conecte-se conosco


Nacional

Jovem de 21 anos fica paraplégica após colocar piercing no nariz

Publicado

em

Um relato dramático da estudante de Recursos Humanos Layane Dias, de 21 anos, acendeu o sinal de alerta para aqueles que fazem o uso ou pretendem fixar acessórios pelo corpo. Após aplicar um piercing no nariz, a estudante teve sérios problemas de infecção e teve parte do corpo paralisado.

Layane contou que mesmo buscando cuidados, o quadro de saúde dela foi piorando. A infecção motivada pela aplicação do piercing foi tomando proporções. E semanas depois, ela teria sentido a perda do movimento das duas pernas. A situação tornou-se ainda mais difícil, quando a jovem deixou de sentir partes do restante corpo. “Dos seios para baixo,  eu não conseguia sentir mais nada”, contou a jovem. 

De acordo com informações do neurocirurgião Oswaldo Ribeiro Marquez, que acompanhou o tratamento da jovem, ela teria sido vítima de uma bactéria extremamente resistente. Conhecida como Staphylococcus Aureus, a bactéria é comumente e pode causar mazelas em diferentes níveis, quando consegue atingir a corrente sanguínea de uma pessoa. 

O especialista explicou também, que apesar de raro, é possível que um piercing deixe uma pessoa paraplégica. “Essa situação pode acontecer quando há alguma complicação em decorrência do piercing”, pontua o profissional, que afirma nunca ter visto situação parecida desde que iniciou a carreira na medicina, há cerca de 15 anos.

Segundo o médico, as complicações com o piercing ocorrem quando o objeto abre caminho para infecções. “A disseminação de qualquer infecção cutânea costuma ser hematogênica – quando é transmitida pela corrente sanguínea. Por exemplo, se a bactéria está na ponta do nariz, ela pode evoluir, pegar o nariz inteiro, cair na corrente sanguínea e parar em outro canto do corpo”, esclarece.

Sintomas
No início de julho, segundo Layane, surgiu uma bola vermelha na ponta do nariz, semelhante a uma espinha. “Eu achava que era apenas uma espinha, mas ela me causou febre. Como pensei que não fosse nada relevante, cuidei em casa mesmo, com pomadas. Em uma semana, ela aparentemente teria sumido”, contou.

Layane disse que dias depois, ela comemorava uma vaga de estágio que havia acabado de conquistar. “Na época eu tinha conseguido um estágio. Fui muito animada, parecia o melhor momento da minha vida. Lembro que no período da noite quando eu retornei do trabalho, as dores começaram a surgir. Elas iam e voltavam. Tomei medicamentos e elas diminuíram. No dia seguinte, a situação foi igual. Três dias se passaram e as dores ficavam ainda mais fortes. Elas eram nas costas e no pescoço”, explicou.

Layane contou que buscou ajuda em um hospital. Na época, o médico teria perguntado se ela teria tido alguma espinha na região do nariz ou algo assim, porque essa bactéria, comumente, é desenvolvida nas fossas nasais. Foi  ai então que ela revelou que havia colocado um piercing no lado esquerdo do nariz, há um mês anterior. “Quando contei isso, ele me disse: o piercing foi a entrada da bactéria em seu corpo. Ouvir isso me deixou em choque”, conta.

Na manhã seguinte da avaliação no hospital, a jovem passou a sentir que as pernas estavam enfraquecidas. “Tive que tomar banho com a ajuda da minha mãe”, diz. Naquele dia, ela foi com a mãe em uma igreja. “Quando voltei, a dor estava insuportável. Deitei e dormi. Quando acordei, naquela tarde, não senti mais as minhas pernas.” contou.

Para a jovem, naquele momento ela teria percebido que algo não estava bem. ” lembro que dali em diante, minha vida mudou. Fui realizar vários exames. Foram dias de dor e sofrimento. Mesmo sendo cuidada por excelentes profissionais, a minha vida mudou e eu nunca mais serei a mesma”, desabafou.

O piercing

Layane sempre se considerou uma jovem vaidosa. Além de estudante de Recursos Humanos, também fazia alguns trabalhos como modelo fotográfica.

Ela revela que sempre gostou de piercings. “Já tinha colocado na parte direita do nariz por três vezes”, comenta. Em junho passado, a estudante mudou o lado do piercing. “Foi a primeira vez em que coloquei na parte esquerda do nariz. Também foi a primeira vez em que saiu sangue durante o procedimento para colocar o piercing.”

Relato de um especialista

A dermatologista Alessandra Romiti ressalta que as complicações decorrentes do piercing, comumente, acontecem apenas na área do corpo em que o objeto é colocado. “Há casos como inflamações ou infecções locais. Por isso, é fundamental que o estabelecimento obedeça às normas de higiene adequadas. O material utilizado tem que estar esterilizado, o piercing tem que estar limpo e a pele precisa ser muito bem higienizada”, diz.

“Depois, o paciente precisa manter o lugar limpo para evitar o risco de haver qualquer tipo de contaminação”, acrescenta. Segundo a médica, complicações graves são consideradas extremamente raras.

O avanço da bactéria

Layane foi carregada às pressas ao hospital após sentir fortes dores e perceber que boa parte do corpo estava paralisado. “O médico pediu exames de sangue e de urina. Eu já não conseguia fazer minhas necessidades e tive de colocar uma sonda. Quando saiu o resultado do exame, apontou que eu estava com uma infecção no sangue.”, explicou.

“O médico começou a furar a minha perna e eu, realmente, não estava sentindo nada. Como era um caso grave, fui transferida para o Instituto Hospital de Base, em Brasília”, relata.

Ela conta que as dores se intensificaram. “Os médicos não conseguiam ter um diagnóstico exato. Suspeitaram de câncer ou síndrome de Guillain-Barré”, diz.

Na madrugada de um domingo, 22 de julho, ela se recorda que as dores ficaram insuportáveis. “Eu estava deitada em uma maca, sem me mexer, cheia de furos, tomando soro e várias medicações. Minha mãe estava sentada em uma cadeira ao lado. Eu pedi pra ela: ‘desculpa, mas aplica alguma coisa, porque eu preciso morrer. Não aguento mais’. E a minha mãe respondeu que não aplicaria nada, porque eu iria aguentar aquilo tudo”, relembra.

“Para aliviar as dores, começaram a me dar morfina por um período. Isso me alucinava muito e um médico pediu para suspender”, conta.

Marquez avalia que é “bem provável e plausível” que Layane tenha ficado paraplégica em decorrência do piercing. Porém, ressalta que somente estudos genéticos podem garantir que a paraplegia da jovem foi motivada unicamente por complicações oriundas da inserção do objeto no nariz.

A cirurgia de Layane teve o objetivo de retirar o pus que comprimia a medula da jovem. “Esse procedimento evitou a progressão da paraplegia, que poderia subir. O pus poderia causar uma infecção que poderia até levar à morte. Com a retirada do líquido, a medula dela foi descomprimida e evitou que o quadro da paciente piorasse”, explica Marquez.

A estudante disse que não planeja tomar nenhuma medida contra o profissional responsável por colocar o piercing. “Eu optei por não falar sobre ele, porque isso não me fará voltar a andar. Espero que a minha situação faça com que ele se preocupe mais com a saúde dos clientes a partir de agora”, declara a jovem, que revela que já havia colocado um piercing com o mesmo profissional anteriormente. “No de antes, não tive nenhum problema.”

A vida na cadeira de rodas

Por dois meses, Layane permaneceu internada para se recuperar. No hospital, soube que é incerta a possibilidade de voltar a andar. “Dois dias depois da cirurgia, o médico me disse que eu continuaria sem sentir as minhas pernas”, relata. Hoje, ela faz acompanhamento com uma psicóloga e sessões de fisioterapia.

A descoberta de que permaneceria na cadeira de rodas foi um dos momentos mais difíceis para a jovem. “Eu fiquei arrasada. A princípio, foi uma situação muito triste”, conta.

Para o especialista, há possibilidade de Layane retomar os movimentos das pernas. Porém, segundo o neurocirurgião, ainda é prematuro fazer uma avaliação. “A medicina tem avançado nesse aspecto e há estudos que apontam sobre essa possibilidade. Por isso, não podemos negar que ela retomará os movimentos das pernas, assim como não podemos garantir isso”, pondera.

(Com informações do Portal R7)

 

Leia mais:  Governador visita obras e participa da posse de consórcio público em Nova Venécia

 

Comentários do Facebook
publicidade

Nacional

Humorista é expulso de ato pró-Bolsonaro no Rio de Janeiro

Publicado

em

source
Marcelo Madureira arrow-options
Reprodução/Twitter
Marcelo Madureira é escoltado pela Polícia Militar

O humorista Marcelo Madureira foi expulso de um ato a favor do governo Bolsonaro no Rio de Janeiro, e precisou ser escoltado pelos policiais. “Não tenho medo de vaias. Votei no Bolsonaro e vou criticar todas as vezes que for necessário”, disse Madureira, antes de ter o microfone cortado. “Como justificar uma aliança dele com Gilmar Mendes para acabar com a Lava Jato?”

LEIA MAIS: Bolsonaro diz que sempre buscou diálogo com líderes do G7

Os protestos deste domingo (25) foram convocados pelo Movimento Vem Pra Rua em mais de 60 cidades. Entre as pautas dos apoiadores do governo, estão pedidos para que o presidente Jair Bolsonaro vete integralmente o projeto sobre abuso de autoridade, aprovado pela Câmara dos Deputados, e o impeachment do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli.

LEIA MAIS: Para agradar EUA, Bolsonaro critica maiores parceiros comerciais do Brasil

Foram registrados atos na manhã deste domingo, em Salvador, na Bahia; Belém, no Pará; Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Niterói, São José do Rio Preto, Araçatuba e Jundiaí, em São Paulo.

LEIA MAIS: Pronunciamento de Macron sobre Amazônia irrita apoiadores de Bolsonaro

Em Brasília, os manifestantes ergueram bonecos infláveis no gramado em frente ao Congresso Nacional. Os manifestantes também levantam cartazes em apoiam ao ministro da Justiça, Sergio Moro , e ao procurador da República, Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava-Jato.

Leia mais:  Social-democrata vence eleições no Panamá com discurso “anti-Odebrecht”

Fonte: IG Nacional
Comentários do Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Saúde53 minutos atrás

Bebe muito café? É por isso que você pode estar com tanta dor de cabeça

Você já deve ter lido as notícias contraditórias sobre estudos relacionados ao café . Contudo, agora, mais uma pesquisa foi...

Entretenimento2 horas atrás

“Estou em estado de choque”, diz Marisa Orth no velório de Fernanda Young

arrow-options Divulgação Fernanda Young, Rita Lee e Marisa Orth no programa “Saia Justa” Atriz que trabalhou com Fernanda Young em diversas séries...

Nacional2 horas atrás

Humorista é expulso de ato pró-Bolsonaro no Rio de Janeiro

arrow-options Reprodução/Twitter Marcelo Madureira é escoltado pela Polícia Militar O humorista Marcelo Madureira foi expulso de um ato a favor...

Tecnologia3 horas atrás

Está difícil focar no estudo ou no trabalho? Recurso do Android pode ajudar

O recurso ‘Bem-estar Digital’ ganhou muita atenção desde que foi implementado no Android Pie . Durante o I/O 2019, o...

Mulher3 horas atrás

Como fazer um sexo oral inesquecível – tanto para você, quanto para ele

Confissão: eu amo fazer um bom sexo oral em meu parceiro. Sei que algumas mulheres odeiam fazer e eu entendo....

Mulher3 horas atrás

Casal posta foto com anel, mas detalhe sobre noivo incomoda internautas

Um detalhe bastante particular nessa foto de anúncio de noivado está chamando atenção dos internautas. Para a maior parte deles,...

Mulher3 horas atrás

Sombra tie-dye é a moda do momento no Instagram; veja ideias para se inspirar

Depois que Kylie Jenner causou um “frisson” nas redes sociais com as  unhas tie-dye  , a tendência não para de...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana