram a falar das criptomoedas prevendo um novo boom e a consolidação delas no mercado. O investidor Josh Rager sugeriu que a possibilidade de uma pessoa comum comprar um Bitcoin inteiro pode estar chegando ao fim porque “O valor especulativo depois de 2021 poderá estar fora do alcance para a maioria”. 


A imagem é uma representação da cotação de diferentes criptomoedas
shutterstock

Outras criptomoedas disputam mercado com o Bitcoin


Nesse cenário outras moedas criptografadas menos conhecidas competem com o Bitcoin pelo mercado. Com custo mais baixo e picos de valorização, elas também podem representar boas opções de investimento. Conheça as principais e mais valiosas.

Bitcoin Cash (BCH)

A Bitcoin Cash foi criada para substituir o Bitcoin. A intenção era diminuir o tempo de transação do Bitcoin, que chega a ser de um dia. Porém, não houve muita aceitação do mercado e a BCH se tornou uma altcoin com funcionalidades parecidas com as do BTC, mas com algumas melhoras.

Ethereum (ETH)

Quando o assunto é as moedas virtuais mais valiosas, a Ether (ETH) fica atrás apenas do Bitcoin e da Bitcoin Cash. Ela foi criada para funcionar dentro da plataforma de blockchain Ethereum, capaz de executar contratos inteligentes e aplicações descentralizadas.

Leia mais:  País tem 31 mil vagas abertas em 150 concursos

Além da baixa no mercado de moedas criptografadas o ETH sofre com problemas de escalabilidade, mas um novo sistema de PoW/PoS, chamado Casper, pode consertar o problema e alavancar o preço da moeda virtual nos próximos anos.

Ripple (XRP)

O Ripple (XRP) foi desenvolvido pela organização OpenCoin, que idealizou um sistema de pagamentos em código aberto. A ideia é permitir que o dinheiro circule livremente e com segurança, sem as taxas normalmente cobradas pelas instituições financeiras tradicionais.

Como existe uma grande quantidade dessa moeda criptografada circulando, o custo dela é baixo e os grandes picos de valorização, comuns ao Bitcoin, são raros. Por ter ligação com bancos, como o Western Union, o XRP tem uma boa projeção.

Litecoin (LTC)

Sustentada por uma rede peer-to-peer, a Litecoin (LTC) é inspirada no Bitcoin e tecnicamente muito parecida com a moeda virtual mais famosa do mercado. A principal diferença entre elas é a leveza de processamento: a LTC possibilita sua mineração com hadwares mais modestos.

Passou a ser considerada uma boa alternativa ao Bitcoin por ser mais estável e ter taxas mais baratas. A rapidez das transações também é um ponto positivo.

Zcash (ZEC)

Privacidade é o pilar da moeda criptografada Zcash (ZEC) e por isso ela é muito procurada por quem deseja fazer transações mais particulares. Foi criada em 2016 após o Bitcoin apresentar falhas em manter pessoas e empresas anônimas. 

A garantia da privacidade é o grande motivo da Zcash ter se tornado conhecida em pouco tempo. Em cada transação os dados de quem realizou e de quem recebeu a quantia são ocultados automaticamente.

Existem milhares de criptomoedas além das citadas acima. Antes de investir em alguma delas, analise o preço e o histórico de variação, a popularidade, o volume financeiro e suas parcerias no mercado. Essa pesquisa ajuda a entender o risco que a moeda virtual pouco conhecida pode representar.

Leia mais:  Duas pessoas morrem em acidente com carreta na BR 101 Norte, em Sooretama

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana