conecte-se conosco


Educação

Pesquisa aponta que professor brasileiro é um dos que mais sofrem intimidação

Publicado

em

 

Semanalmente, 10% das escolas do País têm casos de intimidação, física ou verbal, contra educadores, com “potenciais consequências para o bem-estar, estresse e permanência na profissão”, diz a pesquisa. A média internacional é de 3%

Os professores brasileiros são alvo de mais intimidações e lidam em proporção maior com o bullying entre os alunos do que a média internacional, além de perderem mais tempo com atividades não relacionadas ao ensino. É o que mostra a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, na sigla em inglês), feita pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com 250 mil professores e diretores de escolas de 48 países ou regiões.

Em média, professores no Brasil usam só 67% do tempo em atividades ligadas ao aprendizado. O restante é dedicado a tarefas administrativas, como a lista de presença, ou para manter a ordem na classe. A relação entre alunos e deles com professores também preocupa. No Brasil, 28% dos diretores dizem ter testemunhado intimidação ou bullying entre estudantes – o dobro da média da OCDE.

Semanalmente, 10% das escolas do País têm casos de intimidação, física ou verbal, contra educadores, com “potenciais consequências para o bem-estar, estresse e permanência na profissão”, diz a pesquisa. A média internacional é de 3%.

Quando os ataques miram funcionários da escola, o Brasil é o segundo – atrás só do norte da Bélgica. Ilustra essa estatística o caso de dez alunos que atiraram cadeiras e livros contra uma professora em uma escola estadual de Carapicuíba, Grande São Paulo, em maio. O vídeo da agressão se espalhou nas redes sociais e nove envolvidos no caso chegaram a ser detidos.

A professora Maria Carlota Galvão, que dá aulas de Artes em uma rede municipal no litoral do Rio, diz ver o contexto de violência influenciar na escola cotidianamente. “Os conflitos da escola vêm sempre um pouco de fora porque a sociedade está toda desmoronando ao redor, mas precisamos ensiná-los a conviver com todos esses relacionamentos que têm na família e entre si”, diz ela, de 48 anos.

Relatos de intimidação não são incomuns, até fora do contexto escolar. “Nas redes sociais, alguns alunos esquecem de que aquilo é um ambiente público e ofendem (com mensagens contra o professor)”, conta a também professora Lidiane Christovam, de 41 anos, que deu aulas de Matemática por mais de uma década em colégios particulares da capital paulista e leciona em universidade há cerca de dois anos.

Já a pesquisadora Luciana Lapa, do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Moral, ligado à Universidade Estadual Paulista (Unesp) e à Estadual de Campinas (Unicamp), diz que a mediação de conflitos e de casos de bullying nas escolas geralmente falha ao tratar o comportamento dos alunos. “Fica esquecida a parte da reflexão, que é muito mais trabalhosa do que o castigo, a suspensão. Você pune e não forma”, afirma a especialista. “É preciso uma intervenção não apenas punitiva, mas que promova uma tomada de consciência.”

O relatório da OCDE destaca também o efeito cumulativo do desperdício de tempo no aprendizado – poucos minutos durante as aulas representam dias perdidos no fim do ano. O Brasil é o terceiro país com o pior aproveitamento de tempo em classe, atrás apenas da África do Sul e da Arábia Saudita. Na média, nos países que integram a OCDE, os professores aproveitam 78% da aula com as atividades de ensino.

Especialistas dizem que o desempenho do País está relacionado à falta de preparo dos professores – o que envolve desde inexperiência em sala de aula até profissionais alocados em disciplinas fora de sua área de formação. E há a falta de compreensão das demandas de alunos, cada vez mais estimulados pela tecnologia.

A professora Lidiane Christovam vê sobrecarga nas responsabilidades de docentes. Diz que o tempo dedicado ao planejamento das aulas foi tomado por demandas como o relacionamento constante com a escola e os pais, o uso das plataformas digitais do colégio e a capacitação constante. Ao mesmo tempo, acha que atividades no contraturno muitas vezes tiram o tempo que os alunos têm para socializar – por isso, usam o tempo da aula para isso.

“De maneira geral, o professor, hoje, tem demanda maior para fornecer material (didático) para portais escolares e, grosso modo, ele ampara o aluno muito mais do que na minha época de estudante”, opina ela.

Ao comentar os dados, o Ministério da Educação (MEC) disse que a pesquisa ajuda o governo federal e as secretarias locais a abordarem a realidade do ensino e da aprendizagem de forma mais assertiva.

 

Leia mais:  Projeto apresenta literatura infantil para crianças em São Mateus

Comentários do Facebook
publicidade

Educação

Alunos desfilam com fuzis e pistolas de brinquedo em colégio

Publicado

em

source
alunos com fuzis e pistolas de brinquedo
Reprodução/O Dia
Alunos desfilam com fuzis e pistolas de brinquedo em colégio de São Gonçalo

Trinta e seis professores e profissionais do Colégio Estadual Trasilbo Filgueiras , no Jardim Catarina, em São Gonçalo, divulgaram carta de repúdio após a divulgação de um vídeo em que um grupo de alunos passeia pelo pátio da escola cantando funk e portando armas e fuzis de brinquedo .

Na próxima terça-feira (8), está marcada uma reunião com pais e responsáveis dos alunos da unidade e a comunidade escolar para discutir o ato desses alunos .

O fato aconteceu na última quinta-feira (3) durante a FeirArte 2019, evento anualmente organizado pelo colégio e cujo tema esse ano foi ‘Sétima Arte:Cinema’, sob coordenação dos professores de educação artística da unidade escolar.

Leia também: Vídeo mostra PM perseguindo motociclista com mochila da Uber

alunos com fuzis e pistolas de brinquedo
Reprodução/O Dia
Caso será discutido entre pais e comunidade escolar

Os alunos envolvidos, de acordo com a nota, passaram com réplicas de papelão/brinquedo de armas de fogo , sem qualquer autorização ou aviso prévio pelo portão da escola. As réplicas identificadas foram recolhidas imediatamente pela diretora geral.

A Secretaria de Estado de Educação informou que a direção do colégio pôs em prática o protocolo da SEEDUC e comunicou as famílias, o Conselho Tutelar e uma equipe multidisciplinar do Programa Cuidar composta por psicólogos e assistentes sociais.

Foi também registrado um boletim de ocorrência na Delegacia da região. Os estudantes serão suspensos e só retornarão ou não após avaliação da equipe do Programa Cuidar. E será analisada a possibilidade de eles serem transferidos para outra unidade de ensino.

Fonte: IG Mundo
Comentários do Facebook
Leia mais:  Inscrições para vagas remanescentes do Prouni começam na segunda
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Entretenimento52 minutos atrás

Thaila Ayala surge de topless em foto na piscina nas Ilhas Maldivas

Thaila Ayala e Renato Góes estão curtindo a lua de mel nas Ilhas Maldivas e, quem acompanha as redes sociais...

Entretenimento52 minutos atrás

Gracyanne Barbosa exibe corpo sarado e desabafa sobre padrões de beleza

Neste domingo (13), Gracyanne Barbosa utilizou seu Instagram, que conta com mais de oito milhões de seguidores, para postar uma...

Entretenimento52 minutos atrás

Bebê a caminho? Iza fala sobre sonho de ter “uma grande família”

Aos 29 anos, IZA já é um dos grandes nomes da música brasileira e não é a toa que hoje...

Nacional53 minutos atrás

Sobe para 37 o número de mortos no Japão após passagem do tufão Hagibis

arrow-options Reprodução/Twitter Tempestade é a maior registrada no Japão nos últimos 60 anos O Tufão Hagibis provocou no Japão precipitações...

Polícia Federal7 horas atrás

Polícia Federal e Receita Federal apreendem 1300 kg de cocaína no Paraná

Curitiba/PR – A Polícia Federal e Receita Federal apreenderam na manhã de hoje (11/10) 1300 kg de cocaína no Porto...

Direto de Brasília8 horas atrás

Identificadas as seis vítimas que morreram em grave acidente na Via Dutra

arrow-options Foto: Reprodução/Internet Simone da Silva e Felipe da Silva com a filha A Polícia Civil do Rio de Janeiro...

Nacional8 horas atrás

Mulher morre “engolida” por buraco que se abriu enquanto ela estendia roupa

Bombeiros/Divulgação Buraco se abriu sob os pés da mulher Uma mulher de 55 anos morreu após um buraco se abrir...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana