conecte-se conosco


Economia

Os inimigos do crescimento

Publicado

em

source
Michel Temer arrow-options
undefined

Na época da posse de Michel Temer, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25% ao ano.

Nunca antes na história — só para lembrar a frase que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre usava para elogiar seu próprio governo — foi adotada neste país uma  taxa básica de juros mais baixa do que a atual.

Na quarta-feira passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, anunciou mais uma redução da taxa Selic . Ela caiu de 5% para 4,5%.

Foi uma decisão correta: essa queda de meio ponto percentual tem sobre as contas públicas e sobre a economia real um impacto positivo  muito maior do que pode parecer à primeira vista.

Em 31 de agosto de 2016, quando o impeachment de Dilma Rousseff pôs Michel Temer na presidência da República, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25%  ao ano.

Começaram a cair desde então e estavam em 6,5% quando Temer passou a faixa presidencial para Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro deste ano. Desde então, emagreceram mais dois pontos percentuais.

Com juros menores, a rolagem da dívida pública fica mais em conta e aumenta a possibilidade de reduzir o déficit das contas federais — um argumento que já se usava desde os tempos em que a política econômica dos governos petistas, a pretexto de segurar a inflação, insistia em manter a Selic muito mais alta do que precisava ser.

Banco Central corta Selic pela 4ª vez e taxa cai a 4,5% ao ano

 Os bancos , é claro, adoravam essa farra, que lhes garantia rios de dinheiro. A rolagem mais amigável da dívida pública é o efeito mais visível da redução da Selic, mas existe um outro benefício relevante vinculado à queda da Selic.

Durante a administração de Fenando Henrique Cardoso e nos governos petistas de Lula e Dilma, era muito mais s era muito mais vantajoso deixar o dinheiro parado em títulos do governo do que investi-lo em projetos que geram empregos e melhoram a situação da economia, mas envolvem os riscos naturais do mundo dos negócios.

Leia mais:  Bolsonaro diz que não vai privatizar Banco do Brasil, Caixa e Furnas

Com uma Selic de 14,25% e uma inflação anual de 6,29% em 2016, deixar o dinheiro parado nas aplicações mais conservadoras do mercado significava colocar no bolso, sem correr qualquer risco, um rendimento líquido de 8%.

Era, convenhamos, um rendimento líquido muito expressivo. Mesmo com a incidência dos 15% do Imposto Sobre Ganho de Capital sobre os rendimentos das aplicações, financiar o déficit do governo era extremamente atraente e cômodo para quem queria ganhar sem trabalhar.

Agora não é mais assim. Com a taxa Selic em 4,5% e a inflação projetando 3,6% para 2020, o rendimento das aplicações em título do governo cai para menos de 1% ao ano. Nesse caso, torna-se mais vantajoso aplicar os recursos num  investimento produtivo e gerador de empregos do que mantê-lo parado nos títulos do Tesouro.

O primeiro segmento beneficiado pela redução dos juros foi a Construção Civil — um dos setores responsáveis pela elevação da expectativa de crescimento da economia para o ano que vem, conforme apontado pelo comportamento positivo do PIB no terceiro trimestre.

construção arrow-options
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Setor da construção civil é um dos que se beneficia com as taxas de juros baixas

É de se esperar que mais dinheiro hoje aplicado em títulos do governo migre para o mundo real e ajude a aquecer a economia , o que é ótimo. Em tempo: a queda da taxa básica de juros, por si só, não é suficiente para fazer a economia crescer num ritmo mais acelerado. Mas é, sem dúvida, um primeiro passo.

Esse efeito positivo da queda dos juros seria bem maior, sem dúvida alguma, se o sistema bancário brasileiro não tivesse um comportamento tão nocivo ao mercado real, como tem demonstrado ter nesse período de dificuldade que o país tem atravessado nos últimos anos.

Leia mais:  Airbus deixará de produzir superjumbo A380, maior avião de passageiros do mundo

A desculpa de que os impostos por aqui são muito elevados e que o risco de não receber de volta o dinheiro que emprestam às pessoas e às empresas é alto já não cola mais. Ela é insuficiente para explicar as taxas de juros obscenas cobradas pelos bancos brasileiros. Querer alguém aceite essa lorota é o mesmo que chamar o interlocutor de ingênuo.

Os juros no Brasil são exorbitantes porque o mercado é concentrado e os bancos não  competem uns com os outros. Eles se movimentam sempre juntos, mais ou menos na mesma velocidade e direção.

E todos têm o hábito de cobrar mais do que seria razoável de quem precisa de dinheiro. A coisa chegou a um ponto tão escandaloso que, no final de novembro, o Conselho Monetário Nacional aprovou uma resolução que fixa em 8%  ao mês a taxa de juros do cheque especial.

Caixa reduz juros para financiamento da casa própria e cheque especial

“Foi uma decisão essencialmente técnica”, explicou Roberto Campos Neto , presidente do Banco Central. A explicação de Campos faz corar os economistas liberais de carteirinha — como era o caso do avô do presidente do BC, o ex-ministro do Planejamento Roberto de Oliveira Campos.

Roberto Campos Neto arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, tomou uma medida intervencionista

Foi, sem dúvida, uma intervenção escancarada no mercado, num molde que fez lembrar a tentativa desastrada da ex-presidente Dilma Rousseff de tentar baixar a taxa de juros passando pito e ralhando com os bancos privados.

Ao agir do jeito que agiu, o governo pelo menos chamou atenção para o descalabro que tem sido a atuação do sistema financeiro no Brasil.

O limite de 8% ao mês, que passará a vigorar a partir do dia 6 de janeiro de 2020, representa mais ou menos 152% ao ano . É uma taxa ultrajante mas, de qualquer forma, menos salgada do que a atual.

Leia mais:  “Feita para enganar a população”, diz Bolsonaro sobre taxa de desemprego do IBGE

De acordo com um levantamento feito pelo Banco Central em outubro passado, a taxa de juros média cobrada pelos bancos nessa modalidade de crédito era de 12% ao mês — o que dá, aproximadamente, 306% ao ano .

Tentativas de tabelar os juros não são recentes no Brasil. A Constituição de 1988, em seu artigo 192, chegou a estabelecer um teto de 12% ao ano para a taxa de juros.

O limite foi ignorado pelos bancos de uma forma tão solene que não restou ao Congresso,  diante das evidências de que a lei de nada valia, curvar-se à realidade e tirar da Carta Magna aquele dispositivo inútil.

O atual limite dos juros do cheque especial também não vai disciplinar o apetite desmedido dos bancos brasileiros pelo lucro fácil.

Governo limita juros do cheque especial, solução já usada no passado: funciona?

 O mesmo documento que fixa em 8% ao mês os juros de quem recorre ao cheque especial dá aos bancos o direito de cobrar uma tarifa do cliente que tem mas não utiliza o limite.

Sim. O cliente pagará para ter direito a um crédito que não utilizará. É muita mamata, não? Esse é apenas um dos lados do problema. Há outros.

Contar com o sistema bancário brasileiro para financiar projetos que estimulem o desenvolvimento é o mesmo que comprar uma casa contando com o Prêmio da Mega-Sena da Virada: a chance de dar certo é de uma em alguns milhões. Não é um problema de fácil solução.

Para acabar com esse quadro seria necessário uma maior abertura no mercado para o capital 
estrangeiro e a ampliação da concorrência no mercado bancário. As fintechs, empresas  financeiras baseadas em tecnologia que estão chegado ao mercado são o início de uma
solução. Mas ainda vai demorar até que elas se firmem.

Em todo país desenvolvido, o setor produtivo s empre teve no mercado financeiro um parceiro que apoiou o crescimento das empresas que geraram empregos e prosperidade. No Brasil, o paraíso do rentismo e da agiotagem legalizada, os bancos parecem fazer tudo o que está a seu alcance para que o país não vá adiante.

Comentários do Facebook
publicidade

Economia

Dólar tem alta e chega a R$ 4,21; tensão sobre coronavírus influencia mercado

Publicado

em

source
dólar arrow-options
shutterstock

Dólar acelera nesta segunda-feira


A rápida disseminação do coronavírus e a confirmação de novos casos da doença fora da Ásia impactam o mercado nesta segunda-feira (27). Este cenário faz com que o dólar comercial seja negociado a R$ 4,214, alta de 0,72%. Na Bolsa, o Ibovespa (índice de referência da B3 ), opera com recuo de 2,3%, aos 115.479 pontos.

De acordo com os dados mais recentes do governo chinês, o número de mortes causadas pelo coronavírus chegou a 81. O total de casos confirmados na China aumentou cerca de 30%, para 2.744. Alguns especialistas, entretanto, suspeitam que o número de pessoas infectadas seja maior.

Leia também: Coronavírus faz preço do petróleo cair quase 3%; entenda

“A preocupação é em relação às consequências das medidas do governo chinês para conter a disseminação do coronavírus . As determinações de Pequim envolvem proibições de viagens, fechamento de áreas que são foco do vírus e cancelamento das festividades do Ano Novo Lunar . Tudo isso gera um temor nos investidores de que a economia global pode desacelerar, uma vez que a segunda maior economia do mundo está parada”, avalia Pablo Spyer, diretor da Mirae Asset.

Impacto

As preocupações com uma possível perda de ritmo da economia global impacta diretamente as commodities . O preço do barril de petróleo tipo Brent é negociado com queda de 2,82%, valendo US$ 58,98, a menor cotação desde outubro do ano passado. Assim, as ações ordinárias (ON, com direito a voto) e preferenciais (PN, sem direito a voto) da Petrobras recuam, respectivamente, 0,38% e 1,18%.

Leia também: BNDES vende ações da Petrobras e pode ganhar R$23 bi; banco detém 13% da empresa

Leia mais:  Governo prepara estratégia para não desidratar reforma da Previdência

A maior queda, porém, é da Vale , que recua 3,06%. A empresa tem na China um de seus maiores compradores de minério de ferro. Com receio de que a demanda do país vai diminuir por causa da suspensão de vários serviços em meio à propagação do coronavírus , a brasileira opera em terreno negativo.

Na Ásia , as Bolsas da China seguem fechadas até o dia 03 de fevereiro porque o governo decidiu estender o Ano Novo Lunar, na tentativa de conter o vírus. No Japão , porém, o índice Nikkei recuou 2,03%, maior queda percentual desde 26 de agosto do ano passado.

Queda na Selic

Internamente, os economistas consultados pelo Banco Central (BC) para a elaboração do Boletim Focus projetam que a taxa básica de juros ( Selic ) passará por um novo corte, renovando seu piso histórico. A projeção do Focus é que os juros encerrem 2020 a 4,25% ao ano.

Leia também: Mercado reduz estimativa da inflação e projeta queda da Selic

O Comitê de Política Monetária (COPOM) do BC se reune nos próximos dias 4 e 5 de fevereiro para decidir os novos padrões da Selic .

Em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) , os economistas mantiveram suas perspectivas de que a economia do Brasil vai avançar 2,31% em 2020.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Internacional2 horas atrás

Peruanos foram às urnas após dissolução do Parlamento

Os peruanos foram às ruas ontem (26) para eleger novos membros para o Congresso, após o presidente Martín Vizcarra ter...

Internacional2 horas atrás

Bolívia: após anunciar candidatura, Áñez pede a renúncia de ministros

A Secretaria da Presidência da Bolívia anunciou em um comunicado oficial que a presidente interina do país, Jeanine Áñez, solicitou a...

Internacional2 horas atrás

Itamaraty emite nota sobre os 75 anos de libertação de Auschwitz

O governo brasileiro divulgou hoje (27) nota sobre os 75 anos da liberação do campo de concentração nazista em Auschwitz....

Nacional2 horas atrás

“Apoio eu recebo de qualquer um”, diz Bruno Covas sobre eleição

arrow-options Paulo Guereta/Photo Premium/Agência O Globo Bruno Covas foi segundo entrevistado da nova temporada do Roda Viva O prefeito de...

Mulher2 horas atrás

Cinco dicas de calças femininas para qualquer ocasião

Na atualidade ter peças versáteis no guarda-roupas é essencial para podermos lidar com demandas cotidianas inesperadas e, também, para poder...

Polícia Federal3 horas atrás

Polícia Federal participa de Operação que apreendeu quase 2 toneladas de cocaína que iria à Europa

Brasília/DF – A Polícia Federal, em cooperação policial internacional, participou das investigações que levaram à apreensão de 1.820 kg de...

Economia3 horas atrás

Dólar tem alta e chega a R$ 4,21; tensão sobre coronavírus influencia mercado

arrow-options shutterstock Dólar acelera nesta segunda-feira A rápida disseminação do coronavírus e a confirmação de novos casos da doença fora...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana