conecte-se conosco



Economia

Economia colaborativa já é uma realidade no Brasil; conheça um pouco o que é

Publicado

em

source

O uso de espaços como coworking ou mesmo o de aplicativos como Airbnb são exemplos dessa nova tendência, uma vez que a escassez de recursos do planeta já se manifesta e a criatividade e a solidariedade se tornam ativos fundamentais. 

Você já teve contato com o termo ” economia colaborativa? Pois saiba que essa tendência é uma realidade no Brasil. Bons exemplos dessa prática estão aí acessíveis a todos, entre eles o aplicativo AirBnB ou mesmo em espaços como coworking.

O consumo sustentável é o ponto de partida desse conceito. Afinal, estamos em 2020, os recursos naturais estão mais escassos e a economia não sustenta a tal “demanda versus oferta” proposta. O desemprego ainda é alto, cada vez mais pessoas estão atingindo a linha da pobreza… Donde vem a pergunta: como lidar com esse cenário?

A economia colaborativa, portanto, parte da premissa parte do fato de não precisarmos adquirir determinados recursos para fazer uso deles. Podemos usar os recursos por um período que nos for útil, sem precisar gerar acúmulos desnecessários, ou então, sem precisar alocar nosso dinheiro em um bem que não precisaremos fazer uso constante. Apesar deste ser um termo ainda muito polêmico em determinados campos intelectuais, onde muitas pessoas sustentam a tese de que, se é consumo, já não é consciente, essa tendência tem se demonstrado eficiente, tanto para quem oferece, quanto para que faz uso.

Trocando em miúdos

Talvez, também, você já tenha se deparado com outro conceito da economia colaborativa ajudando algum amigo em um projeto por meio de crowdfunding. Em suma, alguém tem uma ideia, um projeto, ou uma necessidade específica, e sites e portais abrem a possibilidade das “vaquinhas” digitais. Se eu gosto do projeto ou da proposta, eu faço uma contribuição financeira, e, na maioria dos casos, ganho alguma recompensa por ter apoiado o projeto.

Além desses conceitos já conhecidos e consolidados não só no mercado brasileiro, mas globalmente, uma nova vertente da economia colaborativa vem surgindo como solução para um fomento mais igualitário, inclusivo e socialmente relevante de novos negócios e projetos. Um coletivo de apoio e incentivo a projetos de alto impacto social e ambiental surge com o objetivo de ajudar empreendedores a tornarem seus projetos viáveis, fornecendo consultoria, mentoria e alavancagem financeira, quando necessário.

O conceito pode parecer familiar, algo como investimentos-anjo, mas existem algumas diferenças essenciais: o conceito de investimento-anjo tem uma premissa de negócios de larga escala, com grande possibilidade de alavancagem rápida, para posterior venda da empresa, ou abertura de mercado, os conhecidos IPOs. Normalmente, projetos de tecnologia são muito bem-vindos para investidores-anjo pois cumprem essas premissas. O coletivo de economia colaborativa ruma para o caminho contrário: negócios pequenos, lucrativos, de alto impacto socioambiental e relevância de propósito.

Na economia tradicional, o modelo de investidores de empresas e de mercados torna a pirâmide social cada vez mais verticalizada. Quando partimos para conceitos de menor consumo, maior envolvimento social e menor impacto ambiental, começamos a achatar a pirâmide e diminuir a desigualdade. No conceito de economia colaborativa podemos trocar a especulação financeira, que alimenta grandes investidores e suprime a base da sociedade com altas taxas de cheque especial e empréstimos pessoais, por maior possibilidade de acesso ao que realmente é necessário para uma vida plena das pessoas, independente da classe social.

Não é incomum encontrar pessoas que tenham engavetado algum projeto, ainda que pequeno, por falta de apoio, de recursos financeiros ou de recursos humanos.

No coletivo de economia colaborativa, somam-se idealizadores de projetos, profissionais que tem algo a agregar (por conhecimento em marketing, finanças, vendas ou áreas de conhecimento que apoiem esse desenvolvimento) e pessoas que desejam fazer parte como pequenos apoiadores, fazendo aportes financeiros que viabilizem essas ideias e tenham ganhos com esse apoio, seja fazendo uso daquele produto ou serviço, seja participando dos lucros. Aqui, o conceito-base da economia colaborativa, que é o consumo sustentável, expande para, também, a produção sustentável desses projetos. Dividir recursos, espaços, conhecimento. Menos custo de produção, preços de produtos e serviços mais acessíveis, maior impacto social, menor uso de recursos ambientais. É uma conta simples.

Quando falamos em alto impacto social e baixo impacto ambiental, naturalmente associa-se a projetos artísticos ou ecológicos. Estes costumam ser, mas não apenas eles. Quem se quer impactar com o projeto? Que diferença esse projeto faria na comunidade? Que falta faria se deixasse de existir? É possível executá-lo pensando os recursos necessários de forma mais sustentável? Tem uma lucratividade interessante? Pronto. É possível que tenhamos um projeto social e ambientalmente relevante e alinhado ao conceito de economia colaborativa.

Por fim, a concepção da economia colaborativa é simples, e o primeiro passo a ser dado é entender que nesse conceito o acesso é mais importante que a posse e a experiência mais relevante que o bem adquirido.

Leia também:

Networking: chave estratégica para atrair novos clientes

Comentários do Facebook

Economia

Confiança do comércio sobe 1,7 ponto em fevereiro, mostra FGV

Publicado

em

source
Indicador chegou a 99,8 pontos, o mesmo nível de fevereiro de 2019 arrow-options
Fernando Frazão/Agência Brasil

Indicador chegou a 99,8 pontos, o mesmo nível de fevereiro de 2019

O Índice de Confiança do Comércio, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), teve alta de 1,7 ponto na passagem de janeiro para fevereiro. Com isso, o indicador chegou a 99,8 pontos, o mesmo nível de fevereiro de 2019.

Confiança do empresário sobe pela sexta vez consecutiva, diz pesquisa

A confiança subiu em cinco dos seis segmentos pesquisados pela FGV. A melhora do índice foi influenciada principalmente pelo aumento da confiança no futuro, medida pelo Índice de Expectativas, que avançou 2,6 pontos, ao passar para 107 pontos, maior nível desde fevereiro de 2019 (107,2).

Guedes volta a pedir desculpa para empregadas domésticas e cita avó

A confiança no momento presente, medida pelo Índice de Situação Atual, também cresceu mas de forma mais moderada (0,7 ponto) e chegou a 92,6 pontos.

“A confiança do comércio inicia 2020 em alta, sob influência dos indicadores de expectativas, que se consolidaram acima do nível neutro de 100 pontos. Essa melhora das expectativas, no entanto, ocorre em sentido contrário ao dos consumidores, que em fevereiro se tornaram bem mais cautelosos em relação ao futuro próximo, lançando dúvidas sobre a possibilidade de sustentação da atual tendência de alta da confiança do comércio”, diz Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagem do Comércio da FGV, em comentário no relatório.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Carros e Motos3 minutos atrás

Audi Q3 retorna totalmente renovado para enfrentar os rivais

arrow-options Cauê Lira/iG Carros Audi Q3 chega importado em três versões: Prestige (R$ 179.990), Prestige Plus (R$ 189.990) e Black...

Internacional3 minutos atrás

Tribunal barra candidatura de Evo Morales ao Senado da Bolívia

arrow-options Reprodução/Twitter Evo Morales Luis Arce (esq),ex-ministro da Economia de Evo Morales, é o candidato do MAS à presidência O...

Economia3 minutos atrás

Confiança do comércio sobe 1,7 ponto em fevereiro, mostra FGV

arrow-options Fernando Frazão/Agência Brasil Indicador chegou a 99,8 pontos, o mesmo nível de fevereiro de 2019 O Índice de Confiança...

Tecnologia16 minutos atrás

Com coronavírus, MIUI 11 atrasa em alguns smartphones da Xiaomi; veja quais

arrow-options Reprodução Xiaomi atrasa chegada do MIUI 11 O coronavírus tem causado enorme prejuízo para as empresas com sede na...

Entretenimento37 minutos atrás

Luísa Sonza com bumbum à mostra: “Já tenho respeito por direito”

Nesta quinta-feira (20), Luísa Sonza relembrou em seu Instagram um momento muito especial: quando esteve em cima de um trio...

Nacional37 minutos atrás

Ceará tem recorde de 29 assassinatos em 24 horas, por conta do motim

arrow-options Twitter/Reprodução Ceará tem 29 assassinatos em 24h Em 24 horas, o estado do Ceará registrou 29 assassinatos . Foi...

Mulher37 minutos atrás

Mãe grava filho dizendo que quer se matar após sofrer bullying e comove internet

Um vídeo de um menino chorando após ter sofrido bullying na escola está comovendo as redes. Ele se chama Quaden Bayles, tem nove...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana