conecte-se conosco


Direto de Brasília

Deputada Paulinha entrará na Justiça contra comentários violentos sobre decote

Publicado

em


Deputada Paulinha afirmou que vai aproveitar momento para discutir violência contra a mulher
Reprodução/Facebook Deputada Paulinha
Deputada Paulinha afirmou que vai aproveitar momento para discutir violência contra a mulher

A deputada estadual de Santa Catarina Ana Paula da Silva (PDT), conhecida como deputada Paulinha
, afirmou que irá entrar com representação judicial contra todas as pessoas que fizeram comentários violentos nas redes sociais da parlamentar por ela ter utilizado uma roupa decotada durante a cerimônia de posse da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc).

Em seu primeiro discurso no plenário da Alesc, nesta sexta-feira (8), a parlamentar destacou o episódio e afirmou que era preciso falar sobre violência. “Eu recebi muitos elogios e muito apoio, e também muitas críticas ao meu decote aos quais eu aceito humildemente, especialmente de quem não me conhece”, disse a deputada Paulinha
.

Na sessão do dia 1º de fevereiro, Paulinha vestiu um macacão vermelho decotado que foi alvo de comentários ofensivos.  “O problema é que boa parte dessas criticas extrapolou completamente o conceito de opinião. Fui atacada de diversas formas, incluindo até menções a violência sexual. Descordar da forma com eu me visto é opinião e direito de cada um, mas transformar isso em ofensas e agressão é crime”, afirmou.

Leia também: Deputada encontra apartamento funcional ocupado por filho de outro parlamentar

Em seu discurso, Paulinha ressaltou que Santa Catarina
é o quarto estado do Brasil que “mais violenta, maltrata e subjuga suas mulheres”. “Temos que romper com esse ciclo terrível de violência que estamos submetidas. Mas essa, colegas, não é uma pauta só das deputadas, é de todos e todas nós”, disse.

No último dia 5, a deputada informou que sua equipe precisou mediar as mensagens, que chegaram a fazer menção a estupro. Paulinha fez cópia dos comentários e apagou os mais maliciosos.

Leia mais:  Uruguai se posiciona favorável ao Brasil ser um membro não permanente da ONU

De acordo com a Assembleia Legislativa, o traje da deputada
estava de acordo com o regimento interno, que exige passeio completo, e portanto não houve quebra de decoro. A Alesc também repudiou os comentários misóginos contra a deputada.

Leia também: “Eu estou solto e Lula está preso, babaca”, diz Ciro em ato da UNE em Salvador

deputada Paulinha
 já foi prefeita de Bombinhas, no Litoral Norte de Santa Catarina, duas vezes. Em 2018, elegeu-se como a quinta parlamentar mais votada do estado. Essa foi a eleição com o maior número de mulheres eleitas para a Alesc: cinco entre os quarenta parlamentares.

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
publicidade

Direto de Brasília

Polícia encontra míssil em arsenal de guerra de grupos neonazistas na Itália

Publicado

em

Míssil ar-ar de 800 kg estava junto a fuzis arrow-options
Polizia di Stato/Divulgação
Míssil estava entre os armamentos encontrados pela polícia

A polícia da Itália encontrou nesta segunda-feira (15) um arsenal com armas de guerra, um míssil e fuzis automáticos de última geração pertencentes a movimentos de extrema-direita e neonazistas . Os artefatos foram encontrados em uma operação realizada no norte do país. Três pessoas foram presas.

Um dos detidos é o italiano Fabio Del Bergiolo, de 50 anos, ex-inspetor antifraude e ex-candidato ao Senado, em 2001, pelo partido nacionalista Força Nova. Na casa de Bergiolo, em Varese, na Lombardia, as autoridades encontraram um verdadeiro arsenal de guerra, com armas de proveniência austríaca, alemã e norte-americana.

Os outros dois detidos são Michele Monti e Fabio Amalio Bernardi, proprietários de um hangar em Rivanazzano Terme, onde foi encontrado um míssil ar-ar de 800 kg usado pelas Forças Armadas do Qatar e avaliado em meio milhão de euros.

Leia também: Neonazista que atropelou manifestantes nos EUA recebe nova condenação

A operação, conduzida pelo Serviço Antiterrorismo da Itália e pela Divisão de Investigações Gerais e Operações Especiais (Digos) de Turim, teve como alvo membros de organizações de extrema-direita e começou a partir de uma investigação sobre combatentes italianos na guerra da Ucrânia.

A polícia vinha investigando dois jovens ligados às legendas Força Nova e Casa Pound, além e grupos de skinheads que promovem o nazismo. Através de seus contatos e ramificações, as autoridades italianas encontraram uma série de movimentos neofascistas e o arsenal de guerra. Eles atuam em várias cidades do norte da Itália, como Turim. 

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
Leia mais:  Uruguai se posiciona favorável ao Brasil ser um membro não permanente da ONU
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana