conecte-se conosco



Internacional

‘Golpe foi articulado por extrema direita racista’, diz chanceler da Bolívia

Publicado

em

source
José Kinn Franco dando entrevista coletiva arrow-options
Reprodução

José Kinn Franco falou sobre a situação da Bolívia na Câmara dos Deputados

O embaixador da Bolívia, José Kinn Franco, esteve nesta terça-feira (12) na Câmara dos Deputados para falar sobre a situação do seu país e acusou movimentos de extrema direita pela renúncia do ex-presidente Evo Morales. “Foi organizado, programado e foi estruturado especialmente pela extrema direita do nosso país. Que é uma extrema direita muito conservadora, violenta, racista e que está agora fazendo perseguição das lideranças do nosso partido”, afirmou.

Segundo Franco, essa articulação não é recente e já vem desde antes das eleições. “Quero fazer a denúncia deste golpe que foi construído já antes das eleições”, disse o embaixador.

Leia também: Evo Morales desembarca no México e promete ‘continuar luta’

Ele agradeceu a solidariedade dos partidos de oposição brasileiros que se manifestaram a favor de Moralese e afirmou que não está mantendo contato com o ministério de Relações Exteriores do Brasil, mas que isso deve acontecer assim que o cenário se definir na Bolívia. “Estamos esperando ver como terminam os acontecimentos na Bolívia para entrar em contato com o governo Brasileiro”, disse o embaixador, que promete renunciar ao cargo em breve.

Fonte: IG Mundo

Comentários do Facebook

Internacional

Viagem aérea: 55% dos passageiros vão esperar 6 meses pós-pandemia para viajar

Publicado

em


source
avião levantando voo
Agência Brasil

Pela pandemia, setor aéreo perdeu cerca de US$ 84 bilhões em 2020


Segundo pesquisa realizada pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), 55% de passageiros de 11 países afirmaram que só devem voltar a usar aviões seis meses após a estabilização da pandemia do novo coronavírus . Foram entrevistadas 4.700 pessoas que usaram serviços aéreos entre julho de 2019 e junho de 2020.


Dessa fatia, 36% informaram que esperariam seis meses, enquanto 14% devem esperar até um ano e 5% afirmaram não ter planos de usar avião nos próximos anos. Somente 12% afirmaram que não aguardariam a estabilização da Covid-19 no mundo para embarcar.

A pesquisa também abordou outros aspectos de segurança sanitária dos passageiros. Entre elas, a higienização das mãos em menor intervalo de tempo (77%), evitar aglomerações (71%) e utilizar máscara em ambientes públicos (67%).

Os passageiros também informaram a Iaca os momentos em que se sentiriam vulneráveis e propensos a serem infectados. Cerca de 65% têm medo de compartilhar o assento com uma pessoa positiva, 59% sentem receio de serem contaminados durante o deslocamento até o avião e 42% informaram que sentem risco nas filas de embarque e de check-in.

Trinta e sete por cento dos passageiros afirmam que se sentiriam mais seguros se as companhias aéreas realizarem triagem antes do embarque; 34% acreditam que é preciso tornar o uso de máscara obrigatório; e 33% afirma que é necessário manter distanciamento social nos assentos de passageiros.

O setor de viagens aéreas é um dos que foi diretamente impactados pela pandemia. O presidente da Iata, Alexandre de Juniac, afirma o déficit foi de US$ 84 bilhões.

Fonte: IG Mundo

Comentários do Facebook
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!