conecte-se conosco


Direto de Brasília

Atirador invade Secretaria de Educação, mata servidora e comete suicídio no DF

Publicado

em


Secretaria de Educação do DF foi evacuada nesta segunda-feira, após caso de feminicídio contra servidora
Reprodução/Twitter
Secretaria de Educação do DF foi evacuada nesta segunda-feira, após caso de feminicídio contra servidora

Um homem armado invadiu um dos prédios da Secretaria de Educação, na 511 Norte, em Brasília, na manhã desta segunda-feira (20), e atirou contra uma servidora, antes de tirar a própria vida. A vítima também morreu após não resistir aos ferimentos.

Leia também: Estudante atacou atirador e freou massacre em universidade dos EUA, diz polícia

O crime aconteceu na Sede II da Secretaria de Educação
e a servidora trabalhava na Subsecretaria de Gestão de Pessoas. A Polícia Civil foi acionada, assim como a Militar, o Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A informação foi confirmada pelo secretário de Educação do Distrito Federal, Rafael Parente. Por meio do Twitter, o chefe da pasta informou que cancelou a agenda de compromissos e seguiu para o local. “Todas as atividades do prédio da 511 estão suspensas, obviamente”, também escreveu ele.

De acordo com as informações preliminares, a vítima se chamava Debora Tereza Correia e tinha 43 anos. O atirador, ainda segundo tais informações, era ex-marido da servidora assassinada.

Essa já é a segunda vez no ano que o local é invadido por homens armados. Em março, o local foi invadido por um professor, que levava consigo um facão e uma besta – a mesma espécie de arco e flecha que foi utilizada pelos  assassinos no massacre
ocorrido na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo.  

Leia mais:  Bolsonaro faz caminhada pelo quarto com ajuda de fisioterapeuta

Invasão do professor

Na ocasião, o invasor foi detido após 10 minutos de tensão, antes mesmo de ferir qualquer pessoa. De acordo com a Polícia Militar, que o deteve, o professor chegou a subir até o 12º andar
, onde despacha o secretário, Rafael Parente. Felizmente, ele não estava na Secretaria de Educação , no momento do ataque.  

Imobilizado pela polícia, o homem foi retirado do prédio e levado ao 5º Distrito Policial (Centro) do DF. O homem é professor de violino erudito da Escola de Música de Brasília.

Segundo a pasta da Educação, o invador tinha histórico de distúrbio psiquiátrico e estava em licença médica. Seu atestado médico diz que ele adoeceu por conta do trabalho. Nas redes sociais, o secretário de Educação, Rafael Parente, também informou o fato.

Leia também: Polícia conclui que atirador de Campinas agiu sozinho e comprou arma no Paraguai

Em comunicado, o vice-governador, Paco Britto, que estava em exercício do cargo de governador do Distrito Federal, pediu o afastamento e a abertura de procedimento administrativo contra o professor que invadiu a   Secretaria de Educação
.

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
publicidade

Direto de Brasília

Tribunal autoriza que Gleisi Hoffmann atue como advogada de Lula

Publicado

em

source
Gleisi Hoffmann enxuga Lula arrow-options
Edilson Santos/Agência O Globo
Gleisi Hoffmann está autorizada a atuar como advogada de Lula


O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), deferiu na última segunda-feira (12) liminar em mandado de segurança autorizando a deputada federal Gleisi Hoffmann a atuar como advogada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Leia também: Nova delação de Palocci implica Lula, Dilma, Gleisi, Lindbergh e outros petistas

A parlamentar recorreu ao Tribunal após ter o pedido de acesso pessoal a Lula na qualidade de advogada negado pela 12ª Vara Federal de Curitiba. Segundo Gleisi , ela teria sido instituída advogada por Lula para ajuizar ação indenizatória em face das ofensas proferidas contra ele nas redes sociais na ocasião do falecimento de seu neto.

Gebran frisou que é uma garantia fundamental ao preso a assistência por advogados, não sendo razoável limitar-se tal direito. “A incompatibilidade (proibição total) limita-se aos parlamentares que integrem a mesa diretora do Poder Executivo, o que não é o caso”, analisou o magistrado.

O desembargador, entretanto, salientou que  Gleisi Hoffmann deverá cumprir o regramento de visitação estipulado pela Superintendência da Polícia Federal de Curitiba.

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
Leia mais:  Sob risco de forte chuva, prefeitura do Rio de Janeiro muda protocolode ações
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana