conecte-se conosco


Nacional

Mãe afoga bebê recém-nascido porque estaria com HIV

Publicado

em

De acordo com a polícia, represa fica em uma propriedade dos pais da jovem que confessou ter escondido a gravidez. Parto foi feito dentro banheiro da casa dela.

CAMPO GRANDE (MT) – Uma vendedora de 25 anos foi presa em Itaquiraí, a 395 km de Campo Grande, após confessar ter afogado o próprio filho em uma represa do município. A mulher foi localizada após três semanas de investigações e disse que cometeu o crime em um “momento de bobeira”. Mãe afoga bebê recém-nascido porque estaria com HIV.

“Ela foi intimada e, na delegacia, confessou o ocorrido, ressaltando que não fez pré-natal, é portadora de HIV e então provavelmente a criança nasceria com a doença. Sobre o pai, não foi revelado por ela quem seria esta pessoa”, afirmou ao G1 o delegado Edson Ruiz Ubeda, responsável pelo inquérito policial.

De acordo com a polícia, a jovem escondeu a gravidez da família e fez o parto sozinha, dentro do banheiro de casa, no dia 15 de dezembro. Dois dias depois, o pai dela encontrou o recém-nascido na represa, que fica na propriedade dele. O homem não sabia do que se tratava, e chamou um vizinho. Em seguida, a Polícia Militar (PM) foi até o local.

As investigações apontaram que, na última gestação, a mulher também escondeu a gravidez até o nascimento da criança. Ela foi intimada há 2 dias e compareceu, nessa quarta-feira (9), para o depoimento. A mulher então contou que a criança nasceu por volta de 8h (de MS) e ela não chegou a procurar nenhuma ajuda médica pós-parto, cortando sozinha o cordão umbilical e enrolando a criança em um cobertor.

Segundo a polícia, a mulher tem outros 2 filhos, um deles é portador de HIV. Na ocasião do crime, o filho mais velho foi levado até a casa dos pais dela, e o filho mais novo acompanhou-a até a propriedade rural, onde ela retirou o cobertor do bebê e jogou-o no açude.

Consultada pela polícia se a criança estava viva, a mãe disse que a criança nasceu chorando, mas no momento em que ela jogou o bebê na água, não estava. Por esse motivo, a mulher imaginou que a criança estava morta.

De acordo com o delegado, a jovem confessou também que escondeu a gravidez dos filhos e afirmou que ninguém sabia que ela era portadora de HIV. Em depoimento, afirmou que arrependeu-se do que fez.

Sem antecedentes criminais, a mulher não permaneceu presa e deve ser indiciada pelos crimes de homicídio qualificado por motivo torpe, ocultação de cadáver e a pena pode aumentar por a vítima ser uma criança menor de 14 anos.


(*Com informações do G1)

Comentários do Facebook
Leia mais:  Justiça manda tirar tornozeleira eletrônica de Rocha Loures após 1 ano e 4 meses
publicidade

Nacional

Briga em velório acaba com dois mortos

Publicado

em

Uma confusão durante um velório terminou na morte de um jovem e um adolescente, de 18 e 17 anos, respectivamente. Uma das vítimas, Wemerson de Araújo, estava na rede com o filho quando foi atingida por um golpe de faca e, em seguida, de enxada. O crime foi cometido na Vila do Incra, em Porto Acre. O segundo rapaz também foi esfaqueado.

“Eles estavam em um velório e começou uma briga por causa de uma mulher lá. E nessa briga meu filho não estava, ele estava deitado nesse velório dentro de uma rede com o bebê dele dormindo. Ele acordou com a primeira facada, saiu da rede e correu, no que correu, deram uma enxadada na cabeça dele e ele já caiu na rua”, conta a mãe de Araújo, Maria Helena.

Ainda de acordo com ela, o filho teve a cabeça arrancada por um dos golpes de facão. Um outro adolescente, de 17 anos, também foi esfaqueado e levado ao pronto-socorro. Até o momento, três pessoas foram presas suspeitas de cometer o duplo homicídio. Um boletim de ocorrência foi registrado. O autor das facadas teria sido liberado, segundo a família das vítimas.

“O assassino saiu pela porta da frente. Fui falar com o delegado e ele mandou todo mundo calar a boca, se não ia matar a todos. Fomos na delegacia para pegar o documento e levar no IML. O cara mata e sai pela porta da frente. Como colocam um delegado desse? Que judia do pai da vítima. Secretário de Segurança, nós precisamos de respeito. Não somos vagabundos e o delegado precisa respeitar a nossa dor”, desabafou a mãe.

Delegado é denunciado

Quando a família questionou o delegado sobre a soltura do suspeito do crime, o agente começou a agredir e ameaçar os parentes. “Empurraram e bateram no meu outro filho. Dois policiais também colocaram a arma em cima da gente, sendo que só queremos os nossos direitos. Não fizemos nada de errado”, completa Soares.

Leia mais:  Trump anuncia que Yamal al Badawi, líder da Al Qaeda, foi morto pelo exército

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) disse que está apurando o caso e deve se posicionar posteriormente.

Fonte: G1

Comentários do Facebook
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana