conecte-se conosco


Economia

Com voos cancelados no Rio, passageiros reclamam de atendimento da Avianca

Publicado

em


avião da avianca
Divulgação/Avianca Brasil

Avianca Brasil

Com 19 voos cancelados em oito capitais neste domingo, e com outras 154 decolagens suspensas até a quarta-feira, a Avianca não divulgou até o momento como será o calendário para a Semana Santa, que começa na próxima quinta-feira.

Leia também: Sob risco de fortes chuvas, prefeitura do Rio de Janeiro muda protocolos

No aeroporto Santos Dumont, dois voos não aconteceram neste domingo e alguns passageiros reclamavam no balcão da Avianca

Residente em São Paulo, Luciana Pacheco veio a trabalho para um evento na Jeaunesse Arena, empresa na qual trabalha na área de marketing, situada na Zona Oeste.

Comprou o voo há cerca de duas semanas por meio do programa de pontos Livelo. Seu voo era o 6011, um dos cancelados e antes programado para as 15h55, com destino ao aeroporto de Congonhas.

“Ao reclamar, um dos funcionários me disse que eu “comprei (a passagem) da Avianca porque quis”. Tive que sair mais cedo de um evento de trabalho em Jacarepaguá para cá e não fui avisada que o voo havia sido cancelado”, diz ela.

“Me disseram que a aeronave estava com algum problema mecânico e, quando falei que não tinha sido avisada, disseram que cancelamentos até 24h do horário do voo não precisam ser avisados. Eu não sabia que estava cancelado. O que é pior, não embarcar por conta de uma aeronave por falta de manutenção ou eles venderem o que não podem cumprir?”, ressalta Luciana. A paulistana foi realocada em um voo da Avianca que saiu às 17h do Santos Dumont.

Leia também:  Após críticas, Bolsonaro diz em carta: “Querem me afastar dos amigos judeus”

Leia mais:  Bolsa Família terá pagamento de 13º em dezembro, confirma ministro da Cidadania

Em situação parecida, as 14h30 o casal Luciana Otoni e Diego Cardoso, junto a filha Luiza, de 1 ano, aguardavam apreensivos no balcão da companhia para saber se conseguiriam embarcar em algum outro voo de volta à Brasília.

Eles foram visitar familiares no Rio de Janeiro neste final de semana, em uma viagem comprada antes da Avianca anunciar a recuperação judicial . O voo deles deveria sair do Santos Dumont neste domingo às 18h10.

“Recebemos o comunicado da Avianca somente por e-mail ontem às 22h, mas a companhia não entrou com contato por telefone só visualizamos a mensagem hoje às 11h. Como estávamos hospedados em Bonsucesso, não conseguimos chegar a tempo para embarcar no voo que tinham nos realocado, porque o embarque era às 11h20”, explicou Diego.

“Passamos mais de duas horas no telefone com a Avianca e não resolvemos a situação, então decidimos vir direto ao guichê da companhia para explicar a situação. Fomos realocados para um voo que sai às 21h, da Gol, e vamos perder o carro que tínhamos alugado para seguirmos para nossa casa, em Goianésia, a cerca de três horas de Brasília. Mesmo estando com a criança, a companhia não nos ofereceu nenhuma assistência”, completou.

E o que diz a Anac sobre a situação da Avianca?


fachada da anac
Reprodução

Anac acompanhará caso da Avianca até o fim da semana

Segundo resolução da Agência Nacional de Aviação Civil ( Anac ), ‘Se o atraso for   superior a 4 horas (ou a empresa já tenha a estimativa de que o voo atrasará esse tempo), ou houver cancelamento de voo ou preterição de embarque, a empresa aérea deverá oferecer ao passageiro, além da assistência material, opções de reacomodação ou reembolso’.

Procurada pela reportagem sobre os balanços desses dois dias de cancelamento, a Anac orientou que O Globo procurasse a Avianca.

Leia mais:  Mercado reduz projeções para inflação e crescimento do PIB em 2019

Em nota, o Procon-SP informou que vai acompanhar na segunda-feira o atendimento no aeroporto de Guarulhos, local onde 22 dos 50 voos cancelados pela Avianca estavam programados para sair. O órgão orienta que a companhia realoque os passageiros em voos de outras companhias aéreas.

Leia também:  Para governo, segurar preço do diesel será menos impactante que nova greve

A Associação Brasileira de Procons (Procons Brasil) comunicou que continuará acompanhando o caso da Avianca até a Semana Santa e que estão apurando a situação. No entanto, ressaltou que “não foram registrados problemas graves com consumidores” e que “a empresa se comprometeu a realocar e reembolsar os passageiros”.

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
publicidade

Economia

Não é só Bitcoin! Conheça outras criptomoedas importantes

Publicado

em

A primeira moeda virtual criada no mundo é também a mais famosa. Até quem não entende sobre o mercado de criptomoedas já ouviu falar e sabe o que é Bitcoin. Tal fama pode ser explicada pelos grandes picos de valorização que a moeda sofre – em 2014, por exemplo, atingiu uma marca histórica ao valorizar aproximadamente 1900%, enquanto a bolsa subiu 28% no mesmo período. A força do Bitcoin só não é maior devido à sua volatilidade: os preços podem cair ou subir muito em apenas um dia.

Leia também: Entenda como funcionam as criptomoedas

Porém, recentemente, especialistas voltaram a falar das criptomoedas prevendo um novo boom e a consolidação delas no mercado. O investidor Josh Rager sugeriu que a possibilidade de uma pessoa comum comprar um Bitcoin inteiro pode estar chegando ao fim porque “O valor especulativo depois de 2021 poderá estar fora do alcance para a maioria”. 


A imagem é uma representação da cotação de diferentes criptomoedas
shutterstock

Outras criptomoedas disputam mercado com o Bitcoin


Nesse cenário outras moedas criptografadas menos conhecidas competem com o Bitcoin pelo mercado. Com custo mais baixo e picos de valorização, elas também podem representar boas opções de investimento. Conheça as principais e mais valiosas.

Bitcoin Cash (BCH)

A Bitcoin Cash foi criada para substituir o Bitcoin. A intenção era diminuir o tempo de transação do Bitcoin, que chega a ser de um dia. Porém, não houve muita aceitação do mercado e a BCH se tornou uma altcoin com funcionalidades parecidas com as do BTC, mas com algumas melhoras.

Ethereum (ETH)

Quando o assunto é as moedas virtuais mais valiosas, a Ether (ETH) fica atrás apenas do Bitcoin e da Bitcoin Cash. Ela foi criada para funcionar dentro da plataforma de blockchain Ethereum, capaz de executar contratos inteligentes e aplicações descentralizadas.

Leia mais:  “Prometer reduzir a carga tributária é populismo”, diz economista de Alckmin

Além da baixa no mercado de moedas criptografadas o ETH sofre com problemas de escalabilidade, mas um novo sistema de PoW/PoS, chamado Casper, pode consertar o problema e alavancar o preço da moeda virtual nos próximos anos.

Ripple (XRP)

O Ripple (XRP) foi desenvolvido pela organização OpenCoin, que idealizou um sistema de pagamentos em código aberto. A ideia é permitir que o dinheiro circule livremente e com segurança, sem as taxas normalmente cobradas pelas instituições financeiras tradicionais.

Como existe uma grande quantidade dessa moeda criptografada circulando, o custo dela é baixo e os grandes picos de valorização, comuns ao Bitcoin, são raros. Por ter ligação com bancos, como o Western Union, o XRP tem uma boa projeção.

Litecoin (LTC)

Sustentada por uma rede peer-to-peer, a Litecoin (LTC) é inspirada no Bitcoin e tecnicamente muito parecida com a moeda virtual mais famosa do mercado. A principal diferença entre elas é a leveza de processamento: a LTC possibilita sua mineração com hadwares mais modestos.

Passou a ser considerada uma boa alternativa ao Bitcoin por ser mais estável e ter taxas mais baratas. A rapidez das transações também é um ponto positivo.

Zcash (ZEC)

Privacidade é o pilar da moeda criptografada Zcash (ZEC) e por isso ela é muito procurada por quem deseja fazer transações mais particulares. Foi criada em 2016 após o Bitcoin apresentar falhas em manter pessoas e empresas anônimas. 

A garantia da privacidade é o grande motivo da Zcash ter se tornado conhecida em pouco tempo. Em cada transação os dados de quem realizou e de quem recebeu a quantia são ocultados automaticamente.

Existem milhares de criptomoedas além das citadas acima. Antes de investir em alguma delas, analise o preço e o histórico de variação, a popularidade, o volume financeiro e suas parcerias no mercado. Essa pesquisa ajuda a entender o risco que a moeda virtual pouco conhecida pode representar.

Leia mais:  Para alavancar reforma da Previdência, Guedes faz reuniões com chefes de poder

Fonte: IG Economia
Comentários do Facebook
Continue lendo

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana