conecte-se conosco



Internacional

Comissão do Senado aprova reforma na lei de telecomunicações

Publicado

em

Agência Brasil

A senadora informou que o projeto não prevê garantia neste sentido e acrescentou que cabe às autoridades fazer a fiscalização sobre a aplicação dos recursos. arrow-options
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
A senadora informou que o projeto não prevê garantia neste sentido e acrescentou que cabe às autoridades fazer a fiscalização sobre a aplicação dos recursos.

A Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) aprovou hoje (11) o Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2016, que promove uma reforma na legislação de telecomunicações do país.

A matéria agora deve seguir para plenário, embora haja ainda disputas se ela pode ser apreciada por outras comissões.

A relatora, senadora Daniella Ribeiro (PP/PB), rejeitou emendas apresentadas por outros parlamentares e manteve a redação conforme aprovada na Câmara. Havia ainda polêmica acerca de um problema de redação, que seria esclarecido com a incorporação de emenda. Para evitar eventuais questionamentos, a senadora manteve o texto conforme aprovado na Câmara.

A relatora considerou que o projeto “é de extrema importância ao país” e terá “impactos positivos”.

Leia também: Bolsonaro apresenta distensão abdominal e passa a receber alimentação por sonda

O senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL) apoiou a proposta. “São vários municípios em que não temos internet chegando com velocidade ou até mesmo chegando. E estamos no momento em que podemos virar a página”, afirmou. Ele questionou se há garantias de mitigação das desigualdades regionais no direcionamento dos investimentos previstos às empresas como contrapartida pelas redes públicas de telecomunicações que receberão.

A senadora informou que o projeto não prevê garantia neste sentido e acrescentou que cabe às autoridades fazer a fiscalização sobre a aplicação dos recursos. O senador Paulo Rocha (PT-PA) acrescentou, dizendo que, em aprovado o PLC, sem uma atuação do Estado não haverá melhoria das regiões menos populosas. “Tem que ter política de governo para que investimento das empresas chegue nesses locais para que universalize o acesso”, destacou.

Leia também: Jovem que teve “ladrão e vacilão” tatuado na testa passará 4 anos na prisão

Mudanças

O PLC 79/2016 traz diversas mudanças na Lei Geral de Telecomunicações (LGT). Hoje, a legislação prevê que serviços considerados essenciais devem estar submetidos a determinadas obrigações, como universalização, continuidade e preços acessíveis. A essas exigências dá-se o nome de regime público, sistema que foi aplicado somente à telefonia fixa.

Em razão da privatização do Sistema Telebrás nos anos 1990, o regime público incluiu também a obrigação das concessionárias (empresas que pagaram pelo direito de explorar a redes por 25 anos) retornarem a infraestrutura ao governo no final do contrato, que passou a ser chamada de “bens reversíveis”.

Conforme o PLC, esses bens não voltariam para o Estado, mas seriam entregues às concessionárias ( Telefônica , Oi e Embratel ) em troca de metas de investimento em redes de banda larga. A proposta também permite que serviços essenciais não precisem mais ser prestados em regime público, possibilitando na prática que eles não sejam submetidos a obrigações de universalização e continuidade.

Além disso, a proposta abre possibilidade de que empresas com autorização para exploração de radiofrequências (faixas usadas em serviços como telefonia e banda larga móveis) possam comercializar este espaço. Atualmente, isso não é permitido.

Divergências
A proposta teve uma tramitação polêmica. Depois de votado na Câmara, chegou a ser aprovado no Senado, mas uma decisão do Supremo Tribunal Federal determinou o retorno à Câmara . Após o episódio, foi encaminhada para análise das comissões e ficou mais de dois anos em exame na CCT.

Empresas, governo federal e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) se manifestaram favoráveis à proposta pela troca das concessões por autorizações e pelo repasse de infraestrutura considerada desnecessária em troca de investimentos em banda larga.

Já organizações da sociedade civil criticavam o PLC argumentando que ele entrega redes públicas sem garantias, além de enfraquecer o poder do Estado em estabelecer condições para serviços de telecomunicações.

Para o Sindicato das Empresas de Telecomunicações (Sinditelebrasil), o PLC 79 trará benefícios à sociedade ao transferir recursos para a banda larga, promovendo inclusão social e desenvolvimento econômico. “Isso na prática significa que áreas menos favorecidas do país receberão novos investimentos em redes de suporte à banda larga, com compartilhamento regulado aplicável entre operadoras como garantia ao mesmo tempo de inclusão, eficiência e competição”, segundo a associação.

Um dos temas objeto de divergências é o valor dos chamados bens reversíveis (a infraestrutura sob controle das operadoras sob a forma de concessão). Segundo informações das empresas concessionárias repassadas à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o patrimônio chegaria a R$ 105 bilhões. No entanto, não houve auditoria nem da Anatel, nem do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre esses ativos. Em audiência pública, o representante da agência admitiu não haver cálculo desses bens e que tal avaliação seria feita após a aprovação do projeto.

A Coalizão Direitos na Rede – que reúne organizações da sociedade civil e defesa de direitos digitais – avaliou que o projeto atende apenas a empresas do setor e limita a expansão da banda larga, não trazendo garantias de investimento em áreas carentes. Um problema chave, de acordo com a entidade, é a entrega da infraestrutura pública às empresas que hoje a exploram. poid ainda consideram importante para a telefonia fixa e  para serviços de acesso à Internet por tecnologia DSL.

“Os termos do PLC 79/2016 são insuficientes para direcionar a aplicação desses recursos, assim como do saldo das obrigações incompletas de universalização da telefonia fixa, em lugares que efetivamente demandam investimentos.”

Comentários do Facebook

Internacional

Ao tentar provar que Terra é plana em experimento com foguete, aventureiro morre

Publicado

em

source
terra plana arrow-options
reprodução / Twitter

Experimento aconteceu na Califórnia

Um aventureiro norte-americano morreu neste sábado (22) no deserto da Califórnia, nos Estados Unidos, durante o teste de um foguete caseiro construído por ele para tentar provar a teoria de que a Terra é plana .

Leia mais: Ao menos cinco pessoas foram vítimas de agulhadas no carnaval de Olinda

Michael “Mad Mike” Hughes, de 64 anos, planejava tirar fotos da terra do foguete que construiu. A construção e lançamento faziam parte de um reality show do canal US Science Channel, do grupo Discovery.

Os foguetes desenvolvidos por Hugues buscavam atingir altura suficiente para tentar desacreditar cientistas e “provar” que o planeta Terra não é redondo. A ideia era que atingisse 5 mil pés (cerca de 1,5km), mas caiu antes disso. Em março de 2019, Hughes já tinha realizado um voo em foguete caseiro. Ele conseguiu alcançar 570 metros de altura, antes de disparar o paraquedas e pousar.

Leia também: Fotógrafa submarina é atingida por hélice de barco em Noronha

“As nossas orações e pensamento estão com a família e amigos durante este momento difícil. Sempre foi o sonho dele fazer este lançamento e o Science Channel estava lá para documentar a sua viagem”, informou o Discovery em comunicado no Twitter.

O lançamento e a queda fatal foram registrados em vídeo e divulgado nas redes sociais.

Fonte: IG Mundo

Comentários do Facebook
Continue lendo
Polícia Federal3 horas atrás

PF salva garota de 16 anos do tráfico humano

A dupla foi detida última terça-feira 18, quando se apresentou, na Delegacia de Polícia Federal em Epitaciolândia, para controle migratório...

Regional3 horas atrás

Polícia Civil busca por adolescente desaparecida em Rio Bananal

Menina foi para escola, mas não voltou para casa A Polícia Civil busca por uma adolescente de 15 anos que...

Regional3 horas atrás

Corpo é encontrado perto de barragem no Norte do ES

Perícia foi acionada, mas ainda não há detalhes da ocorrência Um homem foi encontrado morto próximo à barragem Tutu Reuter...

Educação3 horas atrás

Sedu abre processo seletivo para contratar cuidadores

A Secretaria Estadual de Educação (Sedu) abriu processo seletivo com vagas, em regime de designação temporária, para o cargo de...

Entretenimento3 horas atrás

Destaque da Pérola Negra revela segredo para manter a forma: Dieta do Sexo

Priscila Kimura, destaque central do abre-alas da Pérola Negra, contou o seu segredo para a boa forma na avenida: Muito...

Entretenimento5 horas atrás

Quem vai sair? Bianca, Felipe e Flayslane estão no paredão do BBB20

  Reprodução Bianca, Felipe e Flayslane estão no paredão Bianca, Felipe e Flayslane estão no quinto paredão do BBB20. A...

Entretenimento8 horas atrás

Inspirada em “Amor de Mãe”, fantasia de Lurdes faz sucesso no carnaval

Se você assiste “Amor de Mãe”, novela das 21h da Rede Globo, sabe que Dona Lurdes adora um forró. Mas...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana