conecte-se conosco



Economia

BC abre consulta pública para aumentar concorrência nos caixas eletrônicos

Publicado

em

source
caixa eletronico arrow-options
Arquivo/Agência Brasil

Banco Central abriu consulta pública para aumentar concorrência nos caixas eletrônicos

O Banco Central (BC) quer pôr fim a mais uma das ‘jabuticabas’ do sistema financeiro brasileiro: o fato de os principais bancos terem redes próprias de caixas automáticos e, com raras exceções, vedarem o acesso de clientes de outras instituições financeiras.

Leia também: Agora vai? Veja o que governo e mercado esperam da economia em 2020

Para mudar essa realidade, o BC abriu nesta segunda-feira (16) uma  consulta pública para definir como o Brasil pode abandonar o modelo atual e seguir um arranjo mais parecido com o normal em outros países. Na Europa e nos Estados Unidos, o cliente de uma instituição financeira normalmente pode sacar recursos em caixas eletrônicos  da instituição onde tem conta e também na de outros bancos.

Segundo o economista João Manoel Pinho de Mello, diretor de organização do sistema financeiro e resolução do BC, o Brasil é atualmente o único país na América Latina sem a chamada interoperabilidade , um jargão técnico para descrever a falta de comunicação entre sistemas de duas ou mais instituições financeiras. No mundo, de acordo com Mello, esta é a realidade de 15% de 104 países pesquisados num estudo recente do Banco Mundial.

“No Brasil temos um número alto de caixas eletrônicos e pouca utilização desses caixas”, disse Mello. A ideia, agora, é que o BC participe da regulamentação desse setor. Ou seja, empresas que operam caixas automáticos deverão seguir a regulamentação da autoridade monetária.

O BC deve manter a consulta pública sobre o tema com bancos e outros atores do sistema financeiro até o dia 14 de fevereiro de 2020. A partir daí, estudará as propostas e divulgará uma circular sobre o assunto provavelmente ao fim do primeiro semestre do ano que vem.

Segundo Mello, os arranjos financeiros já existentes (bancos e outras instituições) para caixas automáticos não precisarão pedir novas autorizações após a edição da circular. A ideia é poder regulamentar o crescimento das fintechs (startups financeiras) que venham a investir nesse mercado.

Leia também: Valor aumentou! Caixa começa a pagar R$ 998 do FGTS nesta quarta-feira

Na visão do diretor do BC, a intenção com a medida é ampliar o acesso dos brasileiros às instituições financeiras e aos meios de pagamento digitais . Atualmente, o dinheiro em espécie é a principal forma de pagamento para 60% dos brasileiros, segundo Mello.

Comentários do Facebook

Economia

Aproveite a festa! Após o carnaval vem a ressaca dos gastos do dinheiro público

Publicado

em

source

Uma crença que já se espalhou a ponto de ser considerada verdadeira diz que, no Brasil, o ano só começa depois do carnaval, quando a ressaca da folia traz as pessoas de volta à realidade. Quem acredita nisso, deve se preparar: o ano que se inicia na próxima quarta-feira não será igual àquele que passou. Será bem pior e é bem provável que o ensaio de recuperação demonstrado pela economia perca o fôlego e passe a andar ainda mais devagar. Algumas decisões tomadas nas últimas semanas, que aumentarão a escassez de dinheiro público nos próximos meses, mostram que é bom aproveitar a festa porque as cinzas que virão depois dela custarão a se dissipar.

Blocos de carnaval desfilando pelas ruas arrow-options
Glaucimara Castro/Divulgação

Bloco na rua: depois do carnaval virão as contas pelos gastos exagerados de dinheiro público

Isso mesmo. É impressionante como, no Brasil, justamente as pessoas que deveriam zelar pela saúde das finanças públicas estão sempre entre as primeiras a tomar decisões que promovem o desequilíbrio e sempre acabam estourando no bolso do contribuinte. Alguns exemplos são gritantes: para a maioria dos políticos, parece que o equilíbrio fiscal só deve ser buscado pelo aumento da arrecadação. Na hora de cortar gastos e racionalizar despesas, ninguém deve esperar deles uma atitude sensata.

MARMANJO DE 33 ANOS

Vamos aos exemplos. Numa decisão tomada entre as quatro paredes de seu gabinete, certamente depois de se acertar com seus pares, o presidente do Senado Davi Alcolumbre decidiu, dias atrás, que os dependentes dos senadores e dos funcionários têm direito à cobertura integral do convênio de saúde da casa até a idade de 33 anos. Isso mesmo: os filhos e enteados de Suas Excelências passaram a ter o direito de ter suas despesas de saúde bancadas pelo dinheiro do povo até uma idade em que, os que têm vergonha na cara já deveriam estar cuidando da própria vida.

A maioria dos brasileiros, como se sabe, não dispõe de planos de saúde — e, mesmo entre os que têm, é raríssimo encontrar alguém capaz de bancar um convênio com uma cobertura tão ampla quanto à que o Senado, com dinheiro público, oferece a seus integrantes. Mas, um marmanjo de 33 anos, desde que seja filho ou enteado de um senador, um marmanjo de 33 anos, desfruta de uma regalia que só se justifica pela escassez de vergonha dos que a defendem. Em tempo: na Câmara dos Deputados, a indecência já vigora desde 2016!

GOELA LARGA 

O rombo causado por esse tipo de decisão é até pequeno (o que não significa que seja indolor) diante de outras medidas de suas Excelências. Quando se trata de sorver dinheiro público, a goela dos senhores parlamentares parece cada vez mais larga. Em qualquer país sério, o papel do Poder Legislativo, como o próprio nome indica, é fazer leis. Também é dele a função de fiscalizar o Poder Executivo. O poder deles não é pequeno. Eles podem até mesmo, diante de um crime de responsabilidade cometido por governantes, votar o impeachment do presidente da República, dos governadores e dos prefeitos. Mas ninguém ali se contenta com isso.

No Brasil, os parlamentares federais acham que também têm o direito de decidir sozinhos onde e como gastar o dinheiro público. O tal “Orçamento Impositivo” é um exemplo desse apetite. Na teoria, esse mecanismo se destina a democratizar a destinação do dinheiro público. Na prática, porém, não passa de mais um exemplo do desmazelo com que os recursos públicos são tratados no Brasil.  

Deputados e senadores, por aqui, acham-se no direito (antes de saber se o Tesouro terá ou não dinheiro para pagar a conta) de decidir onde aplicar recursos públicos. Em 2019, as emendas parlamentares consumiram um total de R$ 5,7 bilhões. Para 2020, os Excelentíssimos Senhores parlamentares querem definir o destino de nada menos que R$ 40 milhões. Não há nada que justifique esse gasto que é sete vezes maior do que o do ano anterior — a não ser, é claro, a tentação dos deputados e senadores por deixar de fazer o que deveriam (ou seja, votar as reformas necessárias para por o país para andar) e querer ter uma autoridade que não lhes cabe.

IRRESPONSABILIDADE MINEIRA

O descaso com os recursos não é, como se sabe, uma exclusividade do legislativo federal. Por mais quebrado que esteja seu Estado, as Assembleias Legislativas pelo país afora, como escassas e honrosas exceções, adora conceder aumentos para os servidores públicos e torrar dinheiro que não existe, como se a economia estivesse a mil por hora e os cofres públicos abarrotados pelo dinheiro dos impostos. Um dos casos mais gritantes vem de Minas Gerais.

Com a obrigação de colocar as finanças em ordem depois dos quatro anos da gestão incompetente e irresponsável de Fernando Pimentel, o governador Romeu Zema resolveu fazer um agrado às polícias do estado. Neófito na política, Zema acreditou que pudesse agir como age em suas empresas e, sem qualquer negociação prévia, encaminhou para a Assembleia Legislativa um projeto que previa conceder até 2022  pouco mais de 41% de aumento para a PM, a Polícia Civil e os Bombeiros.

Os deputados estaduais, com seu habitual desrespeito pelo dinheiro público, aprovaram uma emenda que concede quase 29% de aumento imediato a outras 13 categorias. A despesa extra criada pelo afago de Zema às polícias seria de R$ 5,6 bilhões — o que já significaria um peso superior ao que o estado, que, de pires na mão implora pela ajuda do governo federal, é capaz de suportar. A falta de responsabilidade dos parlamentares deve elevar as despesas em mais R$ 20 bilhões.

É melhor parar por aqui — tendo apenas o cuidado de lembrar que esses exemplos não são isolados e estão longe de ser uma exceção. Pelo descaso que suas excelências demonstram pelo seu, pelo meu, pelo nosso dinheiro, o melhor a fazer é aproveitar a folia e se preparar para o que virá depois. A conta do desperdício será alta. Não serão dias fáceis, podemos, infelizmente, ter certeza.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Estadual1 minuto atrás

Sucos que ajudam na hidratação do corpo durante o Carnaval

Seja desfilando nas escolas de samba, indo atrás dos blocos ou apenas curtindo o feriado do Carnaval, os cuidados com...

Estadual1 minuto atrás

Mulheres de Itapemirim visitam agroindústria de biscoitos em Alfredo Chaves

O escritório local do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) de Itapemirim, em parceria com as...

Entretenimento1 minuto atrás

Diretor da Mancha Verde exalta parceria com Viviane Araújo: “Rolou afinidade”

Paolo Bianchi, diretor da Mancha Verde, escola da torcida organizada do Palmeiras e atual campeã dos desfiles do Carnaval de...

Estadual1 minuto atrás

De olho no Mundial e na Olimpíada, Alison realiza treinamento na Sesport durante o Carnaval

Contemplado pelo programa Bolsa Atleta do Governo do Estado, o jogador de vôlei de praia Alison Cerutti treinará durante o...

Estadual1 minuto atrás

Sesport divulga datas para assinatura de termo final para contemplados pelo Bolsa Atleta de 2020

A Secretaria de Esportes e Lazer (Sesport) divulgou, nesta quarta-feira (19), o resultado final do Bolsa Atleta. Para finalizar a...

Política1 minuto atrás

Programa conscientiza alunos sobre uso de novas tecnologias

A deputada Raquel Lessa (Pros) é autora do Projeto de Lei (PL) 111/2020, que prevê a criação do Programa Cidadania...

Tecnologia1 minuto atrás

No Carnaval, Google Maps mostra blocos de rua e vias interditadas

arrow-options Unsplash/henry perks Google Maps lança novidades para o Carnaval O Google anunciou uma série de recursos no Maps para...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana