conecte-se conosco


Carros e Motos

Comparamos o custo de se manter um carro no Brasil, nos EUA e na Argentina

Publicado

em

Comparar o poder de compra entre brasileiros, americanos e argentinos vai além de uma simples conversão de valores quando falamos de automóveis. Precisamos entender sobre preços, custos, tributação, diferenças na composição da gasolina e até mesmo as estatísticas de retorno de imposto. Afinal, se você furou o pneu do seu carro em uma rua precária, este gasto acabará tendo grande impacto no seu bolso.

LEIA MAIS: Veja 5 carrões de youtubers brasileiros

Partindo disso, a reportagem do iG Carros compara o custo de se manter um veículo no Brasil e nos Estados Unidos, além de incluir tópicos numa comparação com a Argentina.  Talvez isso sirva de alerta, para cobrarmos melhores condições de vida de nossas autoridades.

1 – Carros são mais em conta

jetta
Divulgação
Pelo custo e financiamento, o VW Jetta básico dos EUA se torna carro de luxo no mercado brasileiro

Sempre que vamos comparar coisas iguais de países diferentes, consideramos o salário mínimo. O primeiro decreto de Jair Bolsonaro na presidência do Brasil estipulou que o salário mínimo brasileiro para 2019 será de R$ 998. Nos EUA, o mínimo autorizado pelo governo é US$ 1.256 (R$ 4.846). Tenha isso em mente, pois será necessário para acompanhar outros tópicos.

Para uma comparação ainda mais pontual, escolhemos o Volkswagen Jetta Comfortline como exemplo. Fabricado no México, exatamente o mesmo modelo é importado tanto para o Brasil quanto Estados Unidos e Argentina. O preço do sedã de entrada na América do Norte é US$ 18.745 (R$ 72.300), enquanto no Brasil o valor sobe para R$ 99.990.

Ainda que o valor já mostre uma disparidade na conversão direta, a conta fica ainda mais absurda na comparação dos salários mínimos. Um americano que ganha o piso teria que desembolsar 15 salários mínimos para comprar um Volkswagen Jetta em seu país. No caso do brasileiro, a conta vai para 100 salários mínimos. Para chegar nesta conta, basta dividir o valor do carro pelo salário do país.

Leia mais:  Três carros que perderam relevância no mercado

A situação da Argentina é semelhante à nossa. Por lá, o Jetta Comfortline custa 1.210.750 pesos (R$ 105.754), mas apesar de ser mais caro que o nosso na conversão direta, os argentinos gastariam 96 salários mínimos para adquirí-lo. O último reajuste de Mauricio Macri subiu o salário mínimo do país para 12.500 pesos em junho (R$ 1.702).

2 – Financiar um carro é fácil

EUA
Divulgação
Financiamentos acontecem sem a intermediação de bancos dos Estados Unidos. No Brasil, isso pesa no bolso

A lei americana permite oferecer uma entrada mínima e financiar o resto diretamente com o vendedor. Ao fim do financiamento, um cliente não terá pago nem 10% de juros pela aquisição de um carro novo. Vamos tomar um Honda Fit EXL (US$ 21.410) como exemplo. O site da Honda nos EUA permite simulações de financiamento, que são feitas diretamente com a marca, sem intermédio de bancos como acontece no Brasil.

Escolhemos o financiamento em 60 meses, oferecendo 10% de entrada (US$ 2.100), que é um dos tipos mais comuns de compra de carro por lá. O valor a ser pago ficaria na casa dos US$ 351 mensais, que multiplicado pelo número de meses resultaria em US$ 21.060. Somando os US$ 2.100 que foram oferecidos na entrada, chegamos ao valor real de um Honda Fit EXL financiado com 10% de entrada nos Estados Unidos: US$ 23.160 (cerca de R$ 75.243 numa conversão simples).

LEIA MAIS: Conheça 5 modelos seminovos que não compraríamos

Reproduzir o mesmo arranjo de financiamento no Brasil é impossível. Além dos bancos exigirem no mínimo 20% de entrada na aquisição de qualquer carro, as taxas são bem altas. Por vezes, passam de 1,20% ao mês. Com pagamento em 48 vezes e 20% de entrada, um Fit EXL de R$ 80.900 passaria dos R$ 100 mil em terras brasileiras.

Leia mais:  Ford Ranger 2020 chega ao mercado com mais tecnologia e conteúdo

3 – Os pedágios dos EUA são mais baratos (ou inexistentes)

SunPass
Divulgação
Além dos valores que não ultrapassam os US$ 1,05, o SunPass ainda oferece desconto de 20% no pedágio

Você sabia que é possível trafegar por metade dos estados americanos sem encontrar qualquer pedágio para interromper sua viagem? Além disso, o valor mais alto cobrado em uma cabine é na Virgínia, onde o motorista terá que deixar US$ 1,05 (ou R$ 4,50, em conversão simples) para seguir seu trajeto.

De acordo com um estudo publicado pela The Global Economy em 2015, os Estados Unidos ocupam a décima quarta posição no ranking global de satisfação com as rodovias nacionais. Ainda que o país esteja abaixo de Emirados Árabes, Holanda e Singapura, continua sendo um resultado melhor que o Brasil, que ocupa a 120° posição. Nossos hermanos argentinos também estão mais satisfeitos com suas rodovias que os brasileiros, na 108° colocação.

Por outro lado, nossos pedágios são caríssimos. Não é possível descer de São Paulo para Santos sem deixar R$ 25,60 na Rodovia Anchieta, no trecho do Riacho Grande em São Bernardo do Campo, por exemplo. Alguns estados americanos, como a Flórida, ainda disponibilizam o SunPass, que seria equivalente ao nosso Sem Parar. Além de passagem livre nas catracas pelas extremidades, o condutor ainda terá 20% de desconto em qualquer pedágio.

4 – Imposto simplificado

Imposto
Divulgação
De acordo com a Anfavea, a soma de todos os impostos cobrados nos carros vendidos no Brasil pode chegar a 54,8%, a maior carga tributária do mundo.

Cada Estado brasileiro possui uma indexação para os valores do IPVA (Imposto sobre Propriedades de Veículos Automotores). Em São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, a conta chega a 4% do valor do veículo. Dessa forma, o proprietário do mesmo Honda Fit EXL de parágrafos anteriores teria que desembolsar R$ 3.236 anuais para o pagamento deste imposto em um dos três Estados.

Leia mais:  Flagra! Novo Chevrolet Prisma é visto em testes, ainda camuflado

LEIA MAIS: Conheça os veículos com os IPVAs mais caros do Brasil

Nos Estados Unidos, o IPVA se chama MVET (Motor Vehicle Excise Tax). O cálculo é simples: para cada US$ 1 mil do valor venal do veículo, são cobrados apenas US$ 25. Ou seja, o dono do Volkswagen Jetta de entrada (R$ 18.745) teria que desembolsar US$ 467 anuais para pagar o imposto, menos que 4% do valor do sedã.

De acordo com a Adefa (Associação de Fabricantes de Veículos da Argentina), a carga tributária do país vizinho é a maior do mundo, partindo de 54,8%. Dessa forma, o imposto para os proprietários de veículos na Argentina é maior, ainda que os hermanos tenham maior valor aquisitivo que nós.

5 – Combustível mais eficiente

gasolina
Divulgação
Preços instáveis já viraram rotina nos últimos meses. Atualmente, o litro da gasolina no Brasil custa mais de R$ 4, em média

Há um ano, a gasolina teve um acréscimo de US$ 0,19 nos Estados Unidos, totalizando US$ 2,57 por galão, ou R$ 8,35 por 3,78 litros de combustível. É como se os americanos estivessem pagando R$ 2,20 pelo litro da gasolina, valor muito mais baixo que o preço praticado nas grandes cidades brasileiras, na casa dos R$ 4.

A conta do custo pode ficar ainda pior se considerarmos a quantidade de etanol presente na gasolina brasileira, de 27% para o combustível comum e aditivado e 25% para o premium. Isso não é segredo, e os números podem ser encontrados no site oficial da Petrobras. Ou seja, além de mais caro, o nosso combustível rende bem menos que o americano, com apenas 10 % de etanol de milho na mistura. Na Argentina, a gasolina tem preço médio de R$ 3,64 e também é abastecida pela Petrobras, mas a taxa de etanol é de apenas 5%. 

Fonte: IG Carros
Comentários do Facebook
publicidade

Carros e Motos

Renault Duster é revelado em versão conceitual com apelo aventureiro

Publicado

em

source
Renault Duster arrow-options
Divulgação
Renault Duster conceitual é uma edição comemorativa mais recheada, pintado em uma cor amarela especial

O Renault Duster acaba de surgir em uma versão conceitual, com o objetivo de explorar a conectividade e ressaltar os ares robustos do SUV. A ação é uma homenagem à inauguração do novo centro de design do grupo Renault em Bucareste (Romênia), local de origem da empresa Dacia, que é a fabricante de baixo custo dos modelos Sandero, Logan e Duster, e fornecedora dos componentes do Captur no Brasil.

LEIA MAIS: Duster ganha novo motor 1.0 turbo, de três cilindros, na Europa

Renault Duster arrow-options
Divulgação
Adesivos que brincam com a ideia do apelo aventureiro simulam lama na lateral e na traseira

Com carroceria pintada em um chamativo tom de amarelo, o protótipo é descrito como “o Renault Duster em sua versão mais agressiva” e foi projetado pela equipe responsável pelo setor de cores e materiais do novo centro. Levou 6 meses para ser concluído, e além da pintura brilhante, recebeu mais acessórios de fábrica. Entre eles, para-choque dianteiro com luzes de LED integradas, arcos plásticos nas caixas-de-roda, pneus de uso off-road, proteções laterais plásticas, rodas amarelas no tom da carroceria e adesivos na traseira para simular manchas de lama.

LEIA MAIS: Novo Renault Duster é flagrado em testes no Brasil

Nova geração

Renault Duster arrow-options
Divulgação
Renault Duster de nova geração terá novo visual e mais equipamentos

Com chegada agendada para o primeiro semestre de 2020, o novo Duster visual atualizado e novos componentes, para agregar mais conectividade e novos ajustes estruturais. Na Europa, a nova geração acaba de ganhar o novo motor TCe 1.0 tricilíndrico. Com isso, o antigo 1.6 SCe, de 118 cv, chega ao fim por lá. Enquanto isso, no Brasil, o componente seguirá a sua vida. De acordo com a marca, o novo motor de três cilindros turbinado é mais eficiente e ecológico, que aliado a um câmbio manual, desenvolve 99 cv e 16 kgfm. Já o consumo, fica nos 18 km/l na estrada.

Leia mais:  Três motocicletas que atraem a atenção de todos

LEIA MAIS: Veja 5 carros que estão para mudar com descontos de até R$ 8 mil

Essa mecânica do Renault Duster , entretanto, deverá ser fabricada no Brasil em um futuro próximo, após a Renault ter anunciado um investimento de R$ 350 milhões para a inauguração de um novo complexo de injeção de alumínio para a produção de bloco e cabeçote (até então, eram importados). Previsões apontam que chegará em 2021, quando a nova geração do Renault Captur chegar.

Fonte: IG Carros
Comentários do Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Carros e Motos24 minutos atrás

Renault Duster é revelado em versão conceitual com apelo aventureiro

arrow-options Divulgação Renault Duster conceitual é uma edição comemorativa mais recheada, pintado em uma cor amarela especial O Renault Duster...

Carros e Motos24 minutos atrás

Novo Hyundai HB20 mostra que evoluiu bastante nas primeiras impressões

arrow-options Caue Lira/iG Nova geração do Hyundai HB20 pode ter visual polêmico, mas seu comportamento dinâmico mostra clara evolução Oito...

Agricultura1 hora atrás

Ministros da Agricultura do Brics se reunirão no final do mês em Bonito (MS)

Os ministros da Agricultura dos países que compõem o Brics se reunirão nos próximos dias 25 e 26 de setembro...

Mulher1 hora atrás

Com dor ao usar salto alto, mulher descobre que cometeu gafe hilária

É verdade que, dependendo do modelo e altura, usar salto alto pode acabar com os pés. No caso de Ayleigh McGhee, de...

Mulher1 hora atrás

Saiba quais os sintomas, tratamentos e impactos da depressão na gravidez

Gerar um filho pode mudar completamente a vida de uma mulher. São inúmeras alterações hormonais, novos sentimentos e situações que...

Mulher1 hora atrás

Chapinha que não sai na água é solução para manter o efeito liso

Um dos maiores problemas para quem depende da chapinha para alisar os cabelos é a questão da água. Além de...

Entretenimento1 hora atrás

Encontro inusitado: Daniela Mercury recebe astros de Hollywood em show nos EUA

Daniela Mercury contou com uma presença VIP no show que fez em Nova York na noite de terça-feira (17). Ela...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana