conecte-se conosco


Mulher

Como lidar com o luto e o medo diante da tragédia de Suzano?

Publicado

em

Na quarta-feira (13), dois homens invadiram a Escola Estadual Professor Raul Brasil , na cidade de Suzano, região metropolitana de São Paulo, e atiraram contra alunos e funcionários. Logo após, se suicidaram. O ataque deixou cinco estudantes e dois colaboradores da escola mortos, além de um comerciante. O fato choca e assusta o país todo. Diante disso, como lidar com o luto e o medo?


Saber como lidar com o luto e o medo das crianças e adolescentes diante da tragédia de Suzano não é fácil
Reprodução

Saber como lidar com o luto e o medo das crianças e adolescentes diante da tragédia de Suzano não é fácil

Não apenas aqueles que estavam na escola onde a tragédia aconteceu são afetados, mas também quem teve contato com as notícias e imagens do crime. Saber como lidar com o luto e o medo diante de uma situação como essa não é fácil, mas o apoio dos familiares é fundamental para que as crianças e adolescentes enfrentem o momento de forma menos traumática e consigam retomar a sua rotina após o luto.

Leia também: Como falar de morte com as crianças

Como lidar com o luto?


Ouvir o que a criança e o adolescente tem a dizer é o primeiro passo para saber como lidar com o luto
shutterstock

Ouvir o que a criança e o adolescente tem a dizer é o primeiro passo para saber como lidar com o luto

De acordo com a psicóloga Adriana Severine, especializada em psicologia positiva, a primeira coisa a se fazer é ouvir o que as crianças e adolescentes tem a dizer. “É preciso dar espaço para que possam conversar e contar o que estão sentido”, fala.

Na tentativa de impedir o sofrimento dos filhos, é comum que os pais procurem sempre fazer coisas positivas, como levar para passear ou até programar uma viagem. No entanto, esse não é o melhor caminho. A psicóloga explica que a dor não pode ser negada e o luto precisa ser vivido.

Para isso, respeite o tempo da criança e a deixe sentir as emoções. Porém, é preciso cuidado para que ela não se isole. Nesse sentido, é papel dos pais provocar a conversa e “puxar” o que ela está sentindo.

Leia mais:  Mulher sem útero passa por transplante raro e consegue engravidar

“Não espere ela te procurar, vá lá e procure ela para conversar, mas sem forçar. Esteja pronto para lidar com esse sentimento de luta e perda”, fala Adriana.

“Fale algo como: eu estou triste, imagino que você que convivia com esse amigo que morreu também está. Conta para mim como você está e como quer que eu te ajude”, sugere a psicóloga.

Adriana também propõe que os pais estejam sempre presente e, se possível, até tirem alguns dias de folga ou férias do trabalho para poderem viver isso ao lado dos filhos.

A psicóloga explica que esse momento de luto costuma durar cerca de um mês, um mês e meio. “Ela vai ficar triste, com medo e assustada. Sentirá uma dor profunda e vai chorar o tempo todo”, comenta sobre os principais sintomas de crianças e adolescentes que estiveram próximos à tragédia de Suzano .  

Após esse período, é natural que o comportamento volte ao normal. Se isso não acontecer, é possível que o jovem esteja enfrentando um quadro de transtorno pós-traumático. Nesses casos, é fundamental que os adultos procurem um psicólogo para fazer uma avaliação e, se precisar, encaminhar para um psiquiatra.

O fato teve repercussão nacional e também é possível que outros jovens sejam afetados pela tragédia e também sintam o luto. Afinal, provavelmente tiveram acesso às notícias e até mesmo imagens e vídeos do que aconteceu dentro da escola.

No caso dessas crianças e adolescentes, a conversa com os adultos também se mostra importante para saber como lidar com o luto. Adriana aconselha que os próprios pais abordem o assunto com eles, sem esperar que os filhos os procurem. Muitas vezes, principalmente os adolescentes, evitam conversar com os pais sobre determinados temas. Mas o medo, as dúvidas e a angústia precisam ser trabalhados.

Leia mais:  Conhece o corpo feminino? 45% não sabem onde fica a vagina

A psicóloga fala que a conversa não precisa ser algo formal e pesado, mas, sim, acontecer com naturalidade. Seja no carro ou durante uma refeição, pergunte se seu filho está sabendo o que aconteceu e como ele se sente diante de tudo isso. “Converse principalmente sobre os sentimentos, não só sobre os fatos”, orienta Adriana.

Ela ainda explica que o transtorno pós-traumático pode acontecer sem mesmo elas terem vivido a situação em questão. “São casos onde a empatia é tão grande que a criança ou o adolescente sente como se tivesse sofrido aquele trauma também”, fala. Da mesma forma, procurar ajuda profissional pode ser interessante.

Leia também: Como lidar com os medos infantis

Medo de ir à escola


A melhor forma de saber como lidar com o luto e o medo de voltar à escola é se mostrar presente para o seu filho
shutterstock

A melhor forma de saber como lidar com o luto e o medo de voltar à escola é se mostrar presente para o seu filho

Na próxima semana, os alunos da Escola Estadual Professor Raul Brasil voltarão às aulas. O momento não será fácil, nem para eles nem para os funcionários. Provavelmente, sentirão medo e até se recusarão voltar para aquele ambiente.

Para que o retorno seja menos traumático, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) vai fazer um plantão de atendimento a partir desta quinta-feira (14) para preparar psicologicamente as crianças e adolescentes para voltar à rotina. O serviço acontece no Parque Suzano.

Além dos serviços oferecidos pela prefeitura e outras instituições, os pais também podem contribuir para que a volta às aulas seja menos impactante. Adriana orienta os adultos mostrem aos jovens que esse foi um caso atípico e reforcem que a escola é um lugar seguro.

E essa ideia vale para estudantes de forma geral, que podem sentir medo de frequentar a escola de seu bairro depois de terem visto todas as notícias da tragédia em Suzano. 

Leia mais:  Gravidez ajuda contra anorexia: “Toda vez que ela chutava era uma motivação”

 A psicóloga sugere que os pais ou qualquer outro responsável acompanhe os filhos até a porta da escola e fiquem ali por algum tempo, mostrando que estão disponíveis para ajudar se for necessário. E para aqueles que têm disponibilidade, estar ali quando os alunos saírem da aula. “Eles precisam dessa presença física dos pais para cuidar deles. São os pais que vão ajudá-los a retomar essa força e coragem de enfrentar o mundo”, fala.

O medo pode persistir por algum tempo e o jovem hesitar em voltar para a escola, chegando até a inventar desculpas para isso. Seja ele de Suzano ou não. Caso isso aconteça, os pais devem acolher esse medo e conversar para encontrar a melhor forma de fazer esse retorno. “Não dê bronca e nem chame de preguiçoso”, diz Adriana.

É fato que saber como lidar com o luto não é simples, mas com calma e acolhimento as famílias conseguirão retomar a sua rotina. E, lembre-se, não hesite em buscar ajuda profissional.

Fonte: IG Delas
Comentários do Facebook
publicidade

Mulher

Pesquisa aponta que pessoas traem mais quando os filhos saem de casa

Publicado

em

É comum os pais passarem pela síndrome do ninho vazio, aquela sensação psicológica de solidão, quando os filhos saem de casa pela primeira vez. Em muitos casos, quando isso acontece, o casamento pode ficar abalado e a saída ser uma traição para uma das partes. 

Mulher usando celular
shutterstock

Quando os filhos saem de casa, o relacionamento dos pais pode ficar abalado e a traição ser uma saída

Quem comprova isso é uma pesquisa feita pelo Ashley Madison, site de encontros extraconjugal em todo o mundo. Os usuários foram questionados se a saída dos filhos de casa impactou na escolha deles pela traição.

Mais de um terço dos entrevistados afirma que sim. Segundo eles, foi apenas após os filhos saírem de casa que eles pensaram em trair o parceiro. Dessa forma, a pesquisa afirma que a síndrome do ninho vazio pode levar à infidelidade.

“Quando analisamos os nossos usuários, notamos alguns períodos diferentes na vida em que as pessoas se tornam mais suscetíveis a trair”, afirma Isabella Mise, diretora de comunicações da Ashley Madison. Segundo ele, esses períodos são: logo após se casar ou dar à luz e anos após o filho sair de casa.

“Essas fases da vida têm um impacto sobre o casamento”, completa. Nesse sentido, buscar um relacionamento extraconjugal seria um sintoma da instabilidade do relacionamento que, para muitos, começa a se tornar aparente quando a saída de casa de um filho ocorre.

Por que a traição só aconteceu quando os filhos saíram de casa?

Os usuários da rede social ainda foram questionados sobre o motivo de esperar os filhos saírem de casa para então trair. A maioria (28%) afirma que só percebeu que não tinha muito em comum com seu cônjuge quando os filhos se foram.

Logo em seguida, 24% disseram que seus filhos os mantinham ocupados o suficiente para não se importarem com o fato de não estarem tendo relações íntimas. Por fim, 10% falaram que não queriam se arriscar para não serem flagrados por seus filhos.

 “Pais mais velhos podem fazer mais escolhas na vida com menos pressão para criar seus filhos e se preocupar com responsabilidades de pais. Nessa idade, muitas pessoas passam pelo que eu chamo de ‘segunda adolescência’”, aponta a terapeuta Tammy Nelson.

A profissional completa dizendo que os pais podem sentir mais energia e, nesse sentido, passar a buscar novas aventuras. Para alguns, isso significa viver uma traição. 

Fonte: IG Delas
Comentários do Facebook
Leia mais:  Mulher sem útero passa por transplante raro e consegue engravidar
Continue lendo
Entretenimento15 minutos atrás

O rei das protagonistas! As dez mulheres de Walcyr Carrasco

Prestes a estrear mais uma novela de sua autoria, Walcyr Carrasco possui um currículo extenso de novelas na Globo. Desde...

Esportes5 horas atrás

Jorge Sampaoli é perseguido por ciumentos da própria classe de trabalho

Levir Culpi, técnico de trabalhos medíocres recentemente, disse que Jorge Sampaoli será o novo comandante da Seleção. Segundo Culpi, que...

Entretenimento6 horas atrás

Reconstrução dá o tom do MECAInhotim, quatro meses após tragédia em Brumadinho

Logo na entrada de Brumadinho (MG), uma exposição de camisas e uniformes sujos de lama lembra que essa é uma...

Entretenimento6 horas atrás

Virada Cultural de São Paulo atrai cinco milhões de pessoas

A Virada Cultural aconteceu neste final de semana, 18 e 19, em São Paulo, e, segundo o prefeito Bruno Covas,...

Nacional7 horas atrás

Entenda os últimos acontecimentos da quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

Edilson Rodrigues/Agência Senado – 9.5.19 MP investiga suspeitas de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio...

Entretenimento7 horas atrás

Faustão choca telespectadores e anuncia fim do Domingão na Globo

O apresentador Fausto Silva fez uma revelação que deixou seus fãs chocados e arrasados na noite deste domingo em seu programa da...

Regional7 horas atrás

Menino de 2 anos é baleado pelo próprio pai no Norte no ES

Homem é acusado de tentar matar a esposa e, ao atirar, acabou atingindo o próprio filho Uma criança de 2...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana