conecte-se conosco



Política

Doação de órgãos enfrenta recusa familiar

Publicado

em


.

A negativa familiar ainda é um dos principais entraves para que um órgão não seja doado. No Estado, enquanto 1.339 pessoas aguardam para serem transplantadas, mais da metade das famílias não autorizaram a doação de órgãos de seus parentes após morte encefálica comprovada. De acordo com a coordenadora da Central Estadual de Transplantes do Espírito Santo (CET-ES), Maria Machado, para diminuir o alto índice de recusa é preciso desmistificar e conscientizar a população sobre o assunto. 

No Brasil, conforme a Lei 9.434/1997, que regulamenta as doações e os transplantes, a doação de órgãos pós-morte só pode ser realizada depois da constatação da morte encefálica (lesão irrecuperável do encéfalo que causa suspensão definitiva de todas as atividades cerebrais e do tronco cerebral). 

Até 1997 a legislação presumia que todos os brasileiros eram doadores. Após a reformulação em 2001, a responsabilidade sobre os órgãos do paciente com morte encefálica foi transferida para os familiares. Sendo assim, os órgãos só poderão ser doados caso haja autorização de um parente, mesmo que o doador deixe registrado o seu desejo em documento.

“A doação de órgãos é um ato nobre que pode salvar vidas. Como nossa legislação reforça a autonomia da família, é importante que elas conheçam o desejo do potencial doador. Precisamos conversar um pouco melhor sobre a importância da doação de órgãos e a quão ética e segura ela acontece em nível nacional e estadual”, destaca a coordenadora.

Motivações

Segundo dados divulgados pela CET-ES, de 2019 a 2020 o índice de recusa é, em média, de 55,88%. De janeiro até 23 de setembro deste ano, 68 famílias foram entrevistadas, sendo que 38 negaram a doação dos órgãos. Em 2019, no mesmo período, foram entrevistadas 85 famílias e 48 não consentiram a doação. A taxa nacional gira em torno de 30%, enquanto a media mundial é de 25% de recusa familiar. 

De acordo com Maria Machado, as motivações para a recusa são muitas e vão desde desconhecimento familiar da vontade prévia do potencial doador, negação do luto, entrevista inadequada, motivação religiosa e mitos, desejo de sepultar o corpo íntegro e até dúvidas em relação ao diagnóstico de morte encefálica. 

“Durante o luto muitas famílias sentem dificuldades para assimilar a notícia. Naquele momento, a dor é grande e por isso elas não se sentem preparadas para decidir nada. Preferem dizer não e acabar logo com o sofrimento enterrando o parente. É importante ressaltar que a morte encefálica é morte, não é coma. Embora o corpo continue aquecido, o paciente só continua respirando por meio artificial. É um quadro irreversível, quando isso acontece não tem mais atividade cerebral, restando apenas duas alternativas, ou doa ou sepulta”, afirma a coordenadora da CET.   

O deputado Doutor Hércules, médico e presidente da Comissão de Meio Ambiente, destaca a importância de conversar sobre doação na família. Para ele, a morte não deveria ser tratada como um tabu.

“A família precisa conversar sobre o assunto, não tem nada mais certo na vida do que a morte. A população precisa compreender que ninguém vai retirar um órgão de uma pessoa que poderá sobreviver. É importante que as pessoas conversem com seus familiares e autorizem a doação. Infelizmente se não houver conversa anterior com a família, nada poderá ser doado, nenhuma vida poderá ser salva”. 

A servidora Cátia Almeida Ferrara perdeu a filha de 22 anos em janeiro, por conta de uma trombose venosa intracraniana, a princípio Cátia não conhecia o desejo da filha em doar os órgãos. Entretanto, Carolina Ferrara Ribeiro havia manifestado para alguns amigos e o namorado a vontade de ajudar outras pessoas. 

A servidora conta que a Carolina sentia fracas dores de cabeça que passavam quando tomava analgésicos. No dia 21 de janeiro ela passou mal no trabalho e desmaiou. Após dois dias sofrendo, conseguiu uma vaga no Hospital São Lucas, em Vitória, e logo foi levada para sala vermelha em que são feitos os exames e constataram que o quadro era irreversível. 

“Os médicos fizeram todos os exames necessários até declararem a morte encefálica no dia 26 de janeiro. Depois do primeiro boletim os médicos foram muito atenciosos durante os procedimentos. Desde o primeiro dia em que ela passou mal, nós já sentíamos que o caso era grave e ela não estava bem, mas mãe nunca perde a esperança”, lembra Cátia.

“Em uma conversa com o namorado, Carolina declarou que, se acontecesse algo, ela queria ser doadora, que pudesse ajudar outras pessoas, pois já que não poderia mais sorrir, gostaria que outras pessoas pudessem sorrir através dela”, revela a mãe. 

Logo que soube, Cátia não hesitou em consentir o desejo da filha. Saber que estava realizando sua última vontade e ainda salvando outras vidas deram forças para enfrentar o momento de luto. Ela diz o quanto gostaria de conhecer as pessoas que receberam os órgãos da filha. “Adoraria ouvir o coraçãozinho de minha filha”. 

De acordo com artigo 25 do Decreto 9.175/2017, no Brasil é proibido revelar a identidade dos doadores e dos transplantados. De acordo com a coordenadora do Centro de Transplantes, o objetivo é proteger as famílias dos doadores em relação  possíveis inconvenientes, como chantagens de ordem financeira, e até prevenir sentimentos de culpa por parte de quem recebe a doação.  

Protocolo

O protocolo para declarar a morte encefálica é realizado no hospital em pacientes que tiveram alguma alteração neurológica que levou à falha ou ao comprometimento do sistema nervoso central. O diagnostico é realizado por dois médicos capacitados, que seguem as diretrizes do Conselho Federal de Medicina (CFM) definidas na Resolução 2.173/2017.

Essa resolução estabelece os critérios e possui formulário próprio em que deverão constar os procedimentos realizados no paciente. Ao final, se todos os exames derem positivos para morte encefálica, a família recebe o atestado de óbito. 

A coordenadora destaca a lisura, a segurança e o comprometimento de todo o processo: “São realizados exames clínicos e exames complementares, eles irão avaliar a imagem desse cérebro e a capacidade neurológica do paciente. São vários exames e o protocolo segue todas essas medidas clínicas. Além disso, antes de darmos início aos procedimentos, a família é comunicada e tem o direito de chamar um médico de confiança para acompanhar. Durante todo o processo, ela é notificada sobre o que está acontecendo. A doação só acontece quando o diagnóstico é fechado e é nesse momento que as equipes devem chegar às famílias e darem a elas a oportunidade de fazer a doação”.

Notificação do óbito

Segundo Maria Machado, outro problema que prejudica as doações se refere às notificações de morte encefálica. No Estado, em 2019 foram realizadas 218 notificações, sendo que 166 concluíram o protocolo e 120 famílias chegaram as ser entrevistadas.

No Brasil os hospitais são obrigados a notificar as centrais de captação e distribuição sobre pessoas com quadro de morte encefálica, já que todo paciente nessa condição é considerado um potencial doador. Entretanto, muitas unidades de saúde ainda têm resistência e dificuldade em realizarem o aviso desse tipo de óbito, mesmo sendo obrigatório. 

“Para mudar esse cenário no Estado, desde 2019 a CET-ES investe em cursos de capacitação com as equipes médicas. Muitos médicos ainda não se sentem seguros para realizar o protocolo. Precisamos mesmo incentivar a gestão hospitalar, estimular a busca desse diagnóstico que é um direito do paciente. Para que essa resistência seja vencida é necessário conscientização e capacitação em massa desses profissionais. De maneira em geral está faltando conscientização da equipe médica e da recusa familiar”, aponta Maria Machado.  

Doadores falecidos

Após a morte cerebral do paciente, é possível a doação de coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Nas situações em que é constatada morte por parada cardiorrespiratória, podem ser doados apenas tecidos para transplante, como córnea, válvulas cardíacas e ossos.  

Vale ressaltar que um único doador pode salvar inúmeras vidas. “Uma pessoa pode ajudar no mínimo dez: são dois rins, são duas córneas, fígado, pulmão, coração, ossos, pele. Uma quantidade muito grande de órgãos que podem ser aproveitados”, afirma Doutor Hércules.

Doadores vivos

No país também é permitida a doação em vida. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores, desde que concordem e não prejudiquem sua própria saúde. No caso de não parentes, só com autorização judicial. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. 

O engenheiro ambiental João da Silva Brumana é um exemplo de solidariedade familiar. Aos 23 anos, ele doou um rim ao irmão, o jornalista Luiz Fernando Brumana, após comprovação de 100% de compatibilidade. 

“Há cinco anos, com 27 anos passei mal sem motivo específico. Logo ficou constatado que eu estava com falência dos dois rins, diagnóstico de insuficiência renal crônica. Durante um ano e dois meses fiquei na hemodiálise, desde o início os meus dois irmãos logo se prontificaram em serem doadores, mas o médico optou pelo irmão do meio por conta da idade”. 

Durante o tempo de tratamento até o dia para realizar o transplante, Luiz Fernando destaca o preparo da equipe médica e o cuidado na abordagem para que o doador se sinta realmente confortável diante da decisão, mesmo conhecendo os riscos. 

“Meu irmão nunca teve dúvidas, mesmo assim foi dado um tempo para ele absorver as ideias. O pós-operatório foi tranquilo para nós dois, rapidamente ele voltou a trabalhar e eu um pouco depois. Apesar de todos cuidados exigidos, tudo ocorreu da melhor forma possível, não tive nenhum tipo de rejeição e não precisei mais fazer hemodiálise. Hoje tenho uma vida saudável, pratico atividade física e tenho vida social. Todo esse ato de solidariedade ajudou a unir ainda mais a nossa família”, fala Luiz Fernando.  

Lista de espera

No Estado, até a última quarta-feira (23), 1.357 pessoas aguardavam para receber órgãos. Dessas, 999 esperam por um rim, 327 necessitam de uma córnea, 27 de um fígado e quatro estão na fila por um coração. 

Geralmente o tempo de espera do paciente por um órgão compatível gira em torno de três a seis anos, dependendo da condição clínica de cada um e do órgão a ser transplantado. 

Na prática, não existe uma fila, e sim uma lista de espera única constituída de potenciais receptores, que são inscritos para o recebimento de cada tipo de órgão, tecido, célula ou parte do corpo. 

Com o surgimento de um possível doador, vários critérios como compatibilidade e urgência do procedimento serão analisados para definir quem será o receptor. Por isso, nem sempre o paciente que aguarda há mais tempo, será o primeiro da lista. 

Maria Machado explica que as pessoas que esperam a doação de fígado e coração são pacientes muito graves e, na maioria dos casos, se não forem transplantados em tempo hábil, algo em torno de um ano, a condição clínica se agrava e podem ir a óbito. “No caso do fígado e do coração, a expectativa de vida diminui a cada dia”, afirma.

Pessoas que necessitam da doação de córnea conseguem aguardar durante um tempo médio de quatro anos, apesar da diminuição da qualidade de vida. 

“Atualmente temos um número muito elevado de pacientes aguardando na lista. Com 327 pessoas esperando por um transplante de córnea, a estimativa com a quantidade de doações que estamos recebendo é de quatro até cinco anos de espera. Entretanto, quanto maior a quantidade de órgãos disponíveis, maior será a chance de os pacientes serem transplantados”, ressalta a coordenadora.

Quando a espera é pelo rim, o paciente permanece em hemodiálise conseguindo sobreviver por anos, já que a máquina continua fazendo a filtragem do sangue. 

É o caso da Graciele Holz, que tem 23 anos e há 10 aguarda pelo transplante de rim. Natural de Santa Maria de Jetibá, ela conta que faz hemodiálise desde que tinha 13 anos e que a rotina do tratamento é desgastante, sendo necessário acordar de madrugada três vezes na semana para fazer o acompanhamento em um hospital da Serra. 

“É muito difícil todo esse tempo de espera. Não é fácil ver algumas pessoas saindo [da espera], a gente sente vontade de estar no lugar dela, de também ser transplantado. Toda essa espera só aumenta nossa ansiedade. E o pior é que nem temos previsão de quando conseguiremos a doação, tem muita gente na lista. Temos de esperar para que apareça um órgão compatível do nada”, relata. 

Graciele também se queixa das dificuldades financeiras com os custos de algumas medicações. “O carro que me leva é da prefeitura, mas as despesas com alimentação é por conta da minha família, tem meses que falta dinheiro, até porque nem todos os remédios são fornecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Tem mês que o salário da minha família não é suficiente”, lamenta.

Transplantes no país

Segundo o Ministério da Saúde, o transplante de órgãos é um procedimento cirúrgico que consiste na reposição de um órgão para uma pessoa doente. A retirada dos órgãos do doador também é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia.

O Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público do mundo, sendo o segundo país maior transplantador, atrás apenas dos EUA. Os pacientes recebem assistência integral e gratuita na rede pública de saúde, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante.

“O transplante de órgãos pode ser a única esperança de vida ou a oportunidade de reabilitação física e social dos pacientes, reintegrando-os à família e ao trabalho, com uma melhor qualidade de vida. Nos casos de transplante de rim, promove-se também economia de recursos, pois o tratamento alternativo para manutenção da vida, a diálise, é de custo mais elevado, em longo prazo”, esclarece Maria Machado.

Transplantes no ES

Atualmente, são realizados no Espírito Santo transplantes de coração, fígado, rim, córnea e medula óssea. Noventa e seis por cento dos procedimentos são feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), desde o processo de notificação e captação até a doação de órgãos.

Um total de 445 transplantes foi realizado no Espírito Santo em 2019, sendo 347 de janeiro a setembro. No mesmo período, em 2020, houve uma queda nos números, contabilizando 173 transplantes. 

Um dos fatores que contribuiu para redução de transplantes no Estado foi a pandemia causada pelo novo coronavírus.  De acordo com Maria Machado, os procedimentos realizados nos últimos meses foram impactados principalmente porque os potenciais doadores estavam com diagnóstico de Covid-19, e esses pacientes são contraindicados para doação de órgãos. 

“O paciente contaminado, a família não pode ser entrevistada para a doação de órgãos. Quando a gente avalia a quantidade de protocolos, a negativa familiar e mais o Covid-19, percebemos uma queda expressiva no número de transplantes em nossos hospitais”, aponta a coordenadora.

Durante a pandemia os transplantes intervivos foram suspensos para poder garantir que o receptor e o doador não fossem contaminados nos hospitais. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvia) e o Ministério da Saúde, todas as cirurgias eletivas foram suspensas temporariamente como medida de segurança. O retorno ocorreu no mês de setembro. Os pacientes que poderiam aguardar o transplante tiveram as cirurgias suspensas temporariamente. 

“Os transplantes que mais tiveram impacto com a Covid-19 foram córnea, rim vivo e de medula óssea, que se tratam de cirurgias eletivas”, informa.

“No Espírito Santo todos os transplantes são realizados pelo SUS. O órgão que chega até o paciente é um órgão do SUS. O paciente pode até optar a fazer o procedimento pela rede privada, mas o órgão será encaminhado para a clínica sem nenhum tipo de custo”, esclarece a coordenadora.

Prevenção 

Para o deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB), muitos transplantes poderiam ser evitados se o sistema de saúde agisse de forma preventiva e tratasse corretamente algumas doenças:

“Infelizmente nós temos um sistema de saúde que não cumpriu corretamente suas funções, e muitos pacientes se encaminham para uma situação em que a única solução é o transplante de órgãos. E isso não é uma realidade só do Brasil, é uma realidade do mundo inteiro. Mas teríamos muitas situações que poderíamos diminuir o número de casos necessários se nós tratássemos corretamente a hipertensão arterial, diabetes, doença cardiovascular, doenças renais e uma série de situações em que nós poderíamos atuar preventivamente”, apohta Mameri, que é vice-presidente da Comissão de Saúde. 

Hospitais habilitados no ES

Existem no Estado sete serviços habilitados para a realização de transplante, sendo cinco deles conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e quatro particulares. 

  • Hospital Meridional: coração, fígado e rins;
  • Hospital Evangélico de Vila Velha: coração, rim e córnea;
  • Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam): córnea;
  • Centro de Cirurgia Ocular do Espírito Santo (Cecoes): córnea (procedimento por convênio particular);
  • Instituto de Olhos do Espírito Santo (IOES): córnea (procedimento por convênio particular);
  • Instituto Oftalmológico Santa Luzia: córnea (procedimento por convênio particular);
  • Hospital Mata da Praia: córnea (procedimento por convênio particular).

Já os bancos de olhos que realizam a captação de córneas estão localizados no Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam), que realiza a captação de córneas em Vitória e no Hospital Evangélico de Vila Velha, que faz a captação de córneas nos demais municípios do Espírito Santo.

Central de Transplantes

Segundo Maria Machado, a CET-ES funciona em regime de plantão 24 horas, no Hospital da Polícia Militar (HPM), e é composta por uma equipe integrada por médicos intensivistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, além de motoristas e servidores de higienização hospitalar, que auxiliam nas atividades. 

A missão do grupo é organizar, coordenar e regular as atividades de doação e transplante, além de atuar na alocação, logística e distribuição de órgãos e tecidos.

A CET-ES é diretamente ligada ao Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Todos os órgãos que não são utilizados para transplante no Espírito Santo são ofertados para a central nacional, que vai buscar o receptor em outros estados.

A logística para transportar um órgão para outro estado é definida de acordo com a isquemia do órgão, período de tempo possível entre a retirada de sua retirada e a implantação dele em outra pessoa. Quando o órgão doado possui um tempo de isquemia maior, como são os casos de rim e córnea, ele é encaminhado por meio da malha aérea, conforme termo de parceria firmado com as empresas. Quando o órgão possui tempo de isquemia muito curto, como o coração e o pulmão, a Força Aérea Brasileira (FAB) é quem realiza o transporte. 

A coordenadora destaca a importância desse trabalho em conjunto com a Infraero, a Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Federal, para possibilitar que a entrega dos órgãos seja feita em tempo hábil para os receptores. 

Aspectos legais 

A Política Nacional de Transplantes de órgãos e tecidos está fundamentada na Lei 9.434/1997, tendo como diretrizes a gratuidade da doação, a caridade em relação aos receptores e a solidariedade dos doadores vivos.

Conforme a coordenadora da CET-ES, o sistema normativo brasileiro garante “justiça, transparência e equidade no acesso ao transplante e inibe práticas ilícitas no processo de doação e transplante”. O Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes está definido pela Portaria 4/2017, do Ministério da Saúde. 

Em outubro de 2017, o Decreto Federal 9.175 regulamentou a Lei 9.434/2017. Foram definidos os critérios, segundo o Conselho Federal de Medicina, para o diagnóstico de morte encefálica. Os hospitais passaram a ser obrigados a notificar as centrais estaduais de transplantes no caso de suspeita de morte encefálica e da confirmação em caráter de urgência. 

A Resolução do Conselho Federal de Medicina 2.173/2017 estabelece os critérios para diagnosticar a morte encefálica.

Setembro Verde

No Estado a Lei 10.374/2015, de autoria do deputado Doutor Hércules, institui o “Setembro Verde” como mês de conscientização sobre a doação de órgãos. A escolha do mês levou em conta o Dia Nacional da Doação de Órgãos e Tecidos, celebrado em 27 de setembro. 
De acordo com o parlamentar, o objetivo é conscientizar sobre a importância da doação, derrubar preconceitos estabelecidos na população e ainda estimular políticas públicas. 

“Atualmente falta conscientização e políticas públicas incentivando as pessoas a conversar sobre o tema e discutir o que é doação de órgãos. Temos um índice de recusa muito alto nas famílias e as pessoas não consentem a doação porque não conhecem a realidade. Precisamos conversar sobre o assunto desde a pré-escola até o ensino superior”, defende Doutor Hércules.

O presidente da Comissão de Saúde também aponta o receio de muitas pessoas em enterrar o parente faltando alguns órgãos. “Alguns se prendem ao estigma de que vai enterrar o parente só em pedaços. Mas a retirada dos órgãos é uma cirurgia como qualquer outra e o doador poderá ser velado normalmente”, esclarece. 

Vale lembrar que, após a retirada dos órgãos e tecidos, a equipe médica recompõe o corpo do doador, ficando visíveis apenas os pontos do local operado. 
 

 

Comentários do Facebook

Política

Horário eleitoral: Russomano relembra derrotas e Covas cita câncer

Publicado

em


source
candidatos
Reprodução/TV Bandeirantes

Candidatos à Prefeitura de São Paulo participaram de debate da TV Bandeirantes na quinta-feira (1º)


Na manhã desta sexta-feira (9) começou a ser veículado no rádio o  horário eleitoral gratuito com os candidatos à prefeitura de São Paulo. As estratégias variam, desde buscar apoio em Bolsonaro à citar derrotas na política e vitórias na vida pessoal.

Celso Russomano é líder nas pesquisas, embora apareça com altos indíces de rejeição, buscou enfatizar a sua ligação com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o fato de ter sido derrotado nas últimas duas disputas à prefeitura, mesmo despontando como favorito no início do pleito.

O vice-prefeito na gestão João Doria (PSDB) que acabou assumindo o cargo e hoje disputa a reeleição, Bruno Covas (PSDB) preferiu destacar o fato de ter enfrentado um tratamento de câncer durante o seu governo, além de crise como a do novo coronavírus (Sars-cov-2).

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, que aparece em ascensão nas pesquisas eleitorais, não foi ao ar no primeiro dia de horário eleitora. A campanha não comentou o que pode ter acontecido. Já o ex-governador de São Paulo, Márcio França (PSB), usou o tempo no rádio para comentar a sua proposta de criar um programa que pague R$ 600 aos munícipes que dependem do auxilio emergencial.

Jilmar Tatto (PT) fez brincadeiras com o fato de ser desconhecido entre a maioria dos paulistanos. O candidato do PT relembrou os feitos das gestões petistas das quais participou como secretário. A campanha de Arthur do Val (Patriota) também não foi veículada.

Orlando Silva (PCdoB) usou a sambista Leci Brandão, deputada estadual do seu partido, para ler um texto que enfatiza a desigualdade racial na sociedade. Joice Hasselman (PSL) e Andrea Matarazzo (PSD) foram mais conservadores e decidiram só se apresentar ao eleitorado.Marina Helou (Rede), Vera Lúcia (PSTU), Levy Fidelix (PRTB) e Antonio Carlos (PCO) não têm direito a espaço no horário eleitoral.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Tecnologia2 minutos atrás

Hackers ganham R$1,5 milhão depois de encontrar mais de 50 falhas da Apple

Unsplash Hackers descobrem falhas da Apple Um grupo de hackers passou três meses hackeando a Apple , descobrindo vulnerabilidades em...

Carros e Motos16 minutos atrás

Dafra NH 190 causa interesse nas ruas

Guilherme Marazzi Dafra NH 190, uma alternative a se pensar na hora de trocar sua motocicleta Com tantos modelos de...

Carros e Motos16 minutos atrás

Chery Tiggo 2 ganha versão PCD na linha 2021; veja os detalhes

Divulgação Caoa Chery Tiggo 2 2021 A nova versão EX automático é a principal novidade da linha 2021 do Caoa...

Polícia Federal17 minutos atrás

PF apreende produtos eletrônicos e cosméticos contrabandeados no Paraná

  Foz do Iguaçu/PR – Por volta das 2h do dia 09/10/2020, equipe de policiais federais e do BPFRON, em...

Polícia Federal17 minutos atrás

Operação Improbitis investiga fraudes em concessões de benefícios previdenciários no Pará

Marabá/PA – A Polícia Federal deflagrou hoje (9/10) a operação “Improbitis”, com o objetivo de desarticular associação criminosa responsável pelo...

Agricultura46 minutos atrás

PIB-Agro/CEPEA: PIB sobe 1,26% em julho e amplia crescimento no ano para 6,75%

Clique aqui e baixe release completo em word. Clique aqui e confira o relatório completo.   Cepea, 9/10/2020 – O...

Tecnologia46 minutos atrás

Instagram Reels adiciona recursos de áudio para imitar TikTok

Foto: Oleg Magni/ Pexels Instagram Reels ganha novos recursos O Instagram está em uma batalha de longo prazo para roubar...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!