conecte-se conosco


Nacional

Atiradores de Suzano planejavam ação há um ano e teriam pedido dicas na deep web

Publicado

em


Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores de Suzano
Reprodução

Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores de Suzano

Os atiradores que mataram oito pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano , na Grande São Paulo, planejaram o ataque há cerca de um ano e meio, segundo as investigações da Polícia Civil. Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, e Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, teriam elaborado o plano por meio de mensagens de texto. O Ministério Público apura agora se uma organização criminosa na internet estaria por trás do ataque.

De acordo com os policiais, os atiradores tinham a intenção de deixar mais vítimas na escola de Suzano do que as 13 pessoas mortas durante o conhecido massacre de Columbine, que aconteceu em abril de 1999, nos Estados Unidos.

Enquanto os policiais tentam esclarecer o que possa ter levado os assassinos, que eram ex-alunos da escola, a terem cometido o ataque, algumas linhas de investigação foram traçadas. Uma delas afirma que o tio de Monteiro, Jorge Antônio Moraes, de 51 anos, teria descoberto o plano da dupla e, por isso, foi morto em sua loja de carros momentos antes dos assassinos invadirem a escola em Suzano .

Leia também: Vítimas do massacre de Suzano são veladas; um aluno está em estado grave

Outra linha de investigação apura se Monteiro e Castro poderiam ter sido incitados por membros do fórum Dogolachan na deep web , um segmento ‘secreto’ da internet. O local é conhecido por ser um espaço de discussões abertas acerca de práticas criminosas, violação de direitos humanos, propagação de preconceitos e misoginia. Após o massacre, os usuários ainda teriam usado o espaço para celebrar o “sucesso” do atentado.

Leia mais:  Homem mata jovem grávida e é executado dentro de igreja

De acordo com a investigação, na última quinta-feira (7), um dos atiradores teria agradecido ao administrador do fórum pelos “conselhos e orientações” dados e desejou “do fundo do coração” que o ataque não fosse cometido em vão.

Além das motivações para o crime, a polícia também investiga onde Monteiro possa ter comprado as armas usadas no crime – um revólver calibre 38, uma besta, um arco e flecha e um machado – e que foram adquiridas com o dinheiro que o adolescente recebeu de um carrinho de cachorro-quente onde trabalhava. Já o carro usado pela dupla, um Onyx branco, foi alugado por Castro e tinha como data de devolução o dia 15 desse mês.

Leia também: Doria anuncia pagamento de indenização às famílias das vítimas de Suzano

O atentado cometido pelos atiradores em Suzano deixou oito vítimas fatais e 11 feridos nesta quarta-feira (13). Segundo a investigação, com a chegada da Polícia Militar, Monteiro atirou em Castro e depois se suicidou.

Fonte: IG Mundo
Comentários do Facebook
publicidade

Nacional

Entenda os últimos acontecimentos da quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

Publicado

em


flávio bolsonaro
Edilson Rodrigues/Agência Senado – 9.5.19

MP investiga suspeitas de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj

No dia 24 de abril de 2019 o  Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) autorizou o pedido de quebra de sigilo fiscal e bancário do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Outras 85 pessoas e nove empresas também tiveram o sigilo quebrado.

O MP investiga suspeitas de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Acredita-se que os crimes aconteceram durante o mantado de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), onde foi deputado estadual de 2003 a 2018.

Suspeita-se de um esquema conhecido como “rachadinha”, onde servidores são coagidos a devolver parte dos salários para os deputados, no gabinete de Flávio durante a sua atuação como deputado estadual.

As investigações conduzidas pelo MP-RJ tiveram origem em relatório produzido pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que apontou movimentações atípicas em contas de Fabrício Queiroz ( Entenda o Caso Queiroz ).

O documento indicou que o ex-assessor parlamentar de Flávio recebia, sistematicamente, transferências bancárias e depósitos feitos por oito funcionários que trabalharam no gabinete do então deputado na Alerj. Os valores suspeitos giram em torno de R$ 1,2 milhão.

Entre as movimentações financeiras atípicas registradas pelo Coaf, há também a compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à primeira-dama, Michelle Bolsonaro, além de saques fracionados em espécie no mesmo valor dos depósitos suspeitos feitos nas respectivas vésperas.

Dessa forma, o MP investiga com a quebra de sigilo, que vai de 1º de janeiro de 2007 a 17 de outubro de 2018, a possível “rachadinha” no gabinete de Flávio. Desde então, uma série de desdobramentos aconteceram. 

Possíveis crimes

Organização criminosa

Na quarta-feira (15), o MP apontou indícios da existência de uma “organização criminosa” no gabinete de Flávio Bolsonaro  durante o seu mantado como deputado estadual e descreveu e descreve detalhes de movimentações financeiras suspeitas envolvendo Flávio e assessores parlamentares desde o ano de 2007.

Leia mais:  Onça-pintada rara é flagrada passeando pelas ruas de Juiz de Fora; assista

O material, com 87 páginas, foi apresentado à Justiça do Rio para pedir as quebras de sigilo bancário e fiscal de Flávio Bolsonaro e outras 94 pessoas, sob suspeita dos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

“Na presente investigação, pelos elementos de provas colhidos já é possível vislumbrar indícios da existência de uma organização criminosa com alto grau de permanência e estabilidade, formada desde o ano de 2007 por dezenas de integrantes do gabinete do ex-deputado estadual Flávio Bolsonaro e outros assessores nomeados pelo parlamentar para outros cargos na Alerj, destinada à prática de crimes de peculato, cuja pena máxima supera quatro anos”, descreve o MP.

Esse esquema criminoso teria como um dos integrantes o ex-assessor  Fabrício Queiroz , cuja movimentação financeira atípica havia sido detectada pelo Coaf. Para o MP, “não parece crível” que Queiroz seria o líder da organização criminosa sem conhecimento de seus “superiores hierárquicos durante tantos anos”. 

Lavagem de dinheiro

Na quarta-feira (15), o MP relatou que Flávio teria lucrado até 292% em transações imobiliárias suspeitas de lavagem de dinheiro . No total, ele adquiriu 19 imóveis por R$ 9,4 milhões entre 2010 e 2017 e fez operações de venda que lhe renderam lucros de R$ 3 milhões no período.

Segundo levantamento feito pelo MP, a valorização do imóvel foi de 292% no período, em contraste com a valorização imobiliária média da região de Copacabana, que no mesmo período foi de 11%.

Outro caso citado como suspeito de lavagem pelo MP foi a venda de imóveis para uma empresa com sede no Panamá. Entre dezembro de 2008 e setembro de 2010, Flávio Bolsonaro comprou 12 salas comerciais em um condomínio na Barra da Tijuca pelo preço total de R$ 2,6 milhões.

Leia mais:  Polícia do DF investiga casal que segurou menino de 6 anos para sofrer agressões

Elas foram revendidas em outubro de 2010 por R$ 3,1 milhões para a empresa MCA Exportação e Participações. “Mais do que o preço da transação, chama atenção o fato de a pessoa jurídica adquirente ter como sócia outra empresa com sede no Panamá (Listel)”, aponta o MP.

Segundo os promotores que assinam a peça, “um dos mais tradicionais métodos de lavagem de dinheiro consiste na remessa de recursos ao exterior através de empresas off-shore, sediadas em paraísos fiscais, onde torna-se mais difícil apurar os reais beneficiários das transações envolvendo essas companhias”.

O que Flávio Bolsonaro diz? 


flávio bolsonaro
Marcos Oliveira/Agência Senado

Flávio Bolsonaro se defende dizendo que estão tentando atacar a sua imagem para atacar o governo do seu pai

No domingo (12), Flávio Bolsonaro se manifestou sobre as investigações contra ele. Segundo o senador, a ação do MP-RJ é ilegal e deve ser arquivada. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ainda diz ainda que integrantes do MP estão tentando atacar sua imagem para atacar o governo de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, e que o órgão está “esculachando o Judiciário”.

“Vejo que há grande intenção de alguns do Ministério Público de me sacanear”, diz. O senador também acusa o MP de vazar informações sobre a investigação que é alvo para a imprensa e diz que há uma “perseguição implacável” no Rio contra ele.

Em nota divulgada na segunda-feira (13) , Flávio reforça que os ataques contra ele não vão abalar o governo Bolsonaro. “A verdade prevalecerá, pois nada fiz de errado e não conseguirão me usar para atingir o governo de Jair Bolsonaro”, afirma.

Como resposta, o MP-RJ assegurou em nota oficial que agiu dentro da lei e de forma “isenta e apartidária” na investigação e reclamou que o senador nunca compareceu ao órgão para prestar esclarecimento, apesar de ter recebido convites.

Em relação às acusações de que teria lucrado até 292% em transações imobiliárias suspeitas de lavagem de dinheiro, Flávio se manifestou na quinta-feira (16) no Twitter . De acordo com o parlamentar, ele está ‘sendo vítima de seguidos e constantes vazamentos de informações’.

Leia mais:  Governo espanhol irá ajudar na recomposição de acervo do Museu Nacional do Rio

“Os valores informados são absolutamente falsos e não chegam nem perto dos valores reais. Sempre declarei todo meu patrimônio à Receita Federal e tudo é compatível com a minha renda”, escreve o filho do presidente. Flávio ainda garantiu que seu passado é limpo e que jamais cometeu ‘qualquer irregularidade’. “Tudo será provado em momento oportuno dentro do processo legal”. 

Jair Bolsonaro cria cortina de fumaça


Flávio Bolsonaro e Jair Bolsonaro
Reprodução/Twitter

Analistas políticos afirmam que Jair Bolsonaro criou cortina de fumaça para tirar o foco das acusações contra o filho

Na sexta-feira (17), Jair Bolsonaro (PSL) compartilhou em uma rede social um texto de autor desconhecido que diz que o Brasil está “ingovernável” . Segundo analistas políticos, ao fazer isso, o presidente cria uma cortina de fumaça para tirar o foco das denúncias contra Flávio. Além de alimentar as críticas da sociedade ao Congresso e a diferentes instituições.

“Ele (Bolsonaro) está testando elevar uma polarização para ver como a população reage. Vai culpar o Congresso e as instituições por tudo que não consegue fazer”, afirma o cientista político da Unicamp Oswaldo Amaral. “Parece um balão de ensaio para ver quantas pessoas vai arregimentar com esse tipo de discurso. Está colocando a figura dele contra as instituições democráticas e quer o apoio do povo para isso, o que é típico do populismo.”

Outros fatos importantes

Pontos do caso da quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro seguem sem resposta e a expectativa é que nos próximos dias apareçam mais desdobramentos da investigação conduzida pelo MP-RJ.

Fonte: IG Nacional
Comentários do Facebook
Continue lendo
Esportes5 horas atrás

Jorge Sampaoli é perseguido por ciumentos da própria classe de trabalho

Levir Culpi, técnico de trabalhos medíocres recentemente, disse que Jorge Sampaoli será o novo comandante da Seleção. Segundo Culpi, que...

Entretenimento5 horas atrás

Reconstrução dá o tom do MECAInhotim, quatro meses após tragédia em Brumadinho

Logo na entrada de Brumadinho (MG), uma exposição de camisas e uniformes sujos de lama lembra que essa é uma...

Entretenimento5 horas atrás

Virada Cultural de São Paulo atrai cinco milhões de pessoas

A Virada Cultural aconteceu neste final de semana, 18 e 19, em São Paulo, e, segundo o prefeito Bruno Covas,...

Nacional6 horas atrás

Entenda os últimos acontecimentos da quebra de sigilo de Flávio Bolsonaro

Edilson Rodrigues/Agência Senado – 9.5.19 MP investiga suspeitas de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no gabinete de Flávio...

Entretenimento7 horas atrás

Faustão choca telespectadores e anuncia fim do Domingão na Globo

O apresentador Fausto Silva fez uma revelação que deixou seus fãs chocados e arrasados na noite deste domingo em seu programa da...

Regional7 horas atrás

Menino de 2 anos é baleado pelo próprio pai no Norte no ES

Homem é acusado de tentar matar a esposa e, ao atirar, acabou atingindo o próprio filho Uma criança de 2...

Esportes7 horas atrás

Sidão salva e Vasco empata com o Avaí na estreia de Luxemburgo

O Globo Vasco não teve boa atuação na estreia de Luxemburgo Em noite de Sidão, que fez grandes defesas, e...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana