conecte-se conosco


Economia

Beneficiário do INSS que recebe mais de um salário mínimo terá reajuste de 3,43%

Publicado

em


Beneficiários do INSS que recebem acima de um salário mínimo terão reajuste de 3,43%
Agência Brasil

Beneficiários do INSS que recebem acima de um salário mínimo terão reajuste de 3,43%

Os aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) que ganham mais do que um salário mínimo (R$ 998, em 2019) terão reajuste de 3,43% em seus benefícios. 

A informação foi confirmada pela Secretaria da Previdência nesta sexta-feira (11) após a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O indicador, que fechou o ano de 2018 em 3,75% , mede a inflação oficial do Brasil e é usado para reajustar o INSS de quem recebe acima do piso nacional.

Com o reajuste, um aposentado ou pensionista que recebia R$ 1.000 reais em 2018, por exemplo, passa a ganhar R$ 1.034,30 em 2019. Já o teto da Previdência Social , ou seja, o valor máximo pago, deve ficar em R$ 5.839,45 –  no ano passado, era de R$ 5.645,80.

No ano passado, o aumento do benefício havia sido de 2,07%.

O reajuste do INSS , neste ano, será menor que o do salário mínimo  , que subiu 4,61%, passando de R$ 954 para R$ 998 no dia 1º de janeiro .  De acordo com a Secretaria, os novos valores ainda serão publicados no Diário Oficial da União (DOU)

A portaria também informou que os pagamentos atualizados já começam no primeiro benefício do ano, que será pago entre 25 de janeiro e 7 de fevereiro.

Confira o calendário de pagamentos do INSS de 2019


Valores atualizados do INSS começam a ser pagos já em janeiro
Sérgio Moraes/AGU

Valores atualizados do INSS começam a ser pagos já em janeiro

A tabela de pagamentos do INSS 2019 já foi divulgada. As datas variam de acordo com o valor a ser recebido e o número final do benefício, desconsiderando o dígito. Confira as datas de recebimento deste ano:

Leia mais:  Cliente é reembolsado em R$ 437 mil por atraso de empresa na entrega de imóveis


Final 1

Para quem ganha até um salário mínimo:  25/01; 22/02; 25/03; 24/04; 27/05; 24/06; 25/07; 26/08; 24/09; 25/10; 25/11 e 20/12

Para quem ganha mais de um salário mínimo: 01/02; 01/03; 01/04; 02/05; 03/06; 01/07; 01/08; 02/09; 01/10; 01/11; 02/12 e 02/01/20


Final 2

Para quem ganha até um salário mínimo:  28/01; 25/02; 26/03; 25/04; 28/05; 25/06; 26/07; 27/08; 25/09; 28/10; 26/11 e 23/12

Para quem ganha mais de um salário mínimo:  04/02; 07/03; 02/04; 03/05; 04/06; 02/07; 02/08; 03/09; 02/10; 04/11; 03/12 e 03/01/20


Final 3

Para quem ganha até um salário mínimo:  29/01; 26/02; 27/03; 26/04; 29/05; 26/06; 29/07; 28/08; 26/09; 29/10; 27/11 e 26/12

Para quem ganha mais de um salário mínimo: 05/02; 08/03; 03/04; 06/05; 05/06; 03/07; 05/08; 04/09; 03/10; 05/11; 04/12 e 06/01/20


Final 4

Para quem ganha até um salário mínimo:  30/01; 27/02; 28/03; 29/04; 30/05; 27/06; 30/07; 29/08; 27/09; 30/10; 28/11 e 27/12

Para quem ganha mais de um salário mínimo:  06/02; 11/03; 04/04; 07/05; 06/06; 04/07; 06/08; 05/09; 04/10; 06/11; 05/12 e 07/01/20


Final 5

Para quem ganha até um salário mínimo: 31/01; 28/02; 29/03; 30/04; 31/05; 28/06; 31/07; 30/08; 30/09; 31/10; 29/11 e 30/12

Para quem ganha mais de um salário mínimo:  07/02; 12/03; 05/04; 08/05; 07/06; 05/07; 07/08; 06/09; 07/10; 07/11; 06/12 e 08/01/20


Final 6

Para qualquer valor:  01/02; 01/03; 01/04; 02/05; 03/06; 01/07; 01/08; 02/09; 01/10; 01/11; 02/12 e 02/01/20 


Final 7

Para qualquer valor:  04/02; 07/03; 02/04; 03/05; 04/06; 02/07; 02/08; 03/09; 02/10; 04/11; 03/12 e 03/01/20


Final 8

Para qualquer valor:  05/02; 08/03; 03/04; 06/05; 05/06; 03/07; 05/08; 04/09; 03/10; 05/11; 04/12 e 06/01/20


Final 9

Para qualquer valor:  06/02; 11/03; 04/04; 07/05; 06/06; 04/07; 06/08; 05/09; 04/10; 06/11; 05/12 e 07/01/20

Leia mais:  EUA, Canadá e México renovam acordo comercial durante o G20

Leia também: Governo de São Paulo libera parcelamento do IPVA no cartão de crédito 


Final 0

Para qualquer valor:  07/02; 12/03; 05/04; 08/05; 07/06; 05/07; 07/08; 06/09; 07/10; 07/11; 06/12 e 08/01/20


Comentários do Facebook
publicidade

Economia

Preço da gasolina nas refinarias volta a subir e chega a R$ 1,4990

Publicado

em


A alta do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar motivaram o reajuste no preço da gasolina nas refinarias
Divulgação/Prefeitura de Paulínia

A alta do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar motivaram o reajuste no preço da gasolina nas refinarias

Depois da redução de 1,38% anunciada no último dia 9, a Petrobras comunicou que vai reajustar o preço da gasolina nas refinarias para cima a partir desta quinta-feira (17). Com a decisão, o litro do combustível passará dos atuais R$ 1,4624 para R$ 1,4990, um aumento de 2,50% – e o primeiro de 2019.

Leia também: Comandante da Marinha deve chefiar Conselho de Administração da Petrobras

A Petrobras adota essa política de reajuste dos preços desde julho de 2017. De acordo com a metodologia, as mudanças podem acontecer mais frequentemente, inclusive todos os dias, e refletem os preços praticados nos mercados internacionais e a cotação do dólar. A recente alta do petróleo e a desvalorização do real frente a moeda norte-americana motivaram, segundo a estatal, o reajuste no  preço da gasolina  nas refinarias.

O preço médio do litro do diesel nas refinarias, por sua vez, segue em R$ 1,9484. No fim do ano passado, a Petrobras anunciou um mecanismo financeiro de proteção à política de preços do diesel, semelhante ao já utilizado na gasolina, que permite à estatal manter o valor nas refinarias estável por um período de até sete dias em momentos de alta volatilidade.

Preço nas bombas


Na semana passada, segundo a ANP, o preço da gasolina nos postos caiu em relação à anterior e chegou a R$ 4,2970
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Na semana passada, segundo a ANP, o preço da gasolina nos postos caiu em relação à anterior e chegou a R$ 4,2970

Na semana passada, o preço da gasolina nos postos caiu 0,76% em relação à anterior, chegando a R$ 4,2970. Em 2018, porém, segundo dados compilados pela Agência Nacional do Petróleo, do Gás Natural e dos Biocombustíveis (ANP), o litro do combustível acumulou alta de 5,97%. No período, o preço do diesel também subiu (3,75%).

Leia mais:  Eco101: duplicação da BR 101 no Espírito Santo não será feita

Leia também: Bolsonaro comemora concessão de rodovia e fala em gerar 4 mil empregos

A duas variações são maiores do que a inflação registrada em 2018. Segundo divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que mede a inflação oficial do País, fechou o ano passado em 3,75%, dentro da meta estipulada pelo governo em 2017.

Entenda o preço da gasolina


Do preço da gasolina, 25% correspondem aos valores praticados nas refinarias e outros 47% aos impostos incidentes
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do preço da gasolina, 25% correspondem aos valores praticados nas refinarias e outros 47% aos impostos incidentes

De acordo com cálculos feitos pela própria  Petrobras , os valores praticados nas refinarias equivalem a 25% do preço pago pelos consumidores nos postos. Essa porcentagem aproximada leva em conta a coleta de preços feita pela estatal entre os dias 6 e 12 de janeiro em 13 capitais e regiões metropolitanas do País.

Outros 47% são formados basicamente por tributos. Destes, 31% correspondem ao ICMS (Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços), recolhido pelos estados, e outros 16% são relativos à Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e ao PIS/Cofins, de competência da União.

A diferença entre os impostos estaduais e federais está na forma com que são cobrados. O ICMS varia de acordo com o que é praticado nos postos, então cada vez que o preço da gasolina sobe, os estados arrecadam mais dinheiro. O PIS/Cofins e a Cide, ao contrário, são valores fixados por litro: o primeiro é de R$ 0,7925 e o segundo, de R$ 0,10.

Leia também: Toffoli derruba liminar que dificultava a venda de ativos da Petrobras

Do restante do  preço da gasolina , 12% correspondem ao custo do etanol anidro, que, segundo a lei, deve compor 27% da gasolina comum. Os últimos 16%, por sua vez, são relativos aos custos e ao lucro de distribuidores e postos. Em maio de 2018, essa fatia era de 12%, o que sugere um aumento de quatro pontos percentuais na margem de lucro desses agentes desde então.

Leia mais:  Oito em cada dez brasileiros procuram vagas de emprego na internet, diz pesquisa

Comentários do Facebook
Continue lendo
Direto de Brasília8 minutos atrás

Moro afirma que não é possível enviar Força Nacional ao Pará agora

Reprodução/ Facebook Governador paraense se reuniu com o ministro Sérgio Moro e reiterou o pedido de ajuda federal O ministro...

Regional39 minutos atrás

Polícia prende chefe do tráfico de drogas de três bairros em Pinheiros

Denúncia de agressão doméstica deu início à operação; acusado já tinha três mandados em aberto PINHEIROS (ES) – O chefe...

Mulher55 minutos atrás

Roteiro de drinques de verão super refrescantes

Nesses dias e noites da estação mais quente do ano, nada melhor do que drinques de verão para se refrescar....

Entretenimento55 minutos atrás

15 perguntas! Nany People fala sobre carreira, política, namoro e muito mais

Desde o início de sua trajetória em Minas, sua terra natal, até a ida para São Paulo em busca do...

Economia2 horas atrás

Preço da gasolina nas refinarias volta a subir e chega a R$ 1,4990

Divulgação/Prefeitura de Paulínia A alta do petróleo e a desvalorização do real frente ao dólar motivaram o reajuste no preço...

Entretenimento2 horas atrás

Que calor! Cacu Colucci aproveita dia ensolarado com banho de mangueira

A ex-“BBB 10”, Cacau Colucci, fez a temperatura subir nesta quarta-feira (16) com um clique super sensual em seu perfil...

Entretenimento2 horas atrás

Que calor! Cacu Colucci aproveita dia ensolarado com banho de mangueira

A ex-“BBB 10”, Cacau Colucci, fez a temperatura subir nesta quarta-feira (16) com um clique super sensual em seu perfil...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana