conecte-se conosco



Saúde

Especialistas alertam: tomar a vacina não significa poder relaxar nos cuidados com a Covid

Publicado

em

Armando Salvatierra: pediatra, especialista em saúde pública e pesquisador da Covid19

Baixar a guarda nos cuidados pessoais e coletivos é a pior atitude de quem se vacina contra a Covid19. Quem faz o alerta é o médico Armando Salvatierra Barroso, 72 anos, veterano do Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná, que revisou um artigo em parceria com seu colega Rodney Frare e Silva, do Departamento de Pneumologia da mesma instituição, chamando a atenção para o que denominaram “efeito Peltzman” no combate ao coronavirus. Tanto Armando quanto Rodney estão aposentados da UFPR.

O “efeito Peltzman” é um conceito tomado emprestado de Sam Peltzman , que ensinou microeconomia em Chicago em 1988. Trata-se de uma teoria que afirma que as pessoas são mais propensas a se envolver em comportamentos de risco quando medidas de segurança são obrigatórias: “Tem esse nome devido à postulação de Sam Peltzman sobre a obrigatoriedade do uso de cintos de segurança em automóveis, ou seja, de que isso levaria a mais acidentes”.

Rodney Frare e Silva: especialista em Pneumologia da UFPR

Observam os dois médicos que “a percepção de segurança aumenta o apetite, aumenta a vontade de superar seus limites ao risco, porque se acha protegido”. De acordo com Armando Salvatierra, que preside o Departamento de Puericultura da Sociedade Paranaense de Pediatria, e tem pós graduação em saúde pública, em nutrição infantil, em nutrição na adolescência, gastropediatria e administração hospitalar, esse comportamento está sendo verificado entre a própria comunidade médica.

RECONTAMINAÇÃO
Adventos de contaminação e até recontaminação com o vírus depois de tomar a vacina, principalmente por profissionais de saúde que atuam na linha de frente, têm uma relação direta com o comportamento de risco, voluntário ou involuntário.

“No início da pandemia, nos três ou quatro primeiros meses, as pessoas morriam porque não sabíamos como agir com esse inimigo novo. Isso aconteceu com a epidemia de H1N1 (gripe influenza) em 2009 também. Mas a gripe não chegou a ser uma pandemia como essa, que só encontra paralelo com a gripe espanhola de 100 anos atrás. Mas com a Covid19 a situação é pior, porque o mundo é mais conectado, a circulação das pessoas é muito maior”, disse Armando.

O médico, boliviano de nascimento, observa que, na medida em que os casos foram surgindo os médicos foram se aperfeiçoando, mas vê hoje um risco grande de um descontrole da doença no País: “Diante de episódios de contaminação após ser imunizado leva a questionamentos sobre a validade ou não da vacina. E eu digo: todos estamos na fila da morte, queiramos ou não. A vacina sozinha não vai resolver o nosso problema, embora ela seja, sim, indispensável. O que vai resolver o controle da doença é o comportamento das pessoas”.

Na comunidade médica, Armando Salvatierra diz que o quadro é preocupante: “Está aumentando o número de contaminados e diminuindo o número de médicos para atender. Uns estão morrendo e outros estão entrando de licença. E quem está ficando na linha de frene está exausto. É tanta demanda que muitas vezes não dá tempo nem de tomar cuidados básicos. Temos que preparar mais médicos e isso se faz com treinamento, prática e experiência para entubar um paciente”.

E A VACINA?
“Nenhuma vacina protege 100%”, salienta Salvatierra, para complementar: “Nem mesmo as mais excelentes, como do sarampo e do tétano, que chegam a 98% a 99% de garantia. Mas 100% ninguém tem. A medicina, porém, não trata com duas palavras: nunca e sempre. O vírus se modifica e quanto mais demorarmos para vacinar a população, pior fica, porque surge variantes que não são alcançadas pela vacina”.

Armando Salvatierra, porém, tem uma previsão otimista de que “lá para agosto as novas vacinas já cheguem enfrentando também as novas variantes do coronavirus. Isso aconteceu com a H1N1. Talvez tenhamos que ter três doses de vacina, mas daqui para a frente as dificuldades de produção vão diminuir porque já temos uma plataforma. Mas a vacina sozinha não vai controlar o avanço da doença e muita gente ainda vai morrer infelizmente”.

E por que o médico faz essa previsão? A resposta está no comportamento das pessoas, ele mesmo responde. “O brasileiro parece não estar disposto a fazer o isolamento. Somos um povo muito gregário. Sou boliviano, e este é o perfil do povo latino. Mas o brasileiro é mais. Falamos tocando e até beijando as pessoas. Sentimos falta disso, as pessoas querem conviver, mas vamos perder muita gente se não formos mais solidários coletivamente”.

MÁSCARA PARA SEMPRE
A partir de agora, o uso da máscara de proteção deverá ser um hábito cultural também no ocidente. “A criança japonesa já nasce sabendo que, para sair de casa, tem que usar máscara. E nesse momento temos que usar a máscara dupla, que já está comprovado que é a mais eficaz para evitar a contaminação pelo coronavírus. Há um ano, quando as mortes estavam em 600 no Brasil, escrevi que era um absurdo, que era como cair três aviões por dia. E agora passamos de 4 mil mortos. É o mesmo que caírem 20 aviões por dia. Isso é pior do que qualquer guerra, qualquer era de fome”, observou Armando Salvatierra.

E ao que fazer para conter isso? “Enquanto não atingirmos entre 70% e 80% de pessoas vacinadas não teremos aquilo que chamamos de imunidade de rebanho, para reduzir os casos e as mortes. E estamos longe de conseguir isso. As próprias fábricas não têm capacidade de entrega, o vírus está se transformando mais rápido do que nossa mobilização para vacinar. Sinceramente, não culpo ninguém por isso, mas se continuarmos politizando o vírus, a doença e a vacina, não vamos encontrar a saída”.

Até agosto de 2020, Armando Salvatierra diz que a comunidade médica estava muito assustada, porque não via possibilidade de se ter uma vacina em menos de cinco anos: “Mas o ser humano é capaz de se superar em meio a grandes crises. Vacina é vacina, não importa o nome e nem a origem. Está disponível, temos que usar”.

A COVID E AS CRIANÇAS
Armando Salvatierra está aposentado do serviço público há três anos, desde o início da pandemia recolheu-se e mantém completo distanciamento social por conta de comorbidades, mas não para um só minuto de falar sobre o assunto, sendo acionado para teleconferências quase que diariamente.

“Participei de uma conferência com meus colegas médicos da Bolívia, preocupados com a possibilidade de as variantes do vírus, incidentes no Brasil, chegarem lá. E eu deixei claro: podem estar certos que vão chegar. O vírus não conhece fronteira e o mundo hoje é de circulação de pessoas. Por isso que é importante reduzir a circulação das pessoas enquanto tomam-se as medidas preventivas, a principal delas a vacinação em massa”, disse.

Dentro de sua especialização, Armando Salvatierra fala das observações que tem feito em relação à ocorrência da Covid entre crianças: “De fato, em crianças essa doença tem se mostrado mais rara e, principalmente, na maioria delas, podemos dizer que 80% tiram de letra. Mas a nossa preocupação maior é que começaram a aparecer casos de uma doença parecida com a Doença de Kawasaki, que se apresenta em forma de coágulos, principalmente no coração e que você vê com lesões na pele e na boca”.

Essa doença, já presente no mundo inteiro, ganhou o nome de Doença Inflamatória Multissistêmica e é decorrente da Covid. Salvatierra salienta que “estamos aprendendo com o bonde andando” e observa que “muitas crianças estão aparecendo com diarreia, doenças pulmonares, a maioria com quadros leves”, efeito da ação do coronavírus.

Apresentado ao caso do menino Breno Henrique, de 11 meses, que na semana passada morreu em Vargem Alegre com suspeita de Covid, mas que teve dois testes negativos para a doença, o pediatra da UFPR disse que não dá para descartar que tenha sido a Covid que levou ao óbito do bebê. Até pelo histórico da ocorrência da doença na família: os dois bisavós de Breno morreram por conta da doença e um tio também foi infectado.

“Os resultados desses exames não são 100% seguros, principalmente em crianças. Principalmente porque não se consegue fazer, por exemplo, um RT-PCR, que é muito incômodo e impraticável. A criança não deixa fazer a coleta de material para análise e muitas vezes ela é feita de maneira inadequada, na garganta. Há muitos falsos positivos e falsos negativos. Pode dar negativo, dependendo de quem faz o teste”, disse o especialista.

ALERTA
O primeiro alerta sobre a doença assemelhada à Kawasaki foi feito em abril de 2020 por médicos do Reino Unido. Depois, o mesmo se verificou na França. O alerta foi feito a pediatras do mundo todo: algumas crianças infectadas com o novo coronavírus (SARS-CoV-2) desenvolveram o quadro da síndrome de Kawasaki, uma doença inflamatória pouco comum que acomete principalmente crianças entre um e cinco anos de idade.

A doença é conhecida por provocar uma inflamação no corpo que acomete principalmente os vasos coronarianos — um quadro chamado de vasculite. Geralmente, é uma doença “light”, mas, quando evolui de forma grave, ela pode provocar a formação de aneurisma nas artérias, arritmia e infarto agudo do miocárdio.



(*Por José Caldas Costa)

Comente Abaixo
Nacional57 segundos atrás

Lula pede ajuda à Itália para ‘governança global’ contra a Covid-19

Reprodução Lula pede ajuda à Itália para ‘governança global’ contra a Covid-19 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva  fez um...

Mulher57 segundos atrás

Clogs: os sapatos que estão voltando com tudo

Reprodução: Alto Astral Clogs: os sapatos que estão voltando com tudo Já é comum no mundo da moda o retorno...

Mulher58 segundos atrás

Conheça o conceito de fome emocional e veja como combater ela com Mindful Eating

Redação João Bidu Conheça o conceito de fome emocional e veja como combater ela com Mindful Eating A ansiedade pode...

Internacional31 minutos atrás

Com disparos de artilharia e flores, Reino Unido saúda príncipe Philip

Salvas de tiros e de artilharia foram disparadas no Reino Unido neste sábado (10) para marcar a morte do príncipe...

Economia31 minutos atrás

Ilhabela ignora medidas de Doria e permite abertura de bares e restaurantes

Reprodução Toninho Colucci, prefeito de Ilhabela O prefeito de Illabela (SP), Toninho Colucci, passou a permitir o atendimento presencial em...

Entretenimento31 minutos atrás

Marido de Ivete Sangalo se desculpa após acusar empregada de transmitir Covid-19

Reprodução/Instagram Ivete Sangalo e Daniel Cady O marido de Ivete Sangalo, o nutricionista Daniel Cady, publicou um pedido de desculpas...

Entretenimento36 minutos atrás

Youtuber Camila Loures compra Ferrari avaliada em R$ 1,3 milhão

Reprodução/Instagram Camila Loures compre ferrari Influenciadora e cantora com mais de 12 milhões inscritos no Youtube, Camila Loures, de 25...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!