conecte-se conosco



Economia

Auxílio de R$ 300: Governo deve divulgar calendário nesta segunda (28)

Publicado

em


source

Brasil Econômico

onyx
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenxzoni, disse que calendário do auxílio de R$ 300 seria divulgado até esta segunda

O governo deve divulgar nesta segunda-feira (28) o  calendário do auxílio emergencial de R$ 300. Até agora, apenas o público do Bolsa Família teve acesso às datas de pagamentos da prorrogação. A expectativa é que nesta segunda, as datas para o resto do público inscrito no auxílio sejam disponibilizadas pelo Ministério da Cidadania.


Quem definiu a data de divulgação do calendário do auxílio de R$ 300 foi o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. “A gente pretende, no máximo até segunda-feira, fazer a publicação (do calendário)”, disse Lorenzoni na quinta-feira (24), disse em uma reunião em Palmas, no Tocantins.

Sobre a diferença entre a divulgação do calendário de pagamentos do auxílio, que acontece primeiro para os beneficiários do Bolsa Família, o ministro disse que “desde o início a gente sempre manteve o cronograma do Bolsa Família, porque são 14 milhões e 274 mil famílias que são as famílias mais vulneráveis do Brasil”.

Nem todos os beneficiários do auxílio emergencial receberão todas as parcelas. O programa será interrompido em dezembro. Assim,  apenas os beneficiários que começaram a receber o auxílio em abril receberão todas as partes da renda emergencial.

Comentários do Facebook

Economia

Enquanto fortuna de bilionários cresce 27%, 115 milhões podem entrar na miséria

Publicado

em


source

BBC News Brasil

Miséria
Getty Images/BBC

Piora no indicador pode elevar o percentual da população global nessas condições a 9,4%; acima, pessoas vivendo na pobreza no Camboja

Além de crise sanitária com milhões de doentes e centenas de milhares de mortes, a  pandemia de covid-19 tem provocado estragos na economia global.

De acordo com as estimativas do Banco Mundial, esse impacto negativo deve fazer a pobreza extrema avançar no mundo pela primeira vez em mais de duas décadas.

Só em 2020 estima-se que 115 milhões de pessoas estejam sendo empurradas a essa situação, número que pode crescer a 150 milhões em 2021.

Pelo critério do Banco Mundial , a extrema pobreza é caracterizada por uma renda diária de até US$ 1,9 (cerca de R$ 10).

Esta será a primeira alta desde 1998, quando a crise financeira asiática provocou um choque na economia global.

Com o aumento, a pobreza extrema passará a afetar o equivalente a algo entre 9,1% e 9,4% da população do mundo neste ano, de acordo com o relatório Poverty and Shared Prosperity Report (Relatório sobre Pobreza e Prosperidade Compartilhada, em tradução livre), publicado a cada dois anos. Antes da pandemia, a estimativa era que pobreza cairia para 7,9% em 2020.

O Brasil já vinha experimentando aumento da pobreza extrema nos últimos cinco anos. Conforme os dados da Pnad Contínua, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística ( IBGE ), em 2019 13,88 milhões de brasileiros viviam nessa condição, cerca de 170 mil mais do que no ano anterior.

Em 2020, entretanto, a tendência foi interrompida graças ao pagamento do auxílio emergencial, que tem amortecido o efeito da crise, especialmente entre as famílias de baixa renda.

Um estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) com base nos dados da Pnad Covid-19 estima que, entre maio e agosto, a parcela da população abaixo da linha de pobreza recuou de 4,18% para 2,29%.

Desde abril, o governo já desembolsou quase R$ 200 bilhões com o auxílio , que foi reduzido de R$ 600 para R$ 300 recentemente.

A melhora, entretanto, tende a ser circunstancial. Com a diminuição do valor do benefício, os indicadores de pobreza podem voltar a piorar, alerta o autor das estimativas.

Casas precárias, sem pintura, na beira de canal poluído no Rio de Janeiro

Getty Images
Brasil já vinha assistindo a um aumento da pobreza extrema nos últimos 5 anos

‘Grave retrocesso’

O Banco Mundial havia estabelecido, em 2013, o objetivo de reduzir a extrema pobreza ao nível máximo de 3% da população global até 2030.

Agora, a organização afirma que a meta é inalcançável sem a “implementação rápida de políticas significativas e substanciais”.

O relatório indica que a pobreza deve crescer neste e no próximo ano em países que já têm um nível elevado de pobreza — 82% do total estimado seria em países classificados como de renda média.

Antes da pandemia , contudo, o ritmo de redução da pobreza global vinha desacelerando.

Entre 2015 e 2017, 52 milhões de pessoas saíram dessa condição. Em termos percentuais, a redução foi de menos de meio ponto percentual em cada ano — metade do observado de 1990 a 2015, quando a pobreza diminuiu cerca de um ponto percentual por ano.

“A pandemia e a recessão global podem fazer com que mais de 1,4% da população do planeta caia na pobreza extrema”, afirmou o presidente do Banco Mundial, David Malpass.

Ele disse ainda que, para reverter esse “grave retrocesso”, os países precisariam caminhar para construir uma economia diferente no pós-pandemia, que permitisse que capital, trabalho e inovação irrigasse novas áreas e setores.

Malpass afirmou, entretanto, que países em desenvolvimento continuariam tendo acesso à ajuda financeira do banco, “enquanto trabalham em direção a uma recuperação sustentável e inclusiva”.

A instituição, com sede em Washington, já concedeu cerca de US$ 160 bilhões em empréstimos com baixas taxas de juros a mais de 100 países que tiveram a economia afetada pela pandemia.

Ricos mais ricos

Na outra ponta, os bilionários do mundo têm visto a fortuna crescer durante a pandemia.

Só entre abril e julho deste ano, de acordo com um relatório de outubro do banco suíço UBS, o aumento foi de 27,5%, para US$ 10,2 trilhões, uma cifra recorde. Segundo o estudo, os ultra-ricos se beneficiaram especialmente ao investir no mercado acionário na baixa, entre março e abril, quando o mundo entrou em quarentena, e lucraram em seguida com a recuperação do preço das ações.

“Os bilionários se saíram extremamente bem durante a crise da covid-19: não apenas cavalgaram a tempestade na baixa como lucraram na retomada”, afirmou Josef Stadler, do banco UBS.

O número de bilionários também atingiu um novo recorde: são 2.189, contra 2.158 em 2017.

Executivos das áreas de tecnologia, saúde e da indústria estão entre os que assistiram maior avanço da renda no período.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Entretenimento10 segundos atrás

Mãe de Zé Felipe comenta gravidez da nora: “É maravilhoso”

Poliana Rocha, mãe de Zé Felipe e esposa do cantor Leonardo, usou o Stories do Instagram para comentar a famosa...

Entretenimento3 minutos atrás

Nicole Bahls posa correndo de maiô e dispara: “Céu e mar e alguém para amar”

  A musa deixou os fãs chocados com o seu corpo Nicole Bahls aproveitou a tarde deste sábado (10) para...

Entretenimento8 minutos atrás

Maraisa tira onda com abdômen trincado ao posar de micro biquíni

  Na tarde deste sábado (10), Maraisa aproveitou o dia ensolarado para renovar o bronzeado e curtir seu dia de folga. A...

Nacional21 minutos atrás

Mulher vai à igreja orar por marido e, na saída, é esganada por ele

Usuário de crack, homem foi preso por agentes da 14ª Delegacia de Polícia (Gama) no momento em que agredia a...

Saúde25 minutos atrás

Planos de saúde repassaram ao SUS R$ 491 milhões no primeiro semestre

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) repassou ao Sistema Único de Saúde (SUS) R$ 491 milhões no primeiro semestre...

Nacional30 minutos atrás

Menina de 11 anos casada a força com concunhado é resgatada pela polícia

Conforme a polícia, a criança foi convencida pelo homem a se casar com ele e depois, fugiram Pois é, uma...

Sem categoria34 minutos atrás

Mãe é flagrada fazendo sexo oral com filho de 1 ano no colo

Os suspeitos foram encaminhados para o juizado especial de Ribeirão das Neves, na região metropolitana, mas foram liberados Uma mulher,...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!