conecte-se conosco


Economia

Governo estuda direcionar mais recursos do pré-sal a estados e municípios

Publicado

em


O objetivo dessa redistribuição dos recursos do pré-sal, segundo Paulo Guedes, é reequilibrar o pacto federativo
Wilson Dias/Agência Brasil

O objetivo dessa redistribuição dos recursos do pré-sal, segundo Paulo Guedes, é reequilibrar o pacto federativo

O ministro da Economia, Paulo Guedes, revelou que o governo estuda mudar a distribuição dos recursos advindos da exploração de petróleo na camada pré-sal. Hoje, 70% dessas riquezas ficam com a União e o restante é destinado para os estados e municípios. A ideia é inverter essas proporções, reservando apenas 30% ao Governo Federal e 70% aos entes federativos.

Leia também: Projeto para militares será votado logo após a Previdência, indica Alcolumbre

O objetivo dessa redistribuição dos recursos do pré-sal , segundo Guedes, é reequilibrar o pacto federativo e descentralizar a gestão das receitas no País. As declarações foram feitas na tarde desta sexta-feira (15), durante um seminário sobre economia na sede da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio de Janeiro.

O governo estima que a exploração do pré-sal possa gerar de US$ 500 bilhões a US$ 1 trilhão aos cofres públicos nos próximos 15 anos. Aumentar os repasses aos estados e municípios, então, seria um respiro – ou uma espécide de “balão de oxigênio”, como disse o ministro – aos governadores dos estados que passam por crises fiscais, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Norte, por exemplo.

“Qual prefeito não vai apoiar esta medida, qual deputado não gostaria de aprovar isso? Esse é o pacto federativo. Acho difícil encontrar quem seja contra isso”, avaliou Guedes. Além disso, para o governo, a proposta de descentralizar os recursos da União para estados e municípios também viabilizaria a aprovação da reforma da Previdência , considerada fundamental para o ajuste das contas públicas, no Congresso. 

Defesa da capitalização


Na FGV, o ministro Paulo Guedes ainda reiterou a defesa da criação de um regime previdenciário por capitalização
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Na FGV, o ministro Paulo Guedes ainda reiterou a defesa da criação de um regime previdenciário por capitalização

Durante o evento, Guedes ainda reiterou a defesa da criação de um regime previdenciário por capitalização. O ministro, porém, admitiu que o sistema só seria colocado em prática se o governo atingisse a economia prevista com a reforma da Previdência, de R$ 1 trilhão. Boa parte dos bancos e consultorias estima uma economia bem mais baixa, de cerca de R$ 500 bilhões.

Leia mais:  Economia tem crescimento de 1,74% no terceiro trimestre, aponta Banco Central

“Nosso plano [para a reforma da Previdência] tem dois estágios. O primeiro é uma economia de R$ 1 trilhão. Pelo amor de Deus, eu preciso de [uma economia de] R$ 1 trilhão, porque abaixo disso não tem potência fiscal para fazer regime de transição”, confessou Paulo Guedes .

Nessa quinta-feira (14), durante um encontro em São Luís (MA), os governadores nordestinos se posicionaram contra a criação de um regime por capitalização . Para os políticos, é “imprescindível” retirar a proposta para o novo sistema, que poderia, na visão dos governadores, “piorar as contas do regime vigente, além de ser socialmente injusto com os que têm menor capacidade contributiva para fundos privados”.

Hoje, o sistema previdenciário brasileiro conta com três categorias: o Regime Geral da Previdência Social (RGPS), os Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS) e a Previdência Complementar. O primeiro inclui todos os trabalhadores que contribuem para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social); o segundo contempla servidores públicos concursados; o terceiro é opcional, como o Previ, o fundo de pensão de funcionários do Banco do Brasil.

Leia também: Previdência é oportunidade de ajuste fiscal sem cortar direitos, diz secretário

Tanto o regime de repartição simples adotado atualmente como o de capitalização  pertencem ao RGPS. A diferença é que, no primeiro, as contribuições dos trabalhadores ativos pagam o benefício dos aposentados, enquanto no segundo é criado um fundo para receber as contribuições. Esses recursos são investidos em ativos de renda fixa e variável, e o aposentado nesse sistema recebe o valor que contribuiu mais os rendimentos da aplicação.

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
publicidade

Economia

Grupo dono da Air Europa vai abrir empresa aérea no Brasil

Publicado

em


avião air europa
Reprodução/Instagram

Na manhã de sábado (17), o ministro da Infraestrutura anunciou que grupo dono da Air Europa abrirá empresa aérea no país

O ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou na manhã deste sábado (18) que o grupo espanhol Globalia, dono da Air Europa , vai fundar uma nova empresa de aviação no Brasil.

Leia também: Bolsonaro comemora entrada de empresa aérea europeia no Brasil

A empresa aérea  será a primeira após a publicação da medida provisória 863/2018, que abre o setor aéreo ao capital estrangeiro, hoje limitado em 20%. De acordo com o ministro, a outorga será pedida nos próximos dias.

“Importante para equilibrarmos oferta de voos e reduzir preço da passagem”, destaca Freitas. “Obtendo outorga, ela vai contratar pilotos e tripulação brasileira, gerando empregos, concorrência no setor e novos investimentos no país”, completa.

Na última quarta-feira (15), em audiência na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados, o secretário nacional de Aviação Civil substituto, Carlos Eduardo Resende Prado, pediu que o Congresso vote a MP sem as modificações feitas na comissão mista.

Leia também: Solução para crise da Avianca é nova empresa no mercado, diz presidente da Anac

A comissão havia incluído no texto original, que foi enviado pelo governo, a volta da franquia mínima de bagagem no transporte aéreo, além da exigência para que empresas operem ao menos 5% de seus voos em rotas regionais por, no mínimo, dois anos.

A medida provisória tem até quarta-feira (22) para ser votada na Câmara e no Senado. Caso contrário, perde a validade.

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Leia mais:  Banco do Brasil é o mais sustentável do mundo, revela ranking divulgado em Davos
Continue lendo
Nacional59 minutos atrás

Vizinho dava biscoito para estuprar menina de 10 anos

Os abusos aconteciam no quintal da casa da menor quando a mãe dela ia trabalhar. O vizinho levava biscoitos e...

Nacional1 hora atrás

Homem joga cadeira em ladrão para proteger família durante assalto e é morto.

Família estava jantando em casa quando foi abordada por dupla armada que fez todos reféns. Sogro do homem que foi...

Esportes11 horas atrás

Com um a menos, Atlético-MG vence Flamengo e assume vice-liderança

Divulgação O jogador Cazares, do Atlético-MG, fez um dos gols no Flamengo nesta noite de sábado (18) Em uma noite...

Esportes11 horas atrás

Palmeiras domina, goleia o Santos e se isola na liderança do Brasileiro

Cesar Grego/ Ag. Palmeiras/ Divulgação Deyverson fez um dos gols do Palmeiras no jogo contra o Santos neste sábado (18)...

Nacional11 horas atrás

Simulação de evacuação em Barão de Cocais tem menos de 30% do público esperado

Divulgação/Vale Existe a previsão de que a barragem de Barão de Cocais pode se romper a qualquer momento entre os...

Nacional11 horas atrás

Acumulou! Prêmio da Mega-Sena pode pagar R$ 12 milhões na quarta-feira

iG São Paulo Para concorrer ao prêmio da Mega-Sena, é preciso escolher pelo menos seis números entre os 60 disponíveis...

Estadual11 horas atrás

Chuvas fortes causam alagamento e deixam 70 desabrigados em Vila Velha

Reprodução/Twitter Chuvas fortes na madrugada e manhã de sábado (18) causaram alagamentos e deixaram 70 desabrigados Fortes chuvas na madrugada e...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana