Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!
conecte-se conosco


Política

“Não somos os Estados Unidos”, diz Temer sobre política externa de Bolsonaro

Publicado

em


Temer aconselha Bolsonaro sobre política externa e condução do País em entrevista com tom de despedida
Wilson Dias/Agência Brasil

Temer aconselha Bolsonaro sobre política externa e condução do País em entrevista com tom de despedida

O atual presidente da República, Michel Temer (MDB), avaliou seu próprio governo e aconselhou o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), a adotar o multilateralismo em relação a sua política externa no novo governo. Em entrevista exclusiva à TV Brasil, Temer afirmou que “nunca nos pautamos por ideologia. Nossas relações são de país para país. Acho que o presidente Jair Bolsonaro vai acabar adotando essa política universalista”.

Leia também: Temer projeta sucesso de Bolsonaro com reformas: “Congresso não vai atrapalhar”

Michel Temer também afirmou que o multilateralismo é uma das exigências da globalização já que, para ele, o isolacionismo pode até funcionar para países como os Estados Unidos, que detêm força política e econômica, mas “não somos os Estados Unidos, e não temos o mesmo poder”, avaliou o presidente em relação a política externa que Bolsonaro pretende adotar “sem ideologia” e que segue os mesmos preceitos que o presidente norte-americano Donald Trump tem adotado.

Na mesma entrevista, o presidente Temer também deu conselhos ao sucessor no Palácio do Planalto e ressaltou três palavras: humildade, temperança e equilíbrio. Na sequência, o presidente acrescentou: “Não que eles não os tenha, acredito que tenha esses atributos, e irá exercê-los. É preciso serenidade para conduzir o País”, afirmou após avaliar a política externa de Bolsonaro.

Ainda fazendo um exercício de avaliação do que Bolsonaro terá de desafio pela frente, Temer disse acreditar que o Congresso não criará obstáculos para a aprovação de projetos no novo governo. “O Congresso tem consciência da necessidade do País. Não vai atrapalhar; vai aprovar o que for importante”, disse o ex-presidente da Câmara dos Deputados antes de destacar que Bolsonaro já está conversando com as bancadas partidárias e afirmar que mesmo os novos eleitos, que nunca foram políticos, “logo se aclimatarão e votarão positivamente ao que interessar ao povo brasileiro”.

Leia mais:  Lula organiza atos públicos para contestar sentença de Sérgio Moro

Temer avalia o legado deixado por seu governo


Michel Temer fez avaliação do seu governo, falou sobre legado, planos para o futuro e afirmou que não sentirá saudades da Presidência da República
TV Brasil/Reprodução

Michel Temer fez avaliação do seu governo, falou sobre legado, planos para o futuro e afirmou que não sentirá saudades da Presidência da República

Presidente da República desde o afastamento provisório e consequente impeachment de sua antecessora e cabeça de chapa nas eleições 2014, Dilma Rousseff, em 12 de maio de 2016, Temer avaliou o período no cargo mais alto da República e apontou como legado de seu governo para o Brasil, a queda da inflação e dos juros, a valorização das estatais e a reforma trabalhista.

O presidente disse que “erraram profundamente” os que apostaram numa crise cambial no Brasil. “Não pode ter dados falsos, [não pode ter] alarmismo só em função das eleições”, reclamou. Segundo ele, as reformas feitas em seu governo trouxeram credibilidade para a economia e para o país. Ele citou o fato de a Bolsa de Valores ter chegado a quase 88 mil pontos, máxima histórica.

Na área do meio ambiente, o presidente da República destacou a criação de reserva marinha e a ampliação dos parques nacionais. Já na área social, Temer ressaltou os dois reajustes concedidos, acima da inflação, para o Bolsa Família e o lançamento do programa Progredir, que ofereceu contratos de trabalho para mais de 200 mil jovens. Alémd isso, ele também lembru da liberação para os trabalhadores das contas inativas do Fundo de Garatia por Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS/Pasep, que somaram R$ 64 bilhões.

Leia também: Bolsonaro diz que reforma da Previdência será votada no primeiro semestre

Para o presidente, as medidas econômicas adotadas, como o Teto de Gastos para o governo, ajudaram no cumprimento das metas sociais e não as prejudicaram “como os críticos dizem”. Ele citou que o déficit das contas públicas caiu este ano mais de R$ 25 bilhões. “Isso, na verdade, ajudou no cumprimento das metas sociais. Quando gastamos menos, a dívida pública cai e a inflação também. E a queda da inflação valoriza o poder de compra dos salários”, disse.

Leia mais:  Joice Hasselmann recebe uma cabeça de porco com bilhete de ameaçade morte

Durante a entrevista, Michel Temer também disse que a impopularidade não o incomoda e chegou a brincar com o fato. “Aumentou 100% a popularidade, de 4% para 8%”, disse, bem humorado. O presidente voltou a repetir que não tomou medidas populistas para buscar melhor avaliação dos brasileiros. “Fiz política de Estado”, disse. Na avaliação de Temer, um bom sinal de sua gestão é o fato de que 13 ministros do seu governo foram chamados para integrar a nova gestão federal e governos estaduais. “Tenho expectativa de que [ainda] serei bem avaliado”, acrescentou.

Sobre o movimento nas redes sociais, #FicaTemer, para sua permanência na Presidência, o presidente considerou “muito simpático”. “Curioso: o reconhecimento vem vindo. É uma brincadeira, mas me impressionou o número de visualizações”.

Voltando a adotar um tom mais sério, o presidente falou sobre frustrações quando afirmou que “não [as] tenho, porque tive pouco tempo, pouco mais de odis anos, uma oposição feroz e sofri tentativas de desmoralização; quiseram derrubar o governo”, afirmou antes de lamentar não ter feito a reforma da Previdência e a simplificação tributária porque não houve tempo e condições, mas lembrou que os temas fazem parte da pauta política do País.

Temer também foi questionado sobre o grampo do empresário Joesley Batista que revelou uma reunião secreta, tarde da noite, no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, onde Temer preferiu ficar até o fim do governo. Para ele, houve uma trama exatamente para inviabilizar a votação da reforma da Previdência. “Foi tudo preparado. Inventaram uma frase que nunca existiu. Ela pegou e ela é falsa. O tempo é o senhor da razão. Meu detrator foi preso. Fruto de gravação feita por ele mesmo. O procurador que trabalhou para ele foi denunciado pelo próprio Ministério Público”.

Leia mais:  Advogado de agressor de Bolsonaro defendeuBola no caso Bruno

“Tive uma vida de muita tranquilidade, como professor, como promotor, como político. Mas na Presidência, não. Em face daqueles fatos [o grampo de Joesley Batista], tentaram desastrar a minha vida. Isso me decepcionou muito”, afirmou em tom de despedida antes de completar dizendo, “tenho muito orgulho de ter saído de uma pequena cidade do interior de São Paulo e ter chegado à Presidência da República”, lugar de onde Temer afirmou que não sentirá saudades.

Leia também: Temer se vangloria por governo e pede torcida por “sucesso do governo Bolsonaro”

“[A partir de 1º de janeiro], vou ficar comigo mesmo. Escrever. [Na Presidência] não sobra espaço mental para elaborar textos técnicos ou de ficção. Intimamente, sinto que desempenhei um bom papel. Não vou sentir saudade. Cada momento é um momento. Não se pode ficar preso ao passado”, finalizou Temer .

*Com informações da Agência Brasil

publicidade
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Polícia italiana já está em São Paulo aguardando a prisão de Cesare Battisti

Publicado

em


O italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por ter cometido quatro assassinatos na década de 1970, está foragido no Brasil após o ministro do STF Luiz Fux decretar sua prisão preventiva na última quinta-feira (13)
José Cruz/Agência Brasil

O italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por ter cometido quatro assassinatos na década de 1970, está foragido no Brasil após o ministro do STF Luiz Fux decretar sua prisão preventiva na última quinta-feira (13)

A polícia italiana está em São Paulo desde a última sexta-feira (14) à espera do cumprimento da prisão do italiano Cesare Battisti, de 63 anos, determinada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, na última quinta-feira (13). O terrorista italiano vive no Brasil desde 2004, mas foi condenado à prisão perpétua em seu país de origem após ser acusado de quatro assassinatos cometidos na década de 1970.

Leia também: “Ele sabe as consequências de se entregar ou não”, diz advogado de Battisti

Eles devem ser os oficiais responsáveis por conduzir Cesare Battisti de volta a Itália já que o  presidente Michel Temer (MDB) assinou decreto presidencial determinando a extradição do italiano. Além dos policiais da Itália, agentes da Polícia Federal e da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), estão de sobreaviso para auxiliarem no processo, assim que Battisti for localizado e preso ou se entregar, já que seu paradeiro é desconhecido e ele já é considerado um foragido da Justiça.

Se Batttisti for detido novamente, ele deverá ser levado para uma sede da PF, passar por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) para depois ser entregue imediatamente às autoridades italianas.

Os policiais itlianos, por sua vez, poderiam receber o condenado na própria PF ou no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na Grande São Paulo, de onde partiria um voo para a Itália. Autoridades aeroportuárias confirmaram que um avião italiano está estacionado na base aérea de Cumbina, ao lado do aeroporto, mas não disseram se ele está lá por conta de Battisti.

Leia mais:  Lula organiza atos públicos para contestar sentença de Sérgio Moro

Enquanto isso o fugitivo se diz inocente e vítima de perseguiça política em seu país natal e segue desaparecido. Ele foi procurado pela Justiça brasileira em sua casa em Cananéia, no litoral de São Paulo, e nos demais endereços oficiais ligados a ele, mas não foi encontrado e, segundo vizinhos, ele não é visto na residência desde o dia 28 de outubro, data do segundo turno das eleições presidenciais.

Leia também: Após eleição de Bolsonaro, Battisti diz acreditar nas instituições brasileiras

O próprio advogado de Cesare Battisti, Igor Tamasauskas, informou que não sabe o paradeiro de seu cliente e nem se ele vai querer se entregar, por isso, o italiano passou a ser considerado um foragido da Justiça brasileira e continua sendo procurado pelas autoridades. De qualquer forma, Tamasauskas afirmou que, mesmo sem falar com seu cliente, pediu ao STF para revogar a ordem de prisão de Battisti e impedir a sua extradição.

Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo  na sexta-feira (14) ele disse que  Battisti está ciente das consequências de se entregar ou não à Justiça e que “ele deve ter tomado alguma decisão. É uma decisão personalíssima que só cabe a ele mesmo tomar. Cesare sabe quais são as consequências de se entregar ou não. Aí é ele com a consciência dele”, afirmou o advogado.

Tomasaukas tamvém disse que a permanência do italiano no Brasil “se consolidou com o tempo” e que “recebemos com surpresa a decisão diretamente pela mídia”. Já por meio de nota, o advogado afirmou que “recorremos [da decisão do STF] para resguardar a segurança jurídica. Certa ou errada, a decisão de 2010 que autorizou a permanência de Battisti se consolidou pelo tempo”.

Leia também: Luiz Fux manda prender Cesare Battisti para que terrorista seja extraditado

Leia mais:  Polícia Federal descarta participação de mulher em ataque contra Bolsonaro

Entenda o caso de Cesare Battisti


Cesare Battisti fugiu da Itália na década de 1970 e vagou 30 anos entre o México e a França antes de conseguir entrar no Brasil em 2004 e permanecer desde então
José Cruz/ Agência Brasil

Cesare Battisti fugiu da Itália na década de 1970 e vagou 30 anos entre o México e a França antes de conseguir entrar no Brasil em 2004 e permanecer desde então

“A decisão de 2010” citada por Tomasaukas é o decreto presidencial assinado pelo então presidente Luís Inácio Lula da Silva em 31 de dezembro de 2010, último dia de seu mandato, que permitiu que Cesare Battisti vivesse em liberdade no Brasil, mesmo a contragosto da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que tinha acatado o pedido de extradição da Itália.

Vale citar também que, em outubro do ano passado, Cesare Battisti foi preso na cidade de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, perto da fronteira do Brasil com a Bolívia. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ele tentou sair do País com cerca de R$ 25 mil em moeda estrangeira. Valores superiores a R$ 10 mil têm que ser declarados às autoridades competentes, sob pena de enquadramento em crime de evasão de divisas.

Por isso, na ocasião, a possibilidade de extradição de Battisti voltou a ser cogitada, mas só foi confirmada nesta sexta-feira (14), depois que o ministro do STF, Luiz Fux, derrubou a liminar que ele mesmo, enquanto relator do caso, tinha dado para que a decisão de Lula se mantivesse de pé depois que a Interpol entrou com um recurso no Supremo. Na última quinta-feira (13), Fux afirmou em sua decisão que Temer poderia fazer um novo decreto e determinou que Cesare Battisti fosse preso preventivamente até que o presidente tomasse uma nova decisão a respeito.

Pouco antes disso, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), já tinha declarado que extraditaria o terrorista italiano e que mandaria “esse presente” do Brasil para a Itália. O presidente Michel Temer, no entanto, se antecipou e apenas um dia depois da decisão do STF,  decretou a extradição de Cesare Battisti e foi agradecido formalmente pelo governo italiano  com direito a uma carta aberta oficial endereçada ao governo brasileiro.

Leia mais:  ‘Nunca me senti tão bem’, dispara Bolsonaro, que espera alta até o fim do mês

Leia também: Governo italiano agradece Temer por assinar extradição de Cesare Battisti

A decisão de Temer foi noticiada em veículos internacionais de vários países. Entre eles, o jornal americano The New York Times lembrou que Luis Inácio Lula da Silva (PT) tinha garantido asilo político a Cesare Battisti ainda em 2010 como um de seus últimos atos como presidente da República. Já o jornal francês Le Monde afirmou que Michel Temer (MDB) “assumiu a liderança” de uma providência que se não fosse tomada por ele, seria pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Continue lendo
Direto de Brasília1 minuto atrás

João de Deus passa a ser considerado foragido pelo Ministério Público de Goiás

Divulgação/Casa Dom Inácio de Loyola MP de Goiás considera João de Deus como foragido João de Deus passou a ser...

Nacional60 minutos atrás

Vereador investigado pede federalização do caso Marielle Franco

Reprodução/TV Globo Vereador Marcello Siciliano convocou entrevista coletiva na manhã deste sábado (15) para pedir a federalização das investigações da...

São Mateus1 hora atrás

Carro pega fogo no centro de São Mateus

SÃO MATEUS (ES) – Não é exagero nenhum afirmar que o centro da Cidade estava pegando fogo na manhã deste sábado...

Esportes1 hora atrás

Histórico! Aos 38 anos, Nicholas Santos conquista ouro no Mundial de Hangzhou

Após o ouro no revezamento 4x200m livre , o Brasil foi novamente representado no lugar mais alto do pódio no...

Esportes2 horas atrás

Histórico! Aos 38 anos, Nicholas Santos conquista ouro no Mundial de Hangzhou

Após o ouro no revezamento 4x200m livre , o Brasil foi novamente representado no lugar mais alto do pódio no...

Entretenimento2 horas atrás

Kelly Key dá close no bumbum durante tarde na praia

Kelly Key começou o sábado (15) com uma visita a praia e aproveitou para fazer um registro sensual. Na imagem,...

Política2 horas atrás

Polícia italiana já está em São Paulo aguardando a prisão de Cesare Battisti

José Cruz/Agência Brasil O italiano Cesare Battisti, condenado à prisão perpétua na Itália por ter cometido quatro assassinatos na década...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana