conecte-se conosco


Direto de Brasília

Afinal, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo? Entenda

Publicado

em

Agência Pública

Agrotóxicos
Fernando Frazão/ Agência Brasil
Expectativa é que a utilização de agrotóxicos no Brasil aumente ainda mais neste ano

O título atribuído ao Brasil de “ maior consumidor de agrotóxicos do mundo ” é motivo de discordância entre grupos favoráveis e contrários à flexibilização da legislação sobre os químicos. A reportagem reuniu e analisou os principais levantamentos sobre o assunto para entender se há como bater martelo sobre a posição brasileira no uso de agrotóxicos mundial.

O principal dado sobre uso de agrotóxicos é o da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO, na sigla em inglês) feito pela consultoria de mercado Phillips McDougall. O trabalho é utilizado como referência tanto pelas indústrias do setor agroquímico, quanto por especialistas da área e ambientalistas.

O relatório compara o valor investido em pesticidas nos 20 maiores mercados globais em 2013 e atribui três rankings sob diferentes perspectivas: em números absolutos, número por área cultivada e por volume de produção agrícola .

Leia também: Conheça o Robotox, robô que avisa sempre que o Governo libera novo agrotóxico

A pesquisa mostra que naquele ano o Brasil foi o país que mais gastou com agrotóxicos no mundo: US$ 10 bilhões. Estados Unidos, China, Japão e França ficam, respectivamente, nas posições seguintes.

O segundo ranking divide os gastos totais pela área cultivada , ou seja, o quanto é investido em agrotóxico por hectare plantado. Na lista o Brasil fica em sétimo lugar, com US$ 137 por hectare. Atrás de Japão, Coreia do Sul, Alemanha, França, Itália e Reino Unido.

O terceiro ranking mostra quanto cada país gasta com pesticidas tendo o tamanho da produção agrícola como referência. Para isso, são divididos os gastos absolutos pelas toneladas de alimento produzidos. O Brasil é o 13º da lista (US$ 9 por tonelada), que mais uma vez é liderada por Japão e Coreia do Sul.

O informe anual sobre a produção de commodities da FAO, divulgado em setembro do ano passado, mostrou que o Brasil é o terceiro maior exportador agrícola do mundo. Segundo o levantamento, no ano de 2016, o país era responsável por 5,7% da produção agrícola do planeta, abaixo apenas dos Estados Unidos, com 11%, e da União Europeia, com 41%.

Os dados brutos do levantamento podem ser conferidos em inglês no site da Consultoria Phillips Mcdougall .

O professor de Agroecologia do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás (IESA/UFG) Adriano Rodrigues chama de “disputa de narrativa” a discussão em relação aos dados divulgados pela FAO.

“É justamente sobre a correlação da área produtiva coberta e do volume de agrotóxicos. Somos o país que mais utiliza veneno no mundo. Porém, efetivamente, quando você considera a quantidade de hectares de área plantada no Brasil, que é muito grande, essa correlação nos faz cair no ranking”, pontua.

Leia mais:  Rocha Loures contraria defesa e admite que sabiaque mala tinha conteúdo ilícito

Já a pesquisadora Larissa Mies Bombardi, professora da Faculdade de Geografia da Universidade de São Paulo, questiona o cálculo feito no Ranking da FAO sobre uso de pesticida por hectare. Para ela, o dado que coloca o Brasil na sétima posição não reflete a realidade.

“Quando se divide o consumo de agrotóxico brasileiro pela área plantada você dilui esse volume gigantesco. São considerados área cultivada regiões como de pasto, que são terras improdutivas. Essa conta faz com que o Brasil fique lá embaixo no ranking”, explica.

Leia também: “Não passamos fome porque temos manga nas cidades”, diz ministra da Agricultura

Larissa é autora de um dos principais trabalhos brasileiros recentes sobre o nosso consumo de pesticidas é o Atlas Geográfico do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. O livro, publicado em 2017, traz levantamento de dados inédito sobre o consumo de agrotóxicos no Brasil (todos com fontes oficiais) e faz um paralelo com o que acontece na União Européia.

A autora compara a média de aumento mundial no consumo de agrotóxico com o brasileira, tendo como base os números de vendas de pesticida. Entre 2000 e 2010, cresceu em 100% o uso de pesticidas no planeta, no mesmo período em que o aumento no Brasil chegou a quase 200%. Segundo a apuração, cerca de 20% de todo agrotóxico comercializado no mundo é consumido no Brasil. O atlas conta com 296 páginas e está disponibilizado na íntegra em e-book gratuitamente.

“Em termos de volume, desde 2008, Brasil e Estados Unidos revezam o primeiro lugar”, explica a professora, baseando-se em dados da própria indústria. A especialista diz que há dificuldades em fazer rankings dos países que mais utilizam pesticidas, pois as nações utilizam diferentes metodologias, o que dificulta comparações científicas. Sobre o levantamento da FAO, Larissa explica que as informações são passadas para a organização pelo próprios países.

“Não existe um monitoramento internacional para fazer a classificação”, pontua.

Para o professor Universidade Federal de Goiás (IESA/UFG) Adriano Rodrigues, além de observar os números da FAO é necessários analisar os efeitos causados pelo contato com os agrotóxicos.

“Mais importante do que apenas dizer se somos ou não os maiores consumidores, é mostrar as consequências desse uso tão grande. O Ministério da Saúde emite relatórios que quantificam o número de intoxicações no Brasil por exposição a agrotóxicos, mais de 80 mil notificações”, diz.

Os dados citados pelo pesquisador fazem parte última edição do Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos , publicado em 2018, que traz um compilado de dados de 2007 a 2015. A publicação mostra que neste período foram notificados 84.206 casos de intoxicação no Brasil — em unidades de saúde pública e privada.

Leia mais:  Após “ataques”, Maia faz apelo a Bolsonaro: “chega de criticar, vamos governar”

É possível estimar quantos litros de agrotóxico cada brasileiro bebe?

Outro dado comum no debate sobre agrotóxicos é a quantidade de defensivo que cada brasileiro consome. Em 2011, a Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida divulgou que cada brasileiro consumia cerca 5,2 litros de agrotóxico por ano. Para chegar ao número, a organização não-governamental dividiu o número de 1 bilhão de litros de pesticidas vendidos a cada ano pela população brasileira na época, de 192 milhões.

Quatro anos depois uma nova pesquisa da ong, junto agora da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) , mostrou que o brasileiro estava bebendo ainda mais agrotóxico. Eles utilizaram números divulgados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em 2015, referentes à quantidade de princípios ativos de agrotóxicos vendidos em 2013, e a receita anual da indústria agroquímica — cerca de R$ 36,6 bilhões.

Com uma média dos preços ponderada pela participação no mercado, a pesquisa chegou ao valor médio de R$24,68 por litro de agrotóxico. Dividiu-se a receita anual da indústria (R$36,6 bilhões) pelo valor médio do litro de agrotóxico (R$ 24,68) — o que resultou em R$ 1,48 bilhão, número que foi dividido novamente pela população brasileira estimada pelo IBGE (201 milhões de pessoas). O resultado foi de 7,6 litros por pessoa.

Leia também: Alcolumbre quer devolver trecho de MP sobre demarcação de terras indígenas

Mas isso significa que o brasileiro literalmente bebe 7,36 litros de agrotóxico por ano? Não. Parte dos pesticidas são utilizados em plantações que não dão origem a alimento, como algodão, eucalipto ou soja. Além disso, boa parte da produção é exportada. E, segundo especialistas , é possível eliminar os agrotóxicos que ficam na parte de fora de alguns alimentos, embora seja impossível eliminar os que penetram dentro dos legumes.

Segundo a Abrasco , o objetivo do número é ter um indicador de aproximação do tema, com caráter pedagógico. “Ninguém literalmente bebe 7 litros de agrotóxico, porque se bebesse morreria. Trata-se de um número de aproximação, assim como o PIB, que não é demonizado. Nosso indicador tem objetivo pedagógico”, explica Fernando Carneiro, membro do Grupo Temático de Saúde e Ambiente da Abrasco.

“Evidentemente, quando calculamos o PIB per capita brasileiro e o comparamos com o de outros países, sabemos que a renda de todo brasileiro não é igual. Há grande desigualdade. Mas o PIB é um indicador de aproximação, assim como o nosso”, relata o especialista.

O que diz a indústria?

Multinacionais produtoras de agrotóxico negam que o Brasil mereça o título de maior consumidor de pesticidas do planeta. Em entrevista concedida em 2018 para a agência de notícias Deutsche Welle Brasil , a DW , o presidente da Bayer no Brasil, Theo van der Loo, explicou o motivo.

Leia mais:  Guaidó convoca população da Venezuela para novo protesto nesta quarta-feira

“O uso dessas substâncias no Brasil é muito alto porque o Brasil é um grande produtor. Além de o país ser grande, tem duas safras por ano, às vezes até três. Na Europa e nos EUA é apenas uma safra por ano. Por hectare, de longe o Brasil não é o país que mais usa agroquímico”, disse o executivo paulista de 63 anos, no comando da empresa desde 2011.

A Syngenta tem posicionamento semelhante. Pelo Youtube, a empresa publica uma série de vídeos na qual afirma “desmistificar e esclarecer temas ligados à agricultura no Brasil”. Em um dos vídeos, a companhia diz que a afirmação do Brasil ser o maior consumidor de agrotóxico é verdadeira, “mas vem um pouco distorcida”.

“No Brasil o clima quente e úmido possibilita a produção de até duas safras e meia por ano. O que é ótimo, mas contribui para o aumento do consumo de defensivos. Pois são mais safras anuais em um clima que favorece o desenvolvimento de pragas e doenças”, diz Gustavo Costa, engenheiro agrônomo da Syngenta , durante o vídeo.

A assessoria de imprensa da Syngenta diz que a imagem do Brasil como maior consumidor do mundo é “falsa”. “Essa informação é irrelevante se não compararmos os dados normalizados, ou seja, se não correlacionarmos a utilização de defensivos por área ou por produção”.

O uso de agrotóxicos continua subindo?

Desde 2013, nenhum outro estudo de tanta reputação foi realizado comparando os gastos mundiais de agrotóxico. Porém, desde então, dados nacionais mostram que a venda de agrotóxicos no Brasil cresceu quase todos os anos.

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ( Ibama ) publica desde 2000 boletins anuais de comercialização de agrotóxicos no Brasil . Em 2013, foram 495,7 mil toneladas de pesticidas vendidos, enquanto em 2017 o número chegou a 539,9 mil toneladas. O recorde foi registrado em 2016, com 541,8 mil toneladas vendidas.

Os valores de 2018 ainda não foram divulgados. Mas a expectativa é que os números tenham aumento e sigam crescendo neste ano.

Isso porque o segmento de insumos foi o único do PIB do agronegócio brasileiro a apresentar alta no primeiro bimestre deste ano, mantendo a tendência observada em 2018. Segundo cálculo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o setor de insumos teve aumento de 2,35% em relação ao mesmo período do ano passado. Fazem parte dele os setores de fertilizantes e corretivos de solo, agrotóxicos, máquinas agrícolas, rações e de medicamentos para animais.

Apenas a produção de agrotóxicos aumentou em 34,10% na comparação com o ano passado, segundo o estudo.

Leia também: Barroso suspende MP que transferiu demarcação de terras indígenas a Agricultura

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
publicidade

Direto de Brasília

Operação Muzema prende milicianos ligados a construções ilegais

Publicado

em

Operação Muzema arrow-options
Divulgação
Operação Muzema mira milicianos ligados a construções ilegais

A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) faz, nesta terça-feira, uma megaoperação contra empresários, investidores e corretores envolvidos em construções irregulares na Muzema, Gardênia Azul, Rio das Pedras e Anil, todas regiões da Zona Oeste do Rio. Na Operação Muzema, como foi batizada, os policiais pretendem cumprir 17 mandados de prisão e vários outros de busca e apreensão. Até o momento seis pessoas foram presas, uma delas no Piauí, no Nordeste do país.

Leia também: Insatisfeito com Dodge, coordenador da operação Lava Jato na PGR deixa o cargo

De acordo com as investigações, a quadrilha alvo da Operação Muzema atua investindo na construção e venda de imóveis, shoppings, salas comerciais e até ruas inteiras em áreas dominadas por milicianos. Os investigados dão suporte financeiro, investindo milhões nos projetos para que os prédios sejam erguidos. Desde 2014, eles teriam construído uma área equivalente a 7 mil metros quadrados

Um dos principais alvos da ação, Bruno Pupe Cancella, de 38 anos, foi preso em um apartamento onde mora no Anil. De acordo com o delegado Gabriel Ferrando, da Draco, Bruno é um dos construtores da milícia e teria movimentado cerca de R$ 25 milhões em quatro anos.

A mulher de Bruno, Letícia Champion Ballalai Cancela, trabalha no setor de setor de IPTU da prefeitura e é investigada na mesma ação pelo Ministério Público estadual (MPRJ) no caso.
Os agentes também estiveram em um condomínio de luxo na Avenida Lúcio Costa, na Barra da Tijuca, para prender o empresário Leonardo Igrejas Esteves Borges, 40. Ele seria um dos principais investidores dos empreendimentos.

Um outro alvo é o investidor Fábio Fontana Castro, que injetou dinheiro na quadrilha. Ele é sócio de um escritório de advocacia que atua como uma imobiliária vencendo imóveis nas áreas das milícias. O homem foi procurado em casa, na Barra, mas não foi encontrado.

A Draco investiga há tempos quem são os sócios e financiadores da milícia que atua na Zona Oeste do Rio. A especializada quer identificar e punir pessoas que, ocultamente, financiam o grupo paramilitar que exerce o poder com mãos de ferro — principalmente — em Rio das Pedras e Jacarepaguá.

Para a Polícia Civil, tentando não se expor, os milicianos se utilizam de laranjas para cometerem crimes. “Já estamos com as investigações avançadas para prender e punir esses criminosos”, contou Ferrando.

As investigações para a operação foram feitas pelo Ministério Público, que denunciou 27 pessoas por envolvimento na organização criminosa. Eles também são apontados em outros crimes relacionados à exploração imobiliária clandestina na Muzema e adjacências, dentre os quais a ocupação, loteamento, construção, venda, locação e financiamento ilegais de imóveis, além de ligações clandestinas de água e energia elétrica e corrupção de agentes públicos.

Além das prisões, o MPRJ também pediu a suspensão cautelar das atividades da BLX Serviço de Engenharia Ltda e da Manuel Containers Andaimes Rio Eireli (Rio Containers), tendo em vista a atuação delas em crimes ambientais.

No inquérito, o Ministério Público alega que os criminosos colocam em risco a segurança de pessoas que compram imóveis que não oferecem o mínimo de qualidade construtiva para seus habitantes e causam graves danos ao meio ambiente.

Leia mais:  Opositor de Erdogan diz que é preso político no Brasil por ameaças de extradição

Ainda segundo o MPRJ, as investigações apuraram não só a prática de crimes ambientais, como a supressão de vegetação especialmente protegida (Mata Atlântica), dano ambiental em área próxima de unidade de conservação e extração clandestina de recursos minerais, como outros crimes relacionados, como divisão do solo urbano, corrupção e furtos.

A denúncia apresentada pelo Ministério Público apontou que os empreendimentos imobiliários exploram o déficit habitacional urbano, servindo como fonte ilícita de riqueza para poucos. As investigações apuraram que as edificações de grande porte – comercias e residenciais multifamiliares (condomínios mistos) – são erguidas à revelia do poder público, inclusive com a utilização de maquinário pesado, como caminhões, escavadeiras e contêineres. A fiscalização da prefeitura não impede a construção clandestina das unidades, ou mesmo a demolição, colocando, assim, a população em risco.

Uma das áreas investigadas pela operação, a Muzema, está na mira da Polícia Civil desde o desabamento de dois prédios no dia 12 de abril. A tragédia causou a morte de 24 pessoas e deixou várias outras feridas.

Os prédios que desbaram ficavam no Condomínio Figueira do Itanhangá e eram irregulares, segundo a prefeitura. Desde então, foram demolidos outros cinco imóveis da região que estavam com risco de desabamento.

Leia também: “Trabalho humilde”, diz Eduardo Bolsonaro sobre emprego em fast food nos EUA

A investigação do caso Muzema na Polícia Civil pediu a prisão de suspeitos da construção e venda de prédios na região. José Bezerra de Lima, conhecido como Zé do Rolo, Rafael Gomes da Costa e Renato Siqueira Ribeiro. Rafael foi preso no dia 17 de maio e Renato foi capturado no último dia 5. Zé do Rolo continua foragido.

Fonte: IG Política
Comentários do Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie
Policial19 minutos atrás

Jaguaré: Bandidos fazem família refém em assalto 

A família do fazendeiro Jair Livramento, moradora em uma propriedade em Barra Seca, no município de Jaguaré foi surpreendida por...

Entretenimento42 minutos atrás

Marina Ruy Barbosa tem o Instagram hackeado: “providências estão sendo tomadas”

A atriz Marina Ruy Barbosa teve seu Instagram hackeado na manhã desta terça-feira (16). A informação foi confirmada por sua...

Entretenimento42 minutos atrás

Christian Chávez no Brasil: Alinne Rosa é participação confirmada em show no Rio

A vinda do mexicano Christian Chavéz ao Brasil está cada vez mais perto! Com quatro apresentações no mês de setembro,...

Entretenimento42 minutos atrás

Globoplay aposta em Luan Santana para atrair mais assinantes

A Globoplay está investindo pesado para bater de frente com sua principal concorrente do streaming: a Netflix. Depois de adquirir...

Entretenimento42 minutos atrás

Grazi Massafera conta com ajuda de veteranos para emplacar em nova novela

Grazi Massafera já acumula uma extensa carreira na televisão. Das dúvidas do tempo de “BBB” não restou mais nada, e...

Direto de Brasília42 minutos atrás

Operação Muzema prende milicianos ligados a construções ilegais

arrow-options Divulgação Operação Muzema mira milicianos ligados a construções ilegais A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) faz,...

Direto de Brasília42 minutos atrás

Contrato com empresa privada prevê cobrança de taxa em Noronha até 2025

arrow-options Arquivo pessoal/Ricardo Mello Parque em Fernando de Noronha é administrado pela Econoronha Defendida pelo presidente Jair Bolsonaro, a extinção do...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

Mais Lidas da Semana