conecte-se conosco


Nacional

Madrasta mata criança envenenada por seguro de R$ 800 mil

Publicado

em

Jaira Gonçalves de Arruda, de 42 anos, foi indiciada pela Polícia Civil de Mato Grosso. Ela ainda é suspeita de matar o avô da menina

Uma mulher de 42 anos foi indiciada por matar envenenada a enteada de 11 anos em Cuiabá (MT). A motivação de Jaira Gonçalves de Arruda seria uma indenização de R$ 800 mil que a garota receberia, segundo informações da Polícia Civil do estado.

A morte de Mirella Poliane Chue de Oliveira foi constatada em junho deste ano, após dar entrada em um hospital na capital do estado, já sem vida. A causa da morte foi identificada, a princípio, como indeterminada.

Mas investigações da polícia desvendaram o plano de envenenamento em virtude de a criança ter recebido uma indenização pela morte da mãe. A mulher morreu por erro médico, durante o parto, em um hospital de Cuiabá.

A ação indenizatória foi movida pelos avós maternos da criança. Após 10 anos de tramitação do processo, a família ganhou a causa em última instância, cujo valor foi de R$ 800 mil, incluindo os descontos de honorários advocatícios.

A Justiça autorizou que fosse usada uma pequena parte do dinheiro para despesas da criança. A maior quantia, porém, ficaria em depósito para a menina movimentar quando adulta.

Comentários do Facebook
Leia mais:  Duas irmãs de Tutancâmon teriam reinado o Egito antes dele, revela especialista
publicidade

Nacional

São Paulo tem 33 ruas que homenageiam personagens e datas da ditadura

Publicado

em

source
Mudança de nome de rua arrow-options
Divulgação/PT

Com a ação do programa Ruas de Memória, cinco logradouros da cidade tiveram seus nomes alterados.

Castelo Branco, Sérgio Fleury, Otávio Gonçalves Moreira Júnior e Alberi Viêira dos Santos. Esses são alguns personagens que marcaram a ditadura militar no Brasil (1964-1985) e que dão nome à ruas da capital paulista.

Leia também: 

São Paulo tem 33* logradouros (ruas, avenidas, viadutos e praças) que homenageiam datas, fatos ou pessoas envolvidas com a ditadura militar . Até 2015 eram 38, mas cinco delas foram renomeadas por meio do Programa Ruas de Memória , da Secretária de Direitos Humanos de São Paulo. 

Costa e Silva, Milton Tavares, Alcides Cintra, Couto e Silva e a data 31 de março (quando o golpe de 1964 foi instaurado) perderam seu logradouros e foram substituídos por vítimas da ditadura ou benfeitores locais. Outras 33 placas de ruas que homenageiam pessoas ligadas à repressão militar continuam lá, mesmo após quatro anos da instauração do projeto.

Fernando Haddad arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil – 11.10.18

Programa foi lançado em 2015, durante a gestão de Fernando Haddad, e visava ressignificar o espaço público da cidade.

Lançado em agosto de 2015 durante a gestão de Fernando Haddad (PT), o Ruas de Memórias consiste em ressignificar o espaço público e suprir a demanda de familiares de mortos e desaparecidos pela ditadura militar, ex-presos políticos durante o período e dos movimentos de Direitos Humanos da cidade de São Paulo. 

Ressignificação dos espaços públicos

Clara Castellano, uma das idealizadoras do programa, explica que mesmo após o fim da ditadura, diversas marcas do regime continuaram pela cidade. “As pessoas naturalizam um período marcado por autoritarismo, por violações políticas, por tortura, assassinatos, sumiços de pessoas”.

Leia mais:  Quatro anos depois, atingidos por tragédia de Mariana sofrem sem reparação

Leia também: 

Segundo ela, alterar os nomes das ruas é uma forma de ressignificar os espaços públicos. “Nós não podemos naturalizar e não podemos permitir que existam permanências de um período que notadamente violou direitos humanos e que notadamente não era democrático.  Porque naturalizar esse símbolo significa naturalizar as violações cometidas por esses violadores [que dão os nomes as ruas]”.

Dessa forma, o Ruas de Memórias pretende explicar o paradoxo que há em manter em uma democracia nomes de ruas que homenageiam a ditadura. Funcionários do projeto, acompanhados de vítimas do regime militar, conversavam com os moradores sobre os motivos para ocorrer a alteração. 

Carla Borges, outra idealizadora do projeto, afirma que a maioria das pessoas que eram abordadas pelo programa não sabiam quem eram os homenageados das ruas em que moravam. As reações foram diversas.

“Quando ficavam sabendo, muitos se chocavam. Outros entendiam que era alguém que não deveria ser homenageado, mas não entendiam qual era sua relação com aquilo. Mas também tinham pessoas que concordavam com a homenagem”. Como exemplo, Borges cita a rua Fleury, onde haviam militares favoráveis à manutenção do nome.

O projeto realizou debates com a população local sobre a mudanças nos nomes dos logradouros, buscando novos nomes que os representassem. Na praça Milton Tavares, por exemplo, a população escolheu, para substituir o nome do general, o nome do skatista Paulo Sella Neto, conhecido como Tintim, que frequentava a praça e acabou morrendo após um acidente. 

Leia também: 

Também eram tiradas dúvidas sobre a mudança. Os moradores acreditavam que correspondência não iriam chegar ou que seria necessário ficar alterando o endereço em cadastros. No entanto, a mudança em nada afetaria, já que o CEP do logradouro seria mantido. É necessário, porém, pagar uma taxa para trocar o endereço do imóvel no cartório.

Minhocão arrow-options
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Em 2016, o Minhocão passou a se chamar Elevado João Goulart.

Desde 2015, o projeto teve grandes conquistas, como a alteração do nome do Minhocão , antes nomeado de Costa e Silva e agora João Goulart

Leia mais:  Vídeo mostra caso de racismo no metrô: “Não quero que essa preta toque em mim”

“A mudança não é rápida, até porque tem todo o processo de participação social”, afirma Castellano. Além do diálogo com os moradores, é necessário convencer os vereadores a criar e defender projetos de leis para alterar cada uns dos nomes. Após isso, o projeto ainda precisa ser votado pela Câmara e sancionado pelo prefeito.

“O projeto de lei tem um processo lento de tramitação na Câmara, porque não é prioridade, até porque também tem uma base de vereadores conservadores”, explica Castellano. Ela ressalta que para conseguir aprovar a mudança de cinco logradouros , foi necessário mobilização social e ajuda da militância.

Atualmente, quatro Projetos de Leis que pretendem mudar logradouros relacionados à ditadura tramitam na Câmera de São Paulo. As praças Augusto Rademaker Grunewald e Ministro Alfredo Buzaid e as ruas Senador Filinto Muller e  Rua Doutor Sérgio Fleury podem ter seus nomes alterados. No entanto, não há previsão de quando os projetos serão votados.

João Doria e Bruno Covas arrow-options
Bruno Rocha/Fotoarena/Agência O Globo – 31.8.19

Desde que a gestão Doria-Covas assumiu a prefeitura de São Paulo em 2017, o programa deixou de ser visto como uma prioridade.

A mudança para a gestão de Doria-Covas atrapalhou o Ruas de Memórias, segundo Castellano. A idealizadora conta que o programa deixou de ser prioridade, passando por uma desestruturação. “Tem alguém cuidando desses temas, mas não tem a centralidade que tinha na gestão Haddad, com uma coordenação estruturada, orçamento próprio, planejamento, projetos de lei e decretos”, afirma. 

“A gente queria que essa fosse uma política de estado, não de governo. Não houve o interesse da prefeitura de pegar as outras ruas que não tinham dado tempo de fazer o processo de mobilização com moradores, nem os projetos de lei com os vereadores, não teve o interesse de levar isso pra frente”, argumenta.

Leia mais:  Evento de adoção em Cuiabá gera polêmica ao exibir órfãos em passarela

Em nota, a Secretaria dos Direitos Humanos informa que “está congregando ações e delineamentos para confecção de novos projetos de lei”, para dar continuidade ao programa.

Leia também: 

A idealizadora do projeto também afirma que o cenário da política nacional complica a realização de um projeto que tenta combater homenagens à ditadura.

“Na época em que criamos o programa [em 2015], já era difícil, a gente já encontrava resistência. Imagina hoje que esse discurso tem uma autorização e uma legitimação do nosso chefe máximo do País?”, afirma.

*Quando o projeto foi lançado, 38 logradouros ligados à ditadura foram mapeados. No entanto, apenas 22 desses foram divulgados. As idealizadoras do programa justificam que esses eram as que possuíam mais evidências e ligações a violações ocorridas no período de 1964 a 1985 e comprovadas pela Comissão Nacional de Verdade e outros documentos. 

Comentários do Facebook
Continue lendo
Política43 minutos atrás

Bolsonaro embarca nesta quinta-feira para visita oficial à Índia

arrow-options Alan Santos/PR Presidente vai participar das celebrações do Dia da República O presidente Jair Bolsonaro embarca, na manhã desta...

Nacional2 horas atrás

São Paulo tem 33 ruas que homenageiam personagens e datas da ditadura

arrow-options Divulgação/PT Com a ação do programa Ruas de Memória, cinco logradouros da cidade tiveram seus nomes alterados. Castelo Branco,...

Política6 horas atrás

Deputado quer banir coleira antilatido no ES

Criada com a finalidade de adestrar animais, a coleira antilatido, que emite impulsos elétricos capazes de inibir o comportamento do...

Esportes7 horas atrás

Brasil vence Uruguai no Pré-Olímpico

O Brasil derrotou o Uruguai por 3 a 1 na madrugada desta quinta (23) em jogo válido pela segunda rodada...

Nacional8 horas atrás

Anvisa decide simplificar acesso a medicamentos de canabidiol

arrow-options Divulgação/Defensoria Pública do Rio Grande do Sul Canabidiol A Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ) simplificou a...

Nacional8 horas atrás

Pedido de Suzane von Richthofen para barrar biografia não autorizada é negado

arrow-options Reprodução Suzane Von Richthofen foi condenada por planejar a morte dos pais O vice-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF),...

Estadual9 horas atrás

Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça retornam com julgamentos nesta quarta-feira, 22

As sessões são públicas e acontecem na sede do Poder Judiciário Estadual, semanalmente. As pautas de julgamento estão disponíveis no...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana