conecte-se conosco


Política

“Já fiz mais pelo combate ao assédio do que as feministas”, diz deputado do PSL

Publicado

em

source
deputado arrow-options
Rodolfo Espínola / Agência AL

Deputado fez posts em sua conta do Twitter

Após dizer que o movimento feminista está “tirando o direito da mulher de ser assediada”, o deputado estadual Jessé Lopes (PSL-SC), afirmou nesta terça-feira (14) que já fez mais pelo combate ao assédio do que as feministas. 

Na postagem que viralizou na tarde de  segunda, o deputado criticou a campanha “Não é Não” do Coletivo Feminista de Santa Catarina para o Carnaval deste ano, afirmando que homens e mulheres gostam de ser assediados. “Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude”. 

Nesta terça-feira, Jessé Lopes voltou a atacar a campanha em sua conta do Twitter e a comparou com o desarmamento. “A tatoo ‘Não é não’ no carnaval é como o desarmamento civil. Onde ao se proibir as armas, apenas as pessoas de bem foram desarmadas, os mal intencionados continuam se armando. A tatoo afastará apenas as pessoas boas com medo de se incomodar com mulher que acha que tudo é assédio”, escreveu. 

“O Brasil todo está debatendo a eficiência da tatoo ‘Não é não’ e os limites que as pessoas devem ter entre si neste carnaval. Ja fiz mais pelo combate ao assédio do que as feministxs”, completou. 

Leia mais:  Campanha de Bolsonaro destinaR$240 mil para produtora-fantasma





Outras polêmicas

Em outras postagens nas redes sociais, o parlamentar já chegou a dizer que as feministas “defendem a morte de bebês no útero e apoiam ditaduras genocidas”. Ele afirmou ainda que “sabe mais” do que feministas e jornalistas. 

Leia também: Ministro diz que base na Antártica é obra de Bolsonaro, mas começou com Dilma

“Talvez eu não saiba o que as mulheres querem, mas sei mais do que as feministas e as jornalistas que falaram comigo hoje”, escreveu. 

Em outro tuíte, Jessé Lopes atacou a ativista Greta Thunberg, de 17 anos. “Não critique a Gretta porque ela é autista, se não você é contra os autistas! Essa narrativa não cola mais. Hoje podemos criticar os movimentos LGBT sem ser homofóbico, feminista sem ser machista e raciais sem ser racista. E sim, a Gretta é uma autista chata pra cacete!”. 



Comentários do Facebook
publicidade

Política

Morre ex-deputado Ibsen Pinheiro, que conduziu impeachment de Collor

Publicado

em

source
Ibsen Pinheiro com um microfone na mão arrow-options
Galileu Oldenburg/Divulgação PMDB

Ibsen Pinheiro tinha 84 anos

O ex-deputado federal Ibsen Pinheiro (MDB-RS) morreu nesta sexta-feira, aos 84 anos. Ele sofreu uma parada cardiorrespiratória enquanto passava por tratamento de saúde no Hospital Dom Vicente Scherer, em Porto Alegre, segundo a assessoria do MDB.

Leia também: Aras entra com primeira ação contra governo Bolsonaro

Deputado federal por quatro legislaturas, Ibsen foi presidente da Câmara durante o processo de impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, em 1992. Também integrou a Assembleia Constituinte, que redigiu a Constituição de 1988. Ao receber o pedido de impeachment, Ibsen disse a frase que acabou ficando famosa no mundo da política: “O que o povo quer, esta Casa acaba querendo”.

Depois do impeachment, Ibsen foi investigado pela CPI dos Anões do Orçamento, que descobriu em sua conta movimentação incompatível com seu patrimônio. Ele não conseguiu contestar as provas e, em 1994, perdeu o mandato. Em dezembro de 1999, o Supremo Tribunal Federal (STF) extinguiu o processo, apontando inconsistência das denúncias.

O ex-deputado foi autor da proposta para alterar a distribuição dos royalties de petróleo, prejudicando estados produtores, principalmente o Rio de Janeiro. A proposta ficou conhecida como Emenda Ibsen.

Aprovada pelo Congresso em 2010, a Emenda de Ibsen, elaborada em parceria com os deputados Marcelo Castro (PMDB-PI) e Humberto Souto (PPS-MG), previa a distribuição igualitária dos royalties do petróleo entre todos os estados e municípios. A lei não chegou a entrar em vigor porque foi vetada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. À época, Ibsen acabou se tornando alvo de protestos no Rio.

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, decretou luto oficial de três dias no estado. O velório ocorrerá das 9h às 16h deste sábado na Assembleia Legislativa. A cerimônia de cremação será restrita à família.

Leia mais:  Veja fotos dos protestos contra cortes na Educação pelo país

Em uma rede social, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), lamentou a morte e disse que Ibsen Pinheiro presidiu num dos momentos mais importantes da democracia brasileira.

Leia também: ‘Eu não preciso fritar ministro para demitir’, diz Bolsonaro sobre Moro

“Ibsen foi um exemplo para mim, tive a oportunidade de conviver e aprender muito com ele. Perdemos um homem público diferenciado”, escreveu.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Nacional16 minutos atrás

Vale considerava 7 barragens mais críticas que a de Brumadinho

arrow-options Divulgação/Prefeitura de Brumadinho Rompimento da barragem deixou centenas de mortos e desaparecidos em Brumadinho A barragem I da Mina...

São Mateus33 minutos atrás

Casagrande: “Porto da PetroCity é estratégico para o Estado

Ao participar de uma solenidade em Jaguaré, no Norte do Estado, quando assinou, nesta sexta-feira (24), a ordem de serviço...

Nacional42 minutos atrás

Mortes em decorrência das chuvas em Belo Horizonte e região chegam a 14

arrow-options Telmo Ferreira/Agência O Globo Maior parte das mortes ocorreram por deslizamentos de terra O Corpo de Bombeiros e a...

Nacional42 minutos atrás

No Espírito Santo, chuvas já causaram a morte de oito pessoas

arrow-options Twitter/Reprodução Chuva deixou rastro de destruição em cidades do estado As chuvas no Espírito Santo já causaram a morte...

Política42 minutos atrás

Morre ex-deputado Ibsen Pinheiro, que conduziu impeachment de Collor

arrow-options Galileu Oldenburg/Divulgação PMDB Ibsen Pinheiro tinha 84 anos O ex-deputado federal Ibsen Pinheiro (MDB-RS) morreu nesta sexta-feira, aos 84...

Política42 minutos atrás

Com Tatto favorito, PT tem oito nomes possíveis para prefeito de São Paulo

arrow-options Vitor Sorano/iG Jilmar Tatto O PT enfrenta uma guerra interna para a escolha do candidato a prefeito de São...

Política42 minutos atrás

Novo se distancia do governo Bolsonaro após aprovação do fundo eleitoral

arrow-options Marcello Casal Jr/Agência Brasil João Amoêdo, presidente do Novo Ele é uma espécie de mecenas da política. Milionário –...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana