conecte-se conosco



Economia

Os inimigos do crescimento

Publicado

em

source
Michel Temer arrow-options
undefined

Na época da posse de Michel Temer, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25% ao ano.

Nunca antes na história — só para lembrar a frase que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sempre usava para elogiar seu próprio governo — foi adotada neste país uma  taxa básica de juros mais baixa do que a atual.

Na quarta-feira passada, o Comitê de Política Monetária do Banco Central, o Copom, anunciou mais uma redução da taxa Selic . Ela caiu de 5% para 4,5%.

Foi uma decisão correta: essa queda de meio ponto percentual tem sobre as contas públicas e sobre a economia real um impacto positivo  muito maior do que pode parecer à primeira vista.

Em 31 de agosto de 2016, quando o impeachment de Dilma Rousseff pôs Michel Temer na presidência da República, os títulos emitidos pelo governo pagavam juros de 14,25%  ao ano.

Começaram a cair desde então e estavam em 6,5% quando Temer passou a faixa presidencial para Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro deste ano. Desde então, emagreceram mais dois pontos percentuais.

Com juros menores, a rolagem da dívida pública fica mais em conta e aumenta a possibilidade de reduzir o déficit das contas federais — um argumento que já se usava desde os tempos em que a política econômica dos governos petistas, a pretexto de segurar a inflação, insistia em manter a Selic muito mais alta do que precisava ser.

Banco Central corta Selic pela 4ª vez e taxa cai a 4,5% ao ano

 Os bancos , é claro, adoravam essa farra, que lhes garantia rios de dinheiro. A rolagem mais amigável da dívida pública é o efeito mais visível da redução da Selic, mas existe um outro benefício relevante vinculado à queda da Selic.

Durante a administração de Fenando Henrique Cardoso e nos governos petistas de Lula e Dilma, era muito mais s era muito mais vantajoso deixar o dinheiro parado em títulos do governo do que investi-lo em projetos que geram empregos e melhoram a situação da economia, mas envolvem os riscos naturais do mundo dos negócios.

Com uma Selic de 14,25% e uma inflação anual de 6,29% em 2016, deixar o dinheiro parado nas aplicações mais conservadoras do mercado significava colocar no bolso, sem correr qualquer risco, um rendimento líquido de 8%.

Era, convenhamos, um rendimento líquido muito expressivo. Mesmo com a incidência dos 15% do Imposto Sobre Ganho de Capital sobre os rendimentos das aplicações, financiar o déficit do governo era extremamente atraente e cômodo para quem queria ganhar sem trabalhar.

Agora não é mais assim. Com a taxa Selic em 4,5% e a inflação projetando 3,6% para 2020, o rendimento das aplicações em título do governo cai para menos de 1% ao ano. Nesse caso, torna-se mais vantajoso aplicar os recursos num  investimento produtivo e gerador de empregos do que mantê-lo parado nos títulos do Tesouro.

O primeiro segmento beneficiado pela redução dos juros foi a Construção Civil — um dos setores responsáveis pela elevação da expectativa de crescimento da economia para o ano que vem, conforme apontado pelo comportamento positivo do PIB no terceiro trimestre.

construção arrow-options
REPRODUÇÃO/AGÊNCIA BRASIL

Setor da construção civil é um dos que se beneficia com as taxas de juros baixas

É de se esperar que mais dinheiro hoje aplicado em títulos do governo migre para o mundo real e ajude a aquecer a economia , o que é ótimo. Em tempo: a queda da taxa básica de juros, por si só, não é suficiente para fazer a economia crescer num ritmo mais acelerado. Mas é, sem dúvida, um primeiro passo.

Esse efeito positivo da queda dos juros seria bem maior, sem dúvida alguma, se o sistema bancário brasileiro não tivesse um comportamento tão nocivo ao mercado real, como tem demonstrado ter nesse período de dificuldade que o país tem atravessado nos últimos anos.

A desculpa de que os impostos por aqui são muito elevados e que o risco de não receber de volta o dinheiro que emprestam às pessoas e às empresas é alto já não cola mais. Ela é insuficiente para explicar as taxas de juros obscenas cobradas pelos bancos brasileiros. Querer alguém aceite essa lorota é o mesmo que chamar o interlocutor de ingênuo.

Os juros no Brasil são exorbitantes porque o mercado é concentrado e os bancos não  competem uns com os outros. Eles se movimentam sempre juntos, mais ou menos na mesma velocidade e direção.

E todos têm o hábito de cobrar mais do que seria razoável de quem precisa de dinheiro. A coisa chegou a um ponto tão escandaloso que, no final de novembro, o Conselho Monetário Nacional aprovou uma resolução que fixa em 8%  ao mês a taxa de juros do cheque especial.

Caixa reduz juros para financiamento da casa própria e cheque especial

“Foi uma decisão essencialmente técnica”, explicou Roberto Campos Neto , presidente do Banco Central. A explicação de Campos faz corar os economistas liberais de carteirinha — como era o caso do avô do presidente do BC, o ex-ministro do Planejamento Roberto de Oliveira Campos.

Roberto Campos Neto arrow-options
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, tomou uma medida intervencionista

Foi, sem dúvida, uma intervenção escancarada no mercado, num molde que fez lembrar a tentativa desastrada da ex-presidente Dilma Rousseff de tentar baixar a taxa de juros passando pito e ralhando com os bancos privados.

Ao agir do jeito que agiu, o governo pelo menos chamou atenção para o descalabro que tem sido a atuação do sistema financeiro no Brasil.

O limite de 8% ao mês, que passará a vigorar a partir do dia 6 de janeiro de 2020, representa mais ou menos 152% ao ano . É uma taxa ultrajante mas, de qualquer forma, menos salgada do que a atual.

De acordo com um levantamento feito pelo Banco Central em outubro passado, a taxa de juros média cobrada pelos bancos nessa modalidade de crédito era de 12% ao mês — o que dá, aproximadamente, 306% ao ano .

Tentativas de tabelar os juros não são recentes no Brasil. A Constituição de 1988, em seu artigo 192, chegou a estabelecer um teto de 12% ao ano para a taxa de juros.

O limite foi ignorado pelos bancos de uma forma tão solene que não restou ao Congresso,  diante das evidências de que a lei de nada valia, curvar-se à realidade e tirar da Carta Magna aquele dispositivo inútil.

O atual limite dos juros do cheque especial também não vai disciplinar o apetite desmedido dos bancos brasileiros pelo lucro fácil.

Governo limita juros do cheque especial, solução já usada no passado: funciona?

 O mesmo documento que fixa em 8% ao mês os juros de quem recorre ao cheque especial dá aos bancos o direito de cobrar uma tarifa do cliente que tem mas não utiliza o limite.

Sim. O cliente pagará para ter direito a um crédito que não utilizará. É muita mamata, não? Esse é apenas um dos lados do problema. Há outros.

Contar com o sistema bancário brasileiro para financiar projetos que estimulem o desenvolvimento é o mesmo que comprar uma casa contando com o Prêmio da Mega-Sena da Virada: a chance de dar certo é de uma em alguns milhões. Não é um problema de fácil solução.

Para acabar com esse quadro seria necessário uma maior abertura no mercado para o capital 
estrangeiro e a ampliação da concorrência no mercado bancário. As fintechs, empresas  financeiras baseadas em tecnologia que estão chegado ao mercado são o início de uma
solução. Mas ainda vai demorar até que elas se firmem.

Em todo país desenvolvido, o setor produtivo s empre teve no mercado financeiro um parceiro que apoiou o crescimento das empresas que geraram empregos e prosperidade. No Brasil, o paraíso do rentismo e da agiotagem legalizada, os bancos parecem fazer tudo o que está a seu alcance para que o país não vá adiante.

Comentários do Facebook

Economia

Volkswagen indeniza em R$ 16,8 milhões funcionários que perseguiu na ditadura

Publicado

em


source
Fusca
Divulgação Volkswagen

Houve cooperação entre agentes da Volkswagen do Brasil e o regime militar; valor total do projeto de reparação histórica é de R$ 36 milhões

Na última quarta-feira (23), a  Volkswagen firmou um compromisso reparação histórica da época da ditadura no Brasil, de 1964 a 1985. A empresa dará uma indenização R$ 16,8 milhões para a Associação dos Trabalhadores da Volkswagen (Associação Henrich Plagge), destinada a ex-trabalhadores da Volkswagen do Brasil, ou seus sucessores legais, que manifestaram terem sofrido violações de direitos humanos durante a ditadura.

A empresa alemã admite que “houve cooperação entre os agentes de segurança da Volkswagen do Brasil e o antigo regime militar” contra seus funcionários na ditadura.

O valor funcionará como uma indenização, já que a empresa alemã admite que “houve cooperação entre os agentes de segurança da Volkswagen do Brasil e o antigo regime militar” contra seus funcionários, configurando perseguições políticas. O acordo foi firmado entre o Ministério Público Federal, o Ministério Público do Estado de São Paulo e a Procuradoria do Trabalho de São Bernardo do Campo.

As informações foram enviadas pela Volkswagen em nota ao iG nesta quinta-feira (24). Há quatro anos, a empresa encomendou um estudo científico ao historiador Christopher Kopper, da Universidade de Bielefeld.

A pesquisa mostrou que houve a atuação da Volkswagen contra seus funcionários durante o período do regime ditatorial no Brasil.

“À luz da avaliação científica das fontes disponíveis, o professor Kopper conclui em seu estudo científico independente que houve cooperação entre os agentes de segurança da Volkswagen do Brasil e o antigo regime militar, mas não foram encontradas evidências claras de que essa cooperação foi institucionalizada na empresa. Naquela época, os funcionários poderiam ter sido expostos a violações dos direitos humanos”, disse a empresa em nota ao iG.

Volkswagen não respondeu, no entanto, a algumas questões – sobre o número de vítimas que serão indenizadas, sobre quais eram as funções de trabalho dos ex-funcionários perseguidos na ditadura e nem sobre se as vítimas já haviam pedido à Volkswagen algum tipo de indenização.

Uma reportagem da Reuters, no entanto, afirma que mais de 60 funcionários serão atendidos pela medida indenizatória. A reportagem apurou também que muitos dos funcionários foram demitidos, detidos ou assediados pela polícia e não conseguiram encontrar novos trabalhos durante anos.

O historiador Christopher Kopper disse nesta semana à imprensa alemã que “Seria a primeira vez que uma empresa alemã aceitaria a responsabilidade por violações de direitos humanos contra seus próprios trabalhadores por eventos que aconteceram após o fim do nazismo “.

Entenda a reparação coletiva da Volkswagen

A indenização soma  R$ 46,8 bilhões, divididos em diferentes iniciativas:

A maior parte,  R$ 16,8 milhões, vai à Associação dos Trabalhadores da Volkswagen – Associação Henrich Plagge. Essa verba será destinada a ex-trabalhadores da Volkswagen do Brasil, ou seus sucessores legais, que manifestaram terem sofrido violações de direitos humanos durante a ditadura;

R$ 9 milhões vão aos Fundos Federal e Estadual de Defesa e Reparação de Direitos Difusos (FDD);

R$ 10,5 milhões irão para projetos de promoção da memória e da verdade em relação às violações de direitos humanos ocorridas no Brasil durante a ditadura militar; 

A Universidade Federal de São Paulo receberá R$ 4,5 milhões – R$ 2,5 milhões para o Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (CAAF), para apoiar a identificação das vítimas que estão enterradas em valas comuns e mais R$ 2 milhões serão direcionados ao desenvolvimento de novas pesquisas para apurar a cumplicidade de empresas em violações de direitos humanos durante o governo militar;

R$ 6 milhões vão para o Memorial da Luta pela Justiça, iniciativa promovida pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP) e pelo Centro de Preservação da Memória Política.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Estadual9 minutos atrás

GEAF abre consulta pública para revisões de critérios de uso de fórmulas nutricionais

. A Gerência Estadual de Assistência Farmacêutica colocou em consulta pública, no portal da Secretaria da Saúde (Sesa), nesta semana,...

Estadual9 minutos atrás

Feira Touros Pró-genética do Espírito Santo tem primeira edição virtual

. Pecuaristas capixabas poderão adquirir touros zebuínos Puros de Origem (PO) durante a 1ª Feira Virtual de Touros Pró-genética do...

Estadual9 minutos atrás

Sedu entrega materiais e equipamentos para a Escola Família Agrícola de Alfredo Chaves

. A Secretaria da Educação (Sedu), por meio da Gerência de Educação no Campo, Indígena e Quilombola (GECIQ), segue com as visitas...

Estadual9 minutos atrás

Superintendência de Guaçuí promove formação para os profissionais escolares

. A Superintendência Regional de Educação (SRE) de Guaçuí realizou uma ação formativa sobre o Google Forms para cerca de...

Estadual9 minutos atrás

IJSN seleciona bolsistas para projetos de pesquisa

. O Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) está com processos seletivos abertos para a seleção de bolsistas, visando a atuação no...

Política9 minutos atrás

PT e PSL terão os maiores tempos de propaganda eleitoral gratuita; veja lista

Reprodução Critério para definição do tempo de propaganda tem como base os tamanhos das bancadas na Câmara O PT e...

Esportes9 minutos atrás

Corinthians encara Intelli, vice-líder do Grupo A da LNF 2020

. Sem vencer há três partidas, o Corinthians busca a reabilitação na Liga Nacional de Futsal (LNF) contra o mais...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!