conecte-se conosco


Nacional

Associação vê “excesso” de Dodge contra acordo da Lava Jato com a Petrobras

Publicado

em


Força-tarefa da Lava Jato fez acordo com Petrobras para gerir recursos de multa que ficariam no Brasil
Marcelo Camargo/ABr

Força-tarefa da Lava Jato fez acordo com Petrobras para gerir recursos de multa que ficariam no Brasil

Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) defendeu a atuação de procuradores da força-tarefa da Lava Jato, após a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o acordo firmado pelos procuradores e a Petrobras, que prevê criação de um fundo de R$ 2,5 bilhões. Para a ANPR, houve “excesso” da PGR na ação.

“Por sua atuação irrepreensível e pelos altos serviços prestados ao país, é reprovável qualquer tentativa de enfraquecimento institucional da Força-Tarefa [da Lava Jato] e do Ministério Público Brasileiro”, afirmou a entidade na nota, assinada pela diretoria da ANPR.

Ao apontar “excessos” da PGR, a ANPR explica que a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) foi apresentada por Dodge cerca de duas horas depois dos próprios integrantes da força-tarefa anunciarem a desistência de parte do acordo que previa a criação de uma fundação para gerar o fundo.

“A ADPF apresentada pela PGR nasce prejudicada e se configura desnecessária tanto do ponto de vista jurídico quanto institucional”, diz a nota.

A diretoria da ANPR afirma que se criou um “impasse” sobre o destino dos recursos e isso pode significar a “devolução dos recursos”. Segundo o texto, a União não é “destinatário legítimo da multa que lhe foi imposta”.

“Afirmar ainda que os valores deveriam ser destinados à União ou a Petrobras é equivocado. Afinal, como aponta o acordo com a SEC, a Petrobras foi considerada responsável por falhar em detectar e expor os esquemas de corrupção e por prestar informações falsas aos órgãos americanos”, diz a associação. 

O órgão lembra que os valores seriam aplicados, principalmente, na prevenção da corrupção, em cidadania, em saúde e em educação. O texto critica o procedimento adotado pela procuradora-geral, Raquel Dodge, a ADPF. “Não é normal nem ordinário uma matéria de primeira instância do Ministério Público ser levada ao STF pela Procuradora-Geral da República”, disse.

Leia mais:  Parlamento britânico vota acordo sobre o Brexit nesta terça-feira

Para a associação, a ação é um “precedente negativo que qualquer Termo de Ajustamento de Conduta ou Acordo Judicial possa ser centralizado pela PGR, levado diretamente ao STF, violando a independência funcional e ignorando o rito jurídico ordinário”.

“A argumentação genérica utilizada pela PGR acerca dos atos sujeitos à ADPF permitiria que qualquer ato do Ministério Público, em qualquer grau de jurisdição, ou quem sabe, do Presidente da República, ou do Congresso Nacional, de Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores fosse passível de controle por esse instrumento”, diz a nota da ANPR.

ANPR também defende os propósitos do acordo firmado entre a força-tarefa da Lava Jato e a Petrobras e negou que procuradores iriam administrar o fundo bilionário. “Não seriam os membros da força-tarefa que iriam gerir os recursos, já que a fundação tem personalidade própria. O fato do acordo prever a possibilidade de integrantes do MPF terem uma vaga no conselho curador, por óbvio, não basta a igualá-los à condição de gestor dos recursos, ao contrário do afirmado pela PGR”, disse.

Fonte: IG Mundo
Comentários do Facebook
publicidade

Nacional

Google e WhatsApp devem remover imagens da boneca ‘Momo’

Publicado

em

Imagens da boneca têm sido utilizadas por criminosos da internet para convencer crianças e jovens a cometerem atos ilícitos e até suicídio

O Google e o WhatsApp foram notificados pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) para que removam das redes sociais conteúdos que exibam imagens da Boneca Momo.

Imagens da boneca têm sido utilizadas por criminosos da internet para convencer crianças e jovens a aplicarem golpes, como roubos de dados e extorsão,  além de tentarem incentivar que crianças e adolescentes cometam suicídio.

Momo é uma boneca com olhos esbugalhados, pele pálida e um sorriso sinistro. Ela ficou famosa em diversos países, depois de ser disseminada em um vídeo.

Na Bahia, a notificação ao Google e ao WhatsApp foi feita por meio do Núcleo de Combate a Crimes Cibernéticos (Nucciber).


(*NAM)

Comentários do Facebook
Leia mais:  Senado enviará imagens da fraude dos votos de papel à Polícia Federal
Continue lendo
Variedades2 horas atrás

Casados há mais de 7 décadas na BA, idoso de 104 e mulher de 94 anos

Casal mora em povoado de Vitória da Conquista, na região sudoeste da Bahia, têm 5 filhos, 18 netos e 24...

Nacional2 horas atrás

Google e WhatsApp devem remover imagens da boneca ‘Momo’

Imagens da boneca têm sido utilizadas por criminosos da internet para convencer crianças e jovens a cometerem atos ilícitos e...

Estadual4 horas atrás

Detenta foge de hospital em Vitória e deixa filho de dois meses internado

Aline Barreto Alcântara cumpria pena no Centro Prisional Feminino de Cariacica por furto qualificado. Presa fugiu por uma báscula após...

Mulher4 horas atrás

Aline Riscado posa de biquíni na praia e ganha elogios: ‘Parece uma escultura’

Beldade divulgou foto nas redes sociais RIO DE JANEIRO (RJ) – Aline Riscado aproveitou o finalzinho da tarde de domingo...

Nacional4 horas atrás

Menina se mata com a arma do pai em São Paulo

Ele estava tomando banho quando ouviu o barulho do tiro SÃO CAETANO (SP) – Uma menina de 10 anos se...

Nacional6 horas atrás

Homem pega no pênis de menino de 13 anos e diz: “quero sentir endurecer”

CUIABÁ (MT) – Um homem, identificado como E.L.R., 47 anos, foi preso em flagrante por abusar sexualmente de um garoto...

Agricultura7 horas atrás

Em Washington, ministra ressalta importância da reaproximação com os EUA

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), que acompanha viagem do presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, comentou nesta...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana