conecte-se conosco


Meio Ambiente

Quase metade das mortes de animais no litoral de São Paulo tem relação com lixo

Publicado

em


Lixo em excesso causa grandes danos a vida marinha nas praias do litoral norte de São Paulo
Reprodução/ Instituto Argonauta

Lixo em excesso causa grandes danos a vida marinha nas praias do litoral norte de São Paulo

Dentre os 2.600 animais marinhos encontrados mortos pelo Instituto Argonauta, entre 2015 e 2018, 48% mostraram ter tido contato com o lixo jogado nas praias do litoral norte de São Paulo, segundo a coordenadora do Projeto de Monitoramento de Praia da Bacia de Santos (PMP-BS), Carla Beatriz Barbosa.

Leia também: Calor e poluição matam 55 toneladas de peixes na Lagoa Rodrigo de Freitas, no RJ

O resultado foi divulgado nesta semana pelo Instituto Argonauta em parceria com o Aquário de Ubatuba, por meio de dois boletins informativos de monitoramento do lixo descartado nas praias de quatro cidades: Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião e Ilhabela. 

O levantamento também divulgou que 942,7 kg de lixo foram retirados das praias avaliadas em 2018, sendo que 330,8 kg foram coletados só nas praias de Ubatuba. Além disso, dentre os 132 locais analisados, seis praias foram classificadas como “inaceitáveis” pelo instituto, devido a grande quantidade de resíduos encontrados.

Os resultados podem ser ainda mais assustadores se for considerado um tempo de análise maior. Nos últimos 30 meses, foram recolhidas 22 toneladas de resíduos nesses locais. Tais dados fornecem aos pesquisadores um “raio-x” sobre o movimento de descarte nas praias do litoral norte.

Leia também: Diminuir poluição do ar pode salvar 1 milhão de vidas por ano, afirma OMS

A finalidade da operação é, não só de recolher o excesso de lixo nas praias, como também conscientizar a população a respeito dos impactos que o descarte excessivo pode ter para o meio ambiente, para os animais , para a saúde da população e para a economia dessas cidades, que tem como base o turismo de praia.

Leia mais:  Polícia flagra pássaros silvestres presos em gaiolas em pousada de Barra Nova

“Apesar do aumento da preocupação e da veiculação de diversas notícias sobre o tema, na prática ainda observamos uma enorme quantidade de lixo indo parar nos rios, praias e mar da região, e o que é pior, afetando diretamente a fauna marinha”, afirmou Hugo Gallo, presidente do Instituto Argonauta.

Leia também: Presidente do Ibama pede exoneração após questionamentos em contratos

O oceanógrafo ainda destacou que os países europeus já preveem banir os materiais descartáveis até 2020 e que essa medida deveria ser considerada pelo Brasil quando o assunto é descarte de lixo .

Comentários do Facebook
publicidade

Meio Ambiente

Polícia Ambiental paralisa atividade irregular de carvoaria e apreende aves

Publicado

em

CONCEIÇÃO DA BARRA (ES) – Atendendo à denúncia anônima,  policiais militares da 3ª Companhia do Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA) constataram a presença de dois pássaros silvestres mantidos em cativeiro de forma irregular e atividade de carvoaria sem autorização no município de Conceição da Barra, Região Norte do Estado do Espírito Santo.

Durante policiamento foram apreendidos um coleiro, um canário da terra e quatro gaiolas vazias com indícios de utilização para captura de aves. Os responsáveis não tinham autorização do órgão ambiental competente. Os pássaros e as gaiolas foram encaminhados ao DPJ do município para devidas providências e as aves serão entregues à Floresta Nacional do Rio Preto, devolvidas a natureza.

Em continuidade às fiscalizações no município de Conceição da Barra, a Polícia Ambiental flagrou o funcionamento de um forno para fabricação de carvão vegetal sem o devido licenciamento no bairro Santana. Por meio de denúncia anônima, moradores reclamaram da emissão descontrolada de fumaça causando incômodo e danos à saúde.

A atividade de carvoaria foi paralisada por não haver documentação de origem florestal para fabricação do carvão. Aproximadamente 1,5 metros cúbicos de material lenhoso foi apreendido. O infrator foi conduzido à delegacia Civil do município.

Os responsáveis pela reclusão dos pássaros, bem como pela atividade de carvoaria, responderão penalmente segundo a Lei nº 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais). O BPMA realiza ações por meio de palestras e policiamentos preventivos no intuito de impedir o cativeiro de animais silvestres e atividades em ambientes irregulares. A atuação visa sensibilizar a população do Estado do Espírito Santo a importância das denúncias feitas pelo telefone 181, no combate aos crimes ambientais, mantendo o seu completo sigilo.

Comentários do Facebook
Leia mais:  Fiéis fazem procissão para pedir por chuva no Espírito Santo
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana