conecte-se conosco


Nacional

Perita do caso Marielle já foi acusada de fraudar laudo em outra investigação

Publicado

em

source
Marielle arrow-options
Mário Vasconcellos/Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Assassinato de Marielle Franco segue sem grandes esclarecimentos.

Maria do Carmo Gargaglione, uma das técnicas do Ministério Público (MP) que analisou o áudio do porteiro do condomínio do presidente Jair Bolsonaro no Caso Marielle Franco , já foi acusada, pela perícia da Polícia Civil, de ‘edição fraudulenta’ de uma escuta em uma outra investigação, de 2009. Na ocasião, laudo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) mostrou que os áudios analisados por ela tinham sido editados, incriminando um dos investigados. Na Justiça, ele acabou absolvido.

Laudo do ICCE, feito pela perita Denise Rivera, atual vice-presidente da Associação de Peritos do Estado do Rio de Janeiro, apontou a irregularidade na análise de Gargaglione. “Áudios que foram objetos de exame da técnica Maria Gargaglione exibem uma edição fraudulenta em relação ao diálogo identificado como 184”, diz trecho do documento.

Na época, a investigação do MP, intitulada Propina S.A, desarticulou um esquema de corrupção que envolvia fiscais da Secretaria de Fazenda. O esquema era comandado pelo fiscal Francisco Roberto da Cunha, conhecido como Chico Olho de Boi.

A perícia do ICCE atestou que houve edição fraudulenta de um diálogo de um dos investigados com Chico. O relatório apontou, após apreensão das interceptações telefônicas originais, que vozes atribuídas a um dos investigados no laudo emitido por Gargaglione, em duas conversas, não eram dele.

Áudio do porteiro

A análise do áudio do porteiro, confeccionada em menos de três horas, atestou que o funcionário do condomínio de Bolsonaro teria ligado para a casa de Ronnie Lessa, um dos acusados pela morte da vereadora, e não para a do presidente. A perícia do MP foi criticada por não ter analisado o sistema de gravação da guarita, apreendido somente ontem pela polícia.

Leia mais:  MP quer multar prefeitura deSão Paulo por falta de manutenção em viadutos

Processo na Justiça acaba em acordo

O caso dos laudos divergentes foi parar na Justiça. Numa entrevista, Maria Gargaglione teria ofendido Denise Rivera pela acusação de fraude. Ambas ingressaram com processos mútuos por difamação e calúnia. No entanto, tudo terminou em um acordo de desistência, com cláusula de confidencialidade, e, na decisão judicial foi declarada “extinta a punibilidade de Gargaglione”.

Procurada, a perita Maria Gargaglione respondeu por meio de nota do MP. Segundo o órgão, a técnica cometeu um “mero erro de digitação” e que “a perita Denise Rivera reconheceu que não houve fraude, tendo sido extintos os processos”.

Denise negou que tenha retirado a acusação contra Gargaglione. O advogado de Denise, João Tancredo, demonstrou surpresa com o posicionamento do MP: “Absurda essa afirmação. Não há uma linha sequer de retratação da Denise. O que ocorreu foi um acordo de desistência das partes”, disse.

Dúvidas no laudo sobre o porteiro

Assim que o laudo do porteiro foi divulgado, a Associação dos Peritos do Estado do Rio de Janeiro (Aperj) apontou problemas no documento. A reportagem de O DIA mostrou o laudo para um perito da associação, que fez outros apontamentos:

1) As promotoras perguntaram: “Quantas ligações foram efetuadas para a residência 65/66 (de Ronnie Lessa)”. A resposta fala em 264 ligações para a casa 65 e 14 para a casa 66. Ocorre que a imagem mostra 26 ligações para a casa 65 e 14 para a casa 66;

2) Nenhum cálculo ou exame acústico é citado para embasar o exame de parâmetros acústicos mensuráveis como formantes;

3) Apesar de citar a ciência e organismos internacionais, os parâmetros analisados estão em conformidade com a Academia Brasileira de Fonoaudiologia Forense (Acadeffor), instituição criada pela própria técnica Maria Gargaglione. “Na verdade a Acadeffor não possui reconhecimento técnico, que estabelece esses parâmetros de análise de áudios”, disse o perito, que preferiu não se identificar.

Leia mais:  Opositor de governo Russo pode ter sido envenenado

Divergências em mais dois casos

Pelo menos outros dois casos mostraram divergências entre laudos de voz feitos pelo departamento coordenado pela técnica Maria do Carmo Gargaglione e pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli.

Um deles integra o caso do assassinato do pedreiro Amarildo de Souza, ocorrido em julho de 2013. Laudo de voz do MP apontou que o soldado Marlon Campos Reis teria se passado por um criminoso, na tentativa de responsabilizar traficantes pela morte de Amarildo, livrando da culpa policiais da UPP da Rocinha, na Zona Sul do Rio. Já o ICCE afirmou que não era possível confirmar ser a voz de Marlon e apresentou à Justiça um laudo apontando que o fato era inconclusivo. O policial foi absolvido em primeira instância.

O outro caso de divergência de laudos de voz é referente à operação Purificação, de 2012. Na ação, 65 policiais militares foram presos. Exames de voz feitos pelo ICCE apontaram que análises de voz de gravações telefônicas de 13 PMs foi conclusivo apenas para um policial. Segundo o documento, o único confronto de voz que deu positivo foi do sargento Paulo Sergio Fernandes Odilon.

As outras 12 escutas analisadas, autorizadas pela Justiça, de acordo com os peritos, deram negativas, inconclusivas ou prejudicadas, contrariando laudo do MP. Em um dos casos, o ICCE mostrou que uma fala foi imputada a três policiais diferentes. O resultado foi debatido na Comissão de Segurança Pública da Alerj. “A audiência busca averiguar se houve alguma injustiça contra esses policiais”, afirmou o presidente da comissão à época, deputado Iranildo Campos.

Comentários do Facebook
publicidade

Nacional

Índio Guajajara está em estado grave após atentando que matou dois no Maranhão

Publicado

em

source
Fachada do hospital arrow-options
Karlos Geromy / Secretaria de Saúde do Maranhão

Unidade hospitalar onde indígena em estado grave está internado

Um dos índios da etnia Guajajara está em estado grave após ser vítima de um atentado a tiros  neste sábado (7), informou o governo do estado do Maranhão. O atentado, que ocorreu na BR-226, deixou mais um ferido, mas este deve receber alta ainda neste domingo. Outros dois índios morreram no ataque .

“O indígena Nico Alfredo Guarajara encontra-se recebendo toda assistência médica no Hospital Macrorregional de Presidente Dutra. Ele deu entrada na unidade na noite de sábado (7), onde foi submetido a uma laparotomia exploratória e às correções de lesões na bexiga e intestino. O paciente encontra-se estável, porém ainda em estado considerado grave. Ele será submetido a novo procedimento cirúrgico na terça (10)”, diz a nota do governo.

O estado também informa que a outra liderança ferida foi encaminhada à UPA de Barra do Corda, e corresponde bem ao tratamento, com “previsão de alta hospitalar ainda hoje”.

Leia também: Índios sofriam ameaças após assaltos na região, diz membro da Funai no Maranhão

O atentado ocorreu neste sábado, entre as aldeias Boa Vista e El Betel, no município de Jenipapo dos Vieiras, localizado a 506 km de São Luís, capital do Maranhão.

No Twitter, o governador do Maranhão, Flávio Dino, disse que os secretários de Segurança Pública e de Direitos Humanos do estado “estão pessoalmente presentes nos locais dos assassinatos” para “colaborar com as autoridades do governo federal e dialogar com as lideranças indígenas”.

Em nota, a Fundação Nacional Nacional do Índio (Funai) lamentou o ocorrido.

“Indígenas foram atingidos por tiros originados de um veículo Celta, de cor branca, e vidros espelhados. A equipe da FUNAI está na região, com os indígenas, providenciando o registro da ocorrência. A Secretaria de Estado de Segurança Pública foi acionada e já acompanha o caso, bem como a Secretaria de Estado de Direitos Humanos. Foi cientificada a Polícia Federal que já investiga o caso”, diz o comunicado.

Leia mais:  Flordelis e mais três filhas teriam envolvimento na morte de pastor

Leia também: Após ataque a indígenas, Moro diz que pode enviar Força Nacional ao Maranhão

A Funai acrescenta que, como forma de protesto, os indígenas interditaram a rodovia BR-226 nos dois sentidos e a passagem de veículos encontra-se bloqueada naquela região.

Nas redes sociais, políticos se posicionaram sobre o atentado. Para a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva o “banho de sangue” na Amazônia exige “uma resposta firme e urgente das autoridades brasileiras”.

“O assassinato de 2 indígenas Guajajara não pode ficar impune. É preciso conter a barbárie e chegar aos responsáveis por esses atos criminosos. Minha solidariedade ao povo Guajajara”, escreveu Marina.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Estadual54 minutos atrás

Manifestação interdita BR-101 na Serra

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o protesto começou por volta das 4h30 Uma manifestação de um grupo de cerca...

Saúde57 minutos atrás

Brasil assume conselho de entidade que combate a tuberculose no mundo

A presidência do Conselho da Stop TB Partnership, instituição internacional que busca eliminar a tuberculose no mundo, passa a ser...

Entretenimento57 minutos atrás

Ex-Bom Dia e Cia, Yudi não transa mais por “vontade de Deus”

Cantor, ator e ex-participante de “A Fazenda”, Yudi Tamashiro ficou realmente conhecido por ter apresentado o matinal “Bom Dia e...

Entretenimento57 minutos atrás

Marília Mendonça anuncia nascimento do filho e deixa web em choque

No último final de semana, Marília Mendonça utilizou seu perfil no Instagram para brincar com seus seguidores. “Nasceu”, escreveu a...

Entretenimento57 minutos atrás

Integrante do “Se Joga” gera polêmica nos bastidores da Globo; saiba o motivo

Érico Brás, que atualmente apresenta o “Se Joga” ao lado de Fernanda Gentil e Fabiana Karla, está com fama de...

Política1 hora atrás

Felipe Rigoni define R$ 18 milhões em emendas para 17 municípios

Deputado foi o único parlamentar do Estado a fazer votação popular para escolha de projetos O deputado federal Felipe Rigoni...

Entretenimento2 horas atrás

Mulher-Maravilha 1984 tem seu primeiro trailer lançado na CCXP; assista

arrow-options Reprodução Filme está previsto para junho de 2020 A Warner Bros divulgou o primeiro trailer do filme Mulher-Maravilha 1984...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana