conecte-se conosco


Educação

Desfile Cívico em São Mateus marca comemoração do Dia da Independência

Publicado

em

Fotos: Hilmar de Jesus/ Jornal A Ilha

SÃO MATEUS (ES) – Com uma novidade este ano, a participação de representação do Corpo de Bombeiros e Polícia Civil, e com uma brilhante atuação da banda da Escola Ayrton Sena, desbravadores e da APAE, São Mateus marcou nesta manhã de sexta-feira (07), a comemoração do Dia da Independência.

O desfile cívico que reuniu estudantes da maioria das escolas do município, contou também com a participação de Desbravadores. Em determinados momentos houve semblantes emocionantes de familiares das crianças.

Um grande público prestigiou o desfile, realizado ao longo da Avenida entre o prédio da Prefeitura e o entrocamento frontal ao Banco do Brasil. Uma apresentação de educadores músicos da Secretaria Municipal de Educação também foi a novidade deste ano.

E para não fugir à regra candidatos às próximas eleições e cabos eleitorais não perderam a oportunidade para distribuir santinhos e pedir votos ostensivamente.

Comentários do Facebook
Leia mais:  Perseguição acaba em prisão de traficante no balneário de Guriri
publicidade

Educação

Com salário baixo, professora concursada vira prostituta para pagar as contas

Publicado

em

Rua Augusta, Centro de São Paulo. O relógio marca 22 horas. Na calçada, em frente a uma casa noturna, uma mulher arruma, ligeiramente, os cabelos. Olha-se no espelho, confere a maquiagem que lhe garante uma beleza – quase que natural – e segue para uma esquina de uma das regiões mais badaladas da capital paulista. Celine é o nome dela. Fictício, claro. Veste uma calça jeans, camisa preta decotada e um salto de dez centímetros, que deixa a garota, de 35 anos, ainda mais alta – um chamariz para atrair os olhares de quem passa. Em pouco tempo, o celular toca. Um carro preto se aproxima e Celine segue para uma rápida conversa. “Ele é um cliente antigo. Vai beber com os amigos e depois vem me buscar. Ligou só para confirmar nosso encontro. Ainda tenho tempo para outros programas. Minha noite está garantida”, comemora.

A comemoração tem um motivo. Com a crise econômica, as prostitutas tiveram que rever o preço dos programas. “Muitos homens falam que estão sem dinheiro, que perderam o emprego ou tiveram o salário reduzido. E a gente é quem sofre as consequências”, critica a jovem, que cobra R$ 150 por uma hora de encontro. A clientela diminuiu nos últimos anos e a região ficou decadente. As mulheres, que insistem em permanecer na área, dizem que foi-se o tempo em que uma prostituta costumava juntar R$ 20 mil por mês, em programas. “A noite é ilusória. Hoje, você ganha R$ 1 mil. Amanhã, não tem dinheiro para pegar o ônibus”, comenta.

Há menos de um ano na prostituição, Celine tem muitas histórias para contar. Já frequentou mansões em bairros nobres da capital, com direito a festas regadas a drogas, trabalhou em casas luxuosas de prostituição e colecionou clientes exclusivos. Guarda, até hoje, os contatos com sigilo. É discreta e confiável. “A prostituta não é só um objeto sexual. Muitas vezes, é uma psicóloga na cama. Tem homem que me procura apenas para conversar ou realizar um fetiche, que a esposa não tem coragem de fazer”, conta. Segundo ela, toda profissional do sexo tem que se cuidar. Uma boa roupa e ter um cheiro próprio (uma espécie de identidade) são essenciais. Quanto mais vaidosa mais dinheiro ganha. E a concorrência é grande.

Celine vive uma dupla jornada. À noite, é garota de programa. De dia, professora concursada de uma escola da rede estadual de ensino de São Paulo.

“Ganho aproximadamente R$ 2 mil por mês. Não consigo manter a minha família. Sou mãe solteira com um filho autista, de seis anos. Tenho que pagar escola, plano de saúde e as contas da casa. O salário de professor é uma miséria”, explica Celine.

As duas realidades não se misturam. Na sala de aula, a professora é linha dura com os alunos, de 15 a 18 anos. Não permite baderna e exige respeito no ambiente escolar. “Às vezes, fico muito cansada. Mesmo assim, nunca faltei ao trabalho. Sou uma mulher responsável”, diz. A professora, que é apaixonada pelo ofício, sabe que ensinar, no Brasil, é uma tarefa difícil. Para ela, além do baixo salário, o docente tem de enfrentar a falta de infraestrutura nas unidades de ensino e a violência, tão frequente na sala de aula.

Celine jamais vai esquecer a primeira vez que se prostituiu. Era uma quinta-feira de 2018. Ao receber o salário de professora, viu que o dinheiro não daria para cobrir as contas. Pensou uma, duas, três vezes. Até, finalmente, tomar a decisão. “Não tive medo nem pudor de ser prostituta. Se professor é profissão, por que puta não pode ser?”, questionou. Não foi uma tarefa fácil. Depois da escola, a professora foi para casa. Tomou banho, vestiu a melhor roupa, usou um bom perfume e seguiu para um novo expediente.

Numa casa noturna, na Rua Augusta, ela pediu um drink, puxou conversa com o gerente e, logo, conseguiu os primeiros programas, que lhe renderam cerca de R$ 600. Celine prefere não dar detalhes de como foi a experiência nos quartos de um motel da região. Mas disse que, ao final daquela noite, entrou em um táxi e pediu um único destino: o seu lar. “Eu não estava arrependida. Tinha certeza do que faria a partir daquele instante. O único problema é que eu me sentia suja. Muito suja”, lembra.

Ao voltar para casa, correu para o banheiro e tomou um dos banhos mais longos da vida. Usou shampoo, sabonete – e até detergente. Pegou uma esponja para limpar o corpo. Esfregou a pele até sair sangue. Chorou em silêncio para não acordar os pais e o filho. Caminhou em direção ao quarto do menino, chegou pertinho e deu-lhe um beijo. Ali, a prostituta dava lugar à carinhosa mãe e professora. Agora, com identidade própria – sendo ela mesma.


(*Yahoo)

Comentários do Facebook
Leia mais:  Taxa de inscrição do Enem sobe para R$ 85; veja cronograma completo
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Estadual39 minutos atrás

Redistribuição de royalties é tema de audiência

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca da redistribuição dos royalties de petróleo entre todos os municípios do Estado...

Estadual39 minutos atrás

Adaptações em salas de aula em urgência

Os deputados estaduais aprovaram durante a sessão ordinária desta terça-feira (22) na Assembleia Legislativa (Ales) o requerimento de urgência para...

Estadual39 minutos atrás

CPI resgata 19 gatos em casa de Vila Velha

Uma ação da CPI dos Maus-Tratos Contra os Animais, presidida pela deputada Janete de Sá (PMN), em parceria com o...

Estadual39 minutos atrás

Justiça mantém seis despachos denegatórios

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa (Ales) deliberou sobre 13 proposições, em reunião nesta terça-feira (22), no...

Agricultura2 horas atrás

Pavilhão Brasil é inaugurado na Fruit Attraction 2019 na Espanha

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE), em parceria com Associação Brasileira...

Agricultura2 horas atrás

Sessenta mil pescadores artesanais do Nordeste vão receber seguro defeso em novembro

No próximo mês, 60 mil pescadores artesanais afetados pelo vazamento de óleo no litoral do Nordeste receberão uma parcela do...

Agricultura2 horas atrás

Câmara do Agro 4.0 apresenta as principais demandas para ampliar o uso de novas tecnologias no campo

A Câmara do Agro 4.0 iniciou os trabalhos nesta terça-feira (22), durante a programação da 16ª Semana Nacional de Ciência...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana