conecte-se conosco


Esportes

Gabigol revela contato e aprova Jorge Jesus no Flamengo: ‘Todo mundo gosta dele’

Publicado

em


gabigol
MAGALHÃES JR / PHOTOPRESS / Agência O Globo
Gabigol comentou a chegada de Jorge Jesus

Lance

O técnico Jorge Jesus ainda não foi apresentado oficialmente pelo Flamengo, mas já está ganhando as boas-vindas de Gabriel Barbosa, o Gabigol.

Leia também:  Mbappé x Neymar – Elenco do PSG está rachado por ‘regalias’ do brasileiro

O escolhido para falar sobre Jorge Jesus foi o atacante Gabigol , que rasgou elogios ao novo comandante nesta segunda-feira (03). O camisa 9 lembrou que poderia ter trabalhado com o comandante antes, na época de Sporting (POR), mas as negociações só permitiram que a dupla apenas se encontrasse no Rubro-negro.

“Quando cheguei ao Benfica, ele tinha passado por lá e só ouvi coisas boas. Todo mundo gosta dele, da pessoa que ele é. Esperamos que venha logo e possa nos ajudar”, declarou e revelou que o treinador tentou contratá-lo para o Sporting (POR) anteriormente.

“Eu estava na Inter de Milão, queria sair, ele ( Jorge Jesus ) me ligou chamando para ir para o Sporting, mas acabei indo para o rival. Depois, ele me ligou e desejou sorte”, completou.

Gabigol está feliz da vida. Afinal, voltou a balançar as redes no último domingo (02), marcando dois gols na vitória contra o Fortaleza. O camisa 9 comemorou a marca e brincou sobre uma possível disputa pela artilharia do Campeonato Brasileiro com Bruno Henrique – estão empatados na primeira colocação com quatro gols.

Leia também:  Com homenagem a Gaudí, Barcelona lança uniforme para temporada 2019/20

“Feliz pelos gols, pela vitória, pelo modo como foi. Não tem muito essa disputa com o Bruno Henrique. Estamos ali na frente para ajudar, abrir espaços para os companheiros. Esperamos que continue assim”, declarou Gabigol .

Comentários do Facebook
Leia mais:  Corinthians é o clube mais valioso da América; confira posição dos brasileiros
publicidade

Esportes

Brasileiro vê menos profissionais do país no futebol japonês

Publicado

em

O Brasil teve papel importante na profissionalização do futebol no Japão nos anos 90. A maior referência é Zico, ídolo no Kashima Antlers e ex-técnico da seleção asiática. Mas, o galinho de Quintino não foi o único a deixar marcas por lá. Dunga, Alcino, Leonardo, Bebeto, Ruy Ramos e Wagner Lopes (os dois últimos, inclusive, naturalizaram-se para defender o país) também fizeram história.

A lista é extensa e ainda hoje reflete. Os brasileiros representam, em média, metade dos estrangeiros que atuam na J-League 1 (primeira divisão local). Além disso, segundo o último Raio-X do Mercado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que tem como base o período entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2018, o país-sede dos próximos Jogos Olímpicos e Paralímpicos é o terceiro destino mais procurado por jogadores do Brasil (34), só atrás de Portugal (205) e Arábia Saudita (47).

A influência chega, também, ao banco de reservas. Nomes como Toninho Cerezo, Oswaldo de Oliveira e Nelsinho Baptista já conduziram suas equipes à glória na liga japonesa, sempre, ou quase sempre, acompanhados por auxiliares, preparadores físicos e fisioterapeutas de confiança. Normalmente compatriotas. O espaço destinado a brasileiros em comissões técnicas, porém, já foi maior. É a percepção de Carlos Suriano, preparador físico do Tokushima Vortis, time da J-League 2 (segunda divisão do futebol japonês), que passou 13 dos últimos 14 anos na terra do Sol Nascente.

“Quando cheguei ao Japão, em 2006, havia praticamente um preparador físico e um de goleiro brasileiro em todas as equipes. Recordo que no meu primeiro ano tinham ao menos 12 preparadores brasileiros. Pessoas experientes, com nome, que me ajudaram muito. O Walmir Cruz [ex-Corinthians] às vezes dava conselhos por telefone. O Flávio Oliveira [hoje no Vasco] também. Infelizmente, com o passar dos anos, isso foi diminuindo”, conta.

Leia mais:  Suposto novo terceiro uniforme do Corinthians vaza nas redes sociais

Carlos nasceu em São Paulo, mas foi criado em Jaú, no interior paulista. Em 2005, a equipe em que trabalhava como preparador, o XV de Jaú, venceu o estadual sub-20 superando o Santos na decisão. No ano seguinte veio o convite para mudar de ares. “Um dos diretores de uma equipe do Japão acompanhou uma semana nossa em Jaú para contratar jogadores, mas ele acabou se interessando por mim e fez uma proposta”, lembra.

Primeiro foram sete temporadas consecutivas no Japão (cinco no Bellmare, onde trabalhou com os brasileiros Adiel, Jean e Eduardo Marques, todos ex-Santos, e dois no Tokushima) até a volta ao Brasil, em 2013. Um ano depois, no entanto, Carlos retornou ao Oriente a convite do técnico Péricles Chamusca para o Jubilo Iwata. Já em 2014 foi contratado novamente pelo Tokushima. Na segunda passagem teve o ex-São Paulo Carlinhos Paraíba como atleta.

Globalização do futebol

A constatação sobre a presença de menos brasileiros em comissões técnicas de times japoneses coincide com a recente intensificação de técnicos estrangeiros no Brasil. Em 2020, ao menos quatro times da Série A terão comandantes do exterior: Flamengo, com o português Jorge Jesus, Santos, com o também português Jesualdo Ferreira, Internacional, com o argentino Eduardo Coudet, e Atlético-MG, com o venezuelano Rafael Dudamel. Porém, na entrevista coletiva de apresentação no peixe, Jesualdo negou que isso signifique que profissionais brasileiros não tenham qualidade, e afirmou que a mudança tem relação com a globalização do esporte.

Carlos pensa de forma semelhante. “Hoje, no futebol, só o nome já não faz diferença. O japonês exige muito. Eles não têm a mesma qualidade individual que o jogador do Brasil, mas são inteligentes, sabem analisar. De 10 anos para cá, talvez um pouco mais, o futebol japonês evoluiu muito”, analisa, citando o aumento de europeus trabalhando no Japão (o técnico do próprio Tokushima, Ricardo Rodríguez, é espanhol) e entendendo, também, que a mão de obra brasileira ficou mais especializada e cara. “Isso acabou fechando um pouco as portas”, reconhece.

Leia mais:  ATP estuda mudanças nos Gram Slams de 2019 após discussão de tenista com boleiro

“Um pouco”, talvez. Totalmente, longe disso. A última temporada da primeira divisão japonesa encerrou sem brasileiros no comando (Oswaldo de Oliveira deixou o Urawa Reds em maio para assumir o Fluminense). Na J-League 2, o Kashiwa Reysol foi campeão sob comando de Nelsinho Baptista. Além do Kashiwa, três dos quatro times mais bem colocados (Yokohama FC, Tokushima e Montedio Yamagata) tinham preparadores físicos brasucas: Luiz Carlos Brollo, o próprio Carlos e Élcio Mineli, respectivamente.

“Lógico que não se pode falar que [a campanha das equipes] foi só por esse motivo, mas é algo que dá orgulho. Todos fizeram um trabalho muito bom. Foi um campeonato muito difícil. É uma exigência grande. São muitos jogos [45, sendo 42 na fase regular e três no playoff de acesso], então ficar na parte de cima não é fácil”, destaca. Ele também destaca a estrutura e a aposta de dirigentes japoneses em trabalhos de longo prazo. Foram apenas seis trocas de treinador na temporada 2019 da J-League 2, contra 20 demissões na série A do Brasileirão do mesmo ano.

“O respeito aqui é muito grande. Então, a partir do momento que você mostra um trabalho e planejamento, e passa a impressão de que poderá haver uma evolução, eles confiam nisso. Você tem tempo para trabalhar. O resultado é o mais importante, mas eles analisam o trabalho. Já houve temporadas em que tivemos uma colocação ruim, só que eles avaliaram o dia a dia, a evolução. Em 2018 ficamos no meio da tabela. No ano seguinte brigamos pelo acesso com a mesma base de atletas e comissão”, afirma.

Em tempo, a subida à J-League 1 de 2020 acabou não vindo. Na final do playoff de acesso, em dezembro, o Tokushima precisava vencer o antepenúltimo colocado da primeira divisão (por ironia, o mesmo Bellmare onde Carlos iniciou a trajetória no Japão). O empate por 1 a 1 manteve o rival na elite e o Tokushima na Segundona para 2020.

Leia mais:  Com golaço e assistência de Keno, Pyramids empata clássico contra o Zamalek

Expectativa para Tóquio 2020

Tokushima fica a 503 quilômetros de Tóquio, em linha reta. Apesar da distância, a população da cidade vive a expectativa dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que retornam à capital após 56 anos. Com a experiência de mais de uma década vivendo no Japão, Carlos acredita em uma recepção calorosa no país. O Comitê Organizador da Olimpíada colocou 7,8 milhões de ingressos à venda, sendo 70% destinados a moradores locais (só na primeira fase para aquisição, em julho de 2019, foram 3,22 milhões dessas entradas).

“O povo japonês abraça qualquer competição ou evento que o país sedia. Foi assim lá atrás [2002], na Copa do Mundo, e agora em 2019 com o Mundial de Rugby, que nem é um esporte tão divulgado por aqui, e foi sensacional. Tokushima, inclusive, recebeu os treinos da seleção da Geórgia [de rugby]. Sei que cidades próximas, como Osaka e Kobe, receberão [a aclimatação de] algumas delegações. Espero estar aqui ainda para acompanhar”, encerra o preparador físico, que seguirá no Vortis por mais uma temporada.

Edição: Fábio Lisboa

Comentários do Facebook
Continue lendo
Política55 minutos atrás

Deputado Zeca Dirceu gastou mais de R$ 11 mil da Câmara com almoços em Brasília

arrow-options Agência Câmara Zeca Dirceu O deputado Zeca Dirceu (PT-PR) tem por hábito comer bem às custas do dinheiro da...

Economia6 horas atrás

Passageiro poderá receber indenização de R$51,39 por corridas canceladas em apps

Um Projeto de Lei (PL) de autoria do senador Almir Gurgacz (PDT-RO) quer que passageiros de aplicativos de transporte –...

Economia6 horas atrás

Mais 11 lotes de cervejas da Backer estão contaminados, diz governo

arrow-options Divulgação Substância tóxica foi encontrada em 32 lotes O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou no início...

Economia6 horas atrás

Mega-sena acumula e prêmio sobre para R$ 32 milhões

arrow-options Agência Brasil Prêmio da próximo semana é previso em R$ 32 milhões A Caixa realizou na noite deste sábado...

Entretenimento7 horas atrás

BBB20: Quem é quem no Big Brother Brasil, que terá anônimos e famosos

arrow-options Reprodução/Globo Participantes BBB 20 A TV Globo divulgou, neste sábado (18), a lista oficial dos participantes do ‘ BBB20...

Saúde10 horas atrás

Vírus de origem chinesa pode ter infectado mais de mil de pessoas

O número de pessoas infectadas por um vírus que já matou duas pessoas na China ultrapassa, provavelmente, mil casos e...

Saúde10 horas atrás

Mais 11 lotes de cerveja Backer estão contaminados, informa ministério

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou no início da noite deste sábado (18), os resultados de análises...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana