conecte-se conosco



Estadual

Oficina de Turbante vira aula de história e cultura durante Novembro Negro da SEDH

Publicado

em


Como parte da programação do Novembro Negro da Secretaria de Direitos Humanos (SEDH), na tarde dessa quarta-feira (25), foi realizada uma Oficina de Turbante, no auditório do Palácio da Fonte Grande, em Vitória. Várias servidoras participaram, adquirindo um conhecimento muito além do estilo: tiveram uma verdadeira aula de história da influência da cultura negra no Brasil.

A ideia da Oficina de Turbante foi da gerente de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da SEDH, Edineia Conceição de Oliveira. Ela contou que sempre que se arrumava com o acessório para o trabalho, várias colegas mostravam interesse em aprender.

“Quando estávamos montando a programação do Novembro Negro, me lembrei desse interesse das colegas e resolvi convidar uma profissional para dar a oficina. Assim, além de aprender, todas poderiam entender toda a questão cultural por trás dos turbantes”, explicou Edineia de Oliveira.

A convidada para ministrar a oficina foi a trançadeira Elissangela Gonçalves Ferreira, que também é presidenta da Associação de Trançadeiras/Trancistas do Espírito Santo e do Projeto Multiplicação, além de empreendedora e educadora social.

“Tudo que colocamos no nosso corpo significa alguma coisa. O turbante representa quem o utiliza, representa a sua identidade. Cada civilização vai utilizando no sentido da sua cultura ou religião. Eu, por exemplo, uso com o significado afro-brasileiro, mas existem também os turbantes de quem frequenta os terreiros de candomblé, que são os ojás. Existem ainda os turbantes da cultura islâmica. Cada amarração tem um significado”, disse Elissangela Ferreira.

A servidora pública Grace Kelly Araujo dos Reis, da Subsecretaria de Gestão Administrativa e Financeira da SEDH, também participou da oficina e compartilhou com os demais seus aprendizados. Ela contou que passou a tomar atitudes para se empoderar enquanto mulher negra, depois que se tornou mãe, e virou uma referência principalmente para a filha. A autoconfiança também melhorou.

“Participar da Oficina de Turbante foi ratificar que conhecimento é a ferramenta mais importante que temos e que nós negros estamos muito além da história assassina da escravização. Aprender que um turbante não se restringe a um acessório que nos deixa mais belas. Foi ressignificar um ‘adereço’, entendendo o quanto de força e reafirmação nele habita. Foi vivenciar a sabedoria transmitida pelas ancestrais”, comentou a servidora.

A programação do Novembro Negro da SEDH continua até o dia 30 de novembro. Confira: https://bit.ly/2JccBR7

 

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação da SEDH
Juliana Borges
(27) 3636-1334 / (27) 99926-4669
[email protected]

Fonte: Governo ES

Comente Abaixo
Tecnologia6 minutos atrás

Galerias virtuais democratizam o acesso à arte durante a pandemia

Reprodução/Up Time Art Gallery Galerias virtuais democratizam acesso à arte As paredes brancas, o carpete de madeira e os quadros...

Esportes6 minutos atrás

Coritiba e São Paulo empatam de 1 a 1 pela 32ª rodada do Campeonato

O São Paulo empatou com o Coritiba por 1 a 1 na noite deste sábado (23), no Morumbi, em duelo...

Mulher6 minutos atrás

1,2,3, Testamos: Confira a nova linha de maquiagem da Avon

Divulgação Linha de maquiagens da Avon Toda semana publicamos aqui no iG Delas resenhas de produtos de beleza enviados pelas...

Mulher6 minutos atrás

“Ele disse que queria experimentar carne de baleia e me mordeu”

Divulgação Mulheres contam situações de gordofobia que passaram nas praias Para muitos, o  verão é a época favorita do ano....

Política37 minutos atrás

Bolsonaro na mira: “Placar do Impeachment” contabiliza posição de parlamentares

O Antagonista Fachada da Anvisa Às vesperas da eleição da nova Presidência da Câmara dos Deputados, que ocorre no próximo...

Política37 minutos atrás

Às vésperas das eleições, entenda o que fazem os presidentes da Câmara e Senado

Agência Brasil Congresso Nacional é o responsável por definir os projetos que serão votados para se tornarem Lei Está marcada...

Carros e Motos1 hora atrás

Veja 5 versões da Toyota Hilux que não temos no Brasil

A picape Toyota Hilux foi lançada no Japão em março de 1968, com a proposta de ser um veículo de...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!