Connect with us

Economia

Banco Central estipula meta da inflação de 2025 em 3%

Published

on

source
Banco Central estipulou nova meta para inflação após dados apurados no último ano e a previsão para 2022
Redação 1Bilhão

Banco Central estipulou nova meta para inflação após dados apurados no último ano e a previsão para 2022

O governo fixou a meta de inflação para 2025 em reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN) nesta quinta-feira (23). A meta é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual (p.p.) para mais ou para menos, de acordo com resolução do Banco Central.

O Brasil vem sofrendo com a aceleração da inflação e o aperto monetário proposto pelo BC, que vem elevando a taxa de juros para tentar conter a elevação, não vem funcionando. A inflação no país está disseminada, e também sofre a pressão de eventos externos, como a guerra na Ucrânia, que provocou a alta nos preços de combustíveis e energia em todo o mundo.

Para este ano de 2022, a meta de inflação foi estipulada em 3,5%, e não deverá ser atingida. Isso significa que o Banco Central terá de justificar, novamente, esse descumprimento.

Em 2021, no primeiro ano de autonomia da autoridade monetária, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, teve de justificar as razões para a inflação fechar em 10,06%, ante os 3,75% estipulados. Para 2022, a projeção é de que a inflação fique perto de 9%.

A missão do BC é trazer o indicador para o intervalo a partir de de 2023. Para o próximo ano, a meta estipulada é de 3,25%. Campos Neto reiterou que a estratégia atual da política monetária é levar a inflação para um valor “ao redor” do indicador estipulado. Já para 2024, a meta é de 3%.

Para Camila Abdelmalack, economista-chefe da Veedha Investimentos, a meta fixada pelo BC para a inflação em 2025 é compatível com o cenário mundial e reflete os desafios que a autoridade monetária terá para conseguir fazer com que o indicador retorne para o intervalo.

“A gente vem acompanhando os desafios do cenário inflacionário no mundo, num momento em que o BC vem encontrando muita dificuldade de ancorar as expectativas de inflação. É sabido que a dose de aperto monetário deve trazer progressos para desinflação para 2023 e até 2024. Nesse momento, se o CMN adotasse a estratégia que foi colocada nos últimos anos, de ir reduzindo a meta ao passo de 0,25 p.p., não seria algo crível dado o contexto e a questão estrutural da economia brasileira”, avalia.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Para Nicola Tingas, economista-chefe da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi), em uma conjuntura de inflação extremamente alta e persistente, a meta fixada pelo BC é importante por indicar que há esforços para evitar prejuízos ao lado real da economia.

“Estamos vivendo um choque global de inflação, primeiro pela pandemia e agora pela guerra da Ucrânia e seus efeitos, e não há forma de trazer essa inflação para baixo do dia para noite. A estratégia do BancoCentral, assim como do FED, é buscar o máximo de aperto monetário e o mínimo de efeito sobre desemprego e sobre a economia”, afirma.

Na avaliação de Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, a decisão do BC em manter a meta em 3% para 2025 não surpreende, dado o contexto doméstico e o cenário global de pressão inflacionária. Ele defende que é importante manter a meta nesse patamar e lembra que o país caminhava para esse objetivo lá atrás, em 2006, mas o processo foi paralisado. Nos anos seguintes, a inflação fechou sempre próxima ao teto, o que pressionava a taxa de juros para cima.

Agora, o desafio é fazer a política monetária e fiscal convergirem para atender a meta.

“Já conseguimos isso no passado, mas precisamos ter um trabalho conjunto do governo. Não basta só o BC trabalhar pela inflação, precisa ter um esforço conjunto da política fiscal e do governo como um todo para que isso seja alcançado. Como tem sido feito no Brasil ao longo dos últimos anos vai ser ifícil atingir essa meta. O BC faz o trabalho sozinho, e não consegue porque a política fiscal joga contra, como estamos vendo acontecer agora, e aí tem dificuldades crescentes para atingir essa meta”, declarou Tingas.

Comente Abaixo
Entretenimento3 horas ago

Record fatura R$ 65 milhões com o reality Ilha 2 antes da estreia

Divulgação/Record Caique Aguiar, Solange Gomes e Raphael Sander estão no elenco do Ilha Record 2 Ao contrário do Power Couple...

Internacional3 horas ago

Equador: movimento indígena aceita dialogar, mas segue com protestos

Reprodução Manifestações convocadas por sindicalistas e organizações indígenas ocorrem há semanas no Equador Um dia depois que o presidente do...

Entretenimento7 horas ago

Sem as calças, Sarah Caus se veste de freira e gera polêmica: “Vou pecar”

Sarah Caus, modelo e influenciadora digital, resolveu deixar os fãs chocados na tarde desta segunda-feira (27). O motivo? A musa...

Regional7 horas ago

Tragédia em Linhares | Justiça nega liberdade ao ex-pastor Georgeval

Ele é acusado de ter estuprado filho e enteado, e incendiado a casa com as crianças vivas, desacordadas em uma...

Nacional8 horas ago

Homem coloca fogo e esfaqueia colega de trabalho; vídeo

Caso ocorreu na última sexta-feira (24). Agressor foi preso por tentativa de homicídio Na noite da última sexta-feira (24), um...

Estadual8 horas ago

Vacinação contra a gripe é ampliada para toda população no ES

Antes, o imunizante estava disponível apenas aos grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. Agora, as doses podem ser aplicadas...

Nacional8 horas ago

Mulher mata marido asfixiado após ele chamá-la de “velha e gorda”

A suspeita teria convencido a vítima a ser amarrada. Ela confessou o crime, e não teria sido a primeira tentativa...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana