conecte-se conosco



Economia

Novo normal: vizinhos transformam grupo de WhatsApp do condomínio em marketplace

Publicado

em


source
zap
Reprodução WhatsApp

Grupo do Condomínio se tornou vitrine virtual para troca e venda de produtos entre moradores; relação fortalece renda e senso comunitário, diz economista

comércio de porta em porta desapareceu no Brasil na década de 1990, quando os  shopping centers ganharam a atenção dos consumidores. Mas a pandemia pode ter retomado algumas relações de compra e venda do passado. Isso tem acontecido num condomínio residencial, na Zona Oeste de São Paulo. 

Vizinhos têm fortalecido suas relações com a pandemia, comprando e trocando produtos entre si. Desde o início do isolamento social, em março, o grupo de WhatsApp do condomínio – que antes servia para trocar dicas sobre serviços do bairro e conversar sobre questões do prédio – se tornou uma vitrine virtual, pela qual os moradores interagem para, depois, comprar uns dos outros de porta em porta.

“E fazer ‘escambo’ também: já troquei máscaras por cachaça, bolos, tortas e outras coisas”, diz a moradora Sueli Tubosaka. Sueli é representante comercial do ramo de tecelagem e, com a pandemia, seu trabalho parou. “Meus clientes são confecções, atacadistas, varejistas e lojistas de roupas prontas”, explica ela. Assim, surgiu a ideia de costurar máscaras e cachecóis.

“Uma amiga me emprestou uma máquina de costura, comecei a fazer máscaras em tecido com as amostras que tinha, para mim e para minha família. Foi aí que veio a ideia de vender”, diz Sueli. A moradora pretende retomar a carreira no ramo de comércio de tecidos após o fim da pandemia, mas acredita que o fenômeno das vendas no grupo do condomínio deve perdurar.

sueli
Arquivo pessoal

Representante comercial de tecelagem, Sueli começou a fazer máscaras e vender no grupo depois do começo do isolamento social

Essa é a mesma impressão de Pedro Moraes, outro morador do condomínio. “Além de promover uma maior interação entre a comunidade, é uma ótima forma de colaborar com pessoas que vendem seus produtos”. Pedro e sua família tocavam o restaurante Casa do Barão. Quando a pandemia começou, tiveram de fechar as portas e começaram a apostar na venda dos pratos sob encomenda no grupo do condomínio.

“Esse comércio comunitário foi uma solução encontrada pelas pessoas para poder se ajudar economicamente e se manter em casa pela saúde”, afirma Pedro. Além das vendas no condomínio, o restaurante também migrou para o delivery.

restaurante
Arquivo pessoal

Pedro tocava um restaurante com sua família; depois da pandemia, passou a vender os pratos no grupo de WhatsApp do condomínio em que mora

Não só quem teve o trabalho paralisado teve de se reinventar na pandemia. A vizinha Isabel Cacais, que é aposentada, usou o tempo de isolamento para desenvolver habilidades e acabou gerando renda com isso.

“Sempre tive vontade de fazer sabonetes, sais de banho e produtos de beleza. Comecei a pedir os materiais pela internet, produzir e a vender no grupo”. Depois da pandemia, ela espera vender os produtos em salões de beleza.

sabonetes
Arquivo pessoal

Isabel Cacais, que é aposentada, usou o tempo em isolamento para produzir sabonetes e acabou gerando renda com isso

A professora de economia da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado, Nadja Heiderich, comenta sobre o caso do comércio comunitário no grupo de vizinhos.

“Existe uma relação de confiança, de fidelidade entre as pessoas, você conhece quem e como está fazendo determinado produto. É também uma maneira de fidelizar clientes, e a exclusividade é algo que as pessoas gostam. Além disso, o preço não é tão diferente dos comércios e negócios ditos tradicionais”, aponta a economista.

Ela explica que esse tipo de relação de comércio desapareceu no Brasil há 30 anos, com o surgimento de shopping centers e que pandemia trouxe uma mudança de hábitos ao consumidor. “Há uma mudança do modelo de consumo das pessoas, voltada mais para o e-commerce, não mais na loja física. A grande maioria das pessoas, principalmente os mais jovens, vai adotar sistemas digitais para compras”, diz ela.

Comente Abaixo
Entretenimento16 minutos atrás

Mayana Neiva conta que sofre preconceito por ser nordestina

Reprodução/Instagram Aposentado que ameaçou matar Mayana Neiva é condenado Mayana Neiva revelou já ter sofrido preconceito  por ser nordestina e...

Entretenimento16 minutos atrás

‘BBB 21’: Relembre os barracos que marcaram a história reality

Reprodução/Montagem iG Barracos do ‘BBB’ O ‘BBB 21’ começa na próxima segunda-feira (25), mas o iG Gente já está aquecendo os...

Economia40 minutos atrás

Auxílio: 3,5 milhões podem sacar última parcela nesta quarta-feira; confira

Fenae Último pagamento para este grupo foi feito no final de dezembro, mas dinheiro não podia ser sacado Os 3,5 milhões...

Mulher40 minutos atrás

Horóscopo do dia: previsões para 20 de janeiro de 2021

Marcelo Dalla O horóscopo do dia te auxilia a levar a vida de forma mais leve ÁRIES Fase ideal para...

Internacional40 minutos atrás

Posse de Biden terá segurança reforçada e cuidados com pandemia; saiba como será

Gage Skidmore/Creative Commons Joe Biden, o novo presidente dos Estados Unidos O presidente eleito dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden...

Nacional2 horas atrás

Sol entre nuvens e chuva nesta quarta em São Paulo

Reprodução/CreativeCommons/Spraf Previsão do tempo desta quarta (20) é de sol entre nuvens e pancadas de chuva ao entardecer Sol entre...

Economia6 horas atrás

Por 500 milhões de euros, Ibéria compra Air Europa

Guilherme Dotto Por 500 milhões de euros, Ibéria compra Air Europa Na noite desta terça-feira (19), a Iberia e o...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!