conecte-se conosco



Economia

Acidente ou sabotagem? Entenda a contaminação das cervejas da Backer

Publicado

em

source

IstoÉ Dinheiro

backer arrow-options
undefined

Contaminação das cevejas da Backer já causou vítimas e é investigada

Uma das cervejarias artesanais mais promissoras do País, a mineira Backer, com sede em Belo Horizonte, vive um processo dramático, que põe em risco uma ascensão meteórica da empresa criada em 1999. À época, o mercado dominado por grandes companhias observava o surgimento de uma demanda por cervejas especiais.

Leia também: Oito rótulos da cervejaria Backer estão contaminados, diz Ministério; veja quais

A visibilidade nacional nos últimos dias, que poderia ter ocorrido pela qualidade e crescimento das vendas de seus rótulos, veio de uma forma trágica e desastrosa. A companhia é investigada pela morte de três pessoas que ingeriram a cerveja Belorizontina, que pode ter tido lotes contaminados com monoetilenoglicol e dietilenoglicol, substâncias utilizadas como resfriadores e anticongelantes e que não deveriam ter contato com a água usada na elaboração da bebida. Uma quarta morte, registrada no município de Pompéu e que também estaria relacionada ao consumo do produto da Backer , ainda é investigada.

No total, 17 pessoas tiveram sintomas de intoxicação na capital e em outras cinco cidades mineiras: Nova Lima (Região Metropolitana), São João Del Rei (Campo das Vertentes), São Lourenço (Sul de Minas), Ubá e Viçosa (ambas na Zona da Mata). Exames confirmaram a presença da substância dietilenoglicol no corpo de quatro pacientes. Os casos estão sendo apurados e foram registrados como síndrome nefroneural, cujos sintomas são náusea, vômito e dor abdominal, associados à insuficiência renal aguda de evolução rápida, com alterações neurológicas.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento interditou a fábrica e, com integrantes da Polícia Civil de Minas Gerais, realiza perícia em todos os lotes, tanques e processo de produção da Backer. Também mandou suspender a venda de qualquer produto da marca fabricado desde outubro de 2019.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ) determinou o recolhimento da bebida em todo o País. As primeiras análises mostravam que apenas o tanque de número 10 da cervejaria estaria contaminado. Nele eram produzidas as marcas Belorizontina e a Capixaba, esta distribuída no Espírito Santo e de rótulo diferente, mas de mesma fórmula do líquido presente na capital mineira. Porém, o avanço das investigações da força-tarefa mostrou que vários dos 70 tanques da empresa foram contaminados – e, portanto, vários lotes dos produtos.

Imagem arranhada: A Belorizontina é a principal cerveja da Backer. Com o atual episódio, a própria empresa orientou os consumidores a não comprar a bebida. (Crédito:Uarlen Valério | Cristiane Mattos)

Por isso, o governo federal trata essa contaminação como algo “sistêmico”. Segundo o coordenador-geral de Vinhos e Bebidas do Ministério da Agricultura, Carlos Vitor Müller, as principais linhas de investigação são vazamento do tanque, utilização incorreta do dietilenoglicol e sabotagem por vingança de um ex-funcionário que foi demitido da cervejaria – o ex-trabalhador discutiu com o chefe e chegou a ameaçar um supervisor no fim do ano passado.

Outras hipóteses não estão descartadas. “Não posso afirmar se foi uma sabotagem ou um erro. Ainda não é o momento da investigação para isso”, disse o delegado Flávio Grossi. “Hoje, o que afirmamos é que os elementos tóxicos encontrados nas garrafas, no sangue das vítimas e dentro das empresas provêm de produtos em comum. Acreditamos que houve crime. Por isso, instauramos um inquérito policial”, acrescentou o delegado.

A situação em que se encontra a cervejaria Backer é tão negativa que a diretora de Marketing, Paula Lebbos, fez a “publicidade reversa” da marca. Enquanto o setor de divulgação de qualquer empresa do mundo trabalha para dar visibilidade à sua companhia e criar ações para o público comprar seus produtos, Paula pediu, em entrevista coletiva realizada na terça-feira 14, que os consumidores “não bebam a Belorizontina, seja de que lote for”. “Estou sem dormir. Muito triste e assustada com tudo isso. É preciso saber a verdade o mais rápido possível”, afirmou a diretora, que é sócia-proprietária da companhia.

Caso de polícia: Com três mortes e 17 pessoas contaminadas, o caso da cerveja Belorizontina está nas mãos da polícia. “Acrediamos que houve crime. Por isso, instauramos um inquérito policial”, diz o delegado Flávio Grossi (acima). Ele trabalha com algumas possibilidades para o caso, como vazamento de um dos tanques da cerveja e até sabotagem por parte de um ex-funcionário. “Ainda não dá para afirmar nada” (Crédito:Uarlen Valério | Fred Magno)


TRAJETÓRIA Com mais de duas décadas de trabalho, a cervejaria artesanal pioneira em Minas Gerais alavancou sua trajetória nos últimos anos. A empresa foi estabelecida pelos irmãos Halim e Munir Lebbos, que começaram fabricando chope, vendido numa casa noturna da própria família. A cerveja Belorizontina, que está no epicentro do episódio de contaminação, foi criada em dezembro de 2017, para homenagear os 120 anos da capital mineira. A produção inicial foi de 10 mil litros. Segundo estimativas do setor, antes da suspeita de contaminação, o volume aproximado de produção da cerveja era de 600 mil litros por mês.

Virou o carro-chefe entre os 21 rótulos da Backer por agradar ao paladar dos brasileiros. Com coloração “brilhante, amarelo claro, leva Dry Hopping de lúpulos franceses que conferem sutil aroma floral e cítrico”, de acordo com descrição no site da Cervejaria Backer. “Leve e refrescante, possui baixo amargor e excelente drinkability”, continua a empresa. Uma cerveja que cai bem ao verão brasileiro. Justamente o que levou muita gente a consumir a bebida no calor que fez no País em dezembro passado.

Além disso, o preço conta a favor da Belorizontina. Enquanto alguns rótulos mais elaborados da Backer custam R$ 80 a garrafa, ela estava sendo vendida em alguns mercados de Minas Gerais por R$ 5,28. Estratégia comercial para encarar as tradicionais da gigante Ambev , por exemplo. O potencial mercadológico da bebida leva em consideração ainda um ambicioso plano de marketing, com inserção no Carnaval mineiro, que em 2019 recebeu 4,6 milhões de foliões. Um mercado alvissareiro para o crescimento de um produto que tem tudo a ver com a maior festa popular brasileira.

No Carnaval do ano passado, a Backer apostou em patrocínios para divulgar a marca em famosos blocos e eventos, em Belo Horizonte e em cidades turísticas mineiras. O planejamento de crescimento vinha dando certo. Tanto que, dos 70 tanques da fábrica da Backer no bairro Olhos D’água, na Região Oeste de Belo Horizonte, 20 foram adquiridos apenas no ano passado.

Ainda segundo estimativas do mercado local, a Backer teria contrato de fornecimento mensal de 60 mil caixas (cada uma com 15 unidades de Belorizontina) por mês, para uma rede de supermercados da capital mineira, o equivalente a aproximadamente 450 mil litros de cerveja a cada 30 dias.

Com os bons resultados e a consequente ampliação da produção, a cervejaria artesanal possui atualmente 600 funcionários. Um tamanho de equipe bem diferente de quando o negócio familiar começou. Um time grande, que alcançou o topo do mercado de cervejas premium no Estado de Minas Gerais – ao abocanhar de 50% a 60% das vendas do setor – e a liderança das artesanais no Brasil em volume de produção, com cerca de 800 mil litros mensais.

Apesar de a empresa não revelar números, o Sindicato das Indústrias de Cerveja e Bebidas em Geral de Minas Gerais (SindBebidas) estima que o faturamento mensal da marca seja de R$ 8 milhões, considerando um tíquete médio de R$ 10 por litro. Números expressivos levaram a cervejaria a ser alvo de algumas críticas de concorrentes e especialistas, os quais avaliam que a Backer não poderia ser mais chamada de artesanal, mas de microcervejaria. Críticas insignificantes diante do atual cenário da companhia, que acumula a partir de agora prejuízos financeiros e de imagem, que devem respingar no mercado de cervejas artesanais como um todo.

Em comunicado oficial sobre a contaminação de seus produtos, a Cervejaria Backer afirma que neste momento “mantém o foco nos pacientes e em seus familiares” e que a empresa “prestará o suporte necessário, mesmo antes de qualquer conclusão sobre o episódio”. A companhia informa, ainda, que continua colaborando, sem restrições, com as investigações. “A empresa segue apurando internamente o que poderia ter ocorrido com os lotes de cerveja apontados pela Polícia”, afirma o comunicado.

Leia também: Perícia encontra substância tóxica na água utilizada pela cervejaria Backer

A companhia salienta que solicitou uma perícia independente e aguarda os resultados, apesar das confirmações da contaminação nos tanques por dietilenoglicol pelo Ministério da Agricultura e pela própria auditoria da cervejaria. As análises completas e detalhadas ainda não foram divulgadas. A empresa reitera que utiliza apenas o agente monoetilenoglicol. E afirmou que vai trocar ou devolver o dinheiro ao consumidor que tiver a Belorizontina de qualquer lote.

Comentários do Facebook

Economia

Grupo com renda mais baixa do MCMV pagará juros no Casa Verde Amarela

Publicado

em


source

Brasil Econômico

MCMV
Fenae

Famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil não pagavam juros na prestação da casa própria até agora; programa de Bolsonaro muda regra

Famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil, que não pagavam juros na prestação da casa própria no programa federal Minha Casa Minha Vida (MCMV), passarão a pagar a taxa no Casa Verde Amarela. O programa operacionalizado pela  Caixa é a nova versão do MCMV, lançada pelo governo Bolsonaro.


Isso porque a medida provisória que criou o Casa Verde Amarela, a MP 996, determina que famílias de baixa renda passem a pagar juros pela casa própria. Instituições avaliam o fato como descaso do poder executivo com a população chamada de Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, que é a parte mais vulnerável dentro do programa.

O grupo terá de pagar juros anuais a partir de 4,25% nos financiamentos da casa própria. Mas se a MP não for votada pelas duas Casas legislativas (Câmara e Senado) até o próximo dia 24 de outubro, ela perde validade.

Criado em março de 2009 no governo Lula, o Minha Casa Minha Vida concede aos mutuários da Faixa 1 um subsídio do governo correspondente a 90% do valor da moradia. Os outros 10% podem ser pagos em até 120 prestações mensais (por um período de dez anos), que variam de R$ 80 a R$ 270, sem juros.

Para o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto, o Casa Verde e Amarela representa um retrocesso.

Esperança de alteração na MP

“Esperamos que o Congresso modifique esta medida provisória porque o que foi apresentado não é um projeto nacional para o enfrentamento do déficit no setor de habitação. O programa do governo Bolsonaro é bem diferente do Minha Casa Minha Vida, que carrega uma função social muito forte”, diz Takemoto.

Cerca de 70% do crédito habitacional é feito pela Caixa Econômica e 90% dos financiamentos para pessoas de baixa renda estão na Caixa. Além de moradias populares — como as do programa Minha Casa Minha Vida — o banco público também investe nas áreas de saneamento, saúde, infraestrutura, agricultura familiar e nas micro e pequenas empresas.

A Fenae aponta que o Casa Verde Amarela modifica programas e legislações anteriores ao mesmo tempo em que suprime o papel de controle social previsto na lei do Sistema e Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social (SNHIS).

Com o novo programa habitacional, a lei do Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) foi alterada e as definições sobre financiamentos, taxas aplicadas e outros critérios deixam de ser realizados dentro do SNHIS, passando a ocorrer apenas no âmbito do Conselho Curador do FGTS, com a Caixa na condição de agente operador.

Grupo mais vulnerável vem sofrendo na pandemia

Durante a pandemia, a Caixa possibilitou a suspensão das parcelas do Minha Casa Minha Vida os participantes do programa. No entanto, a Faixa 1 ficou de fora do benefício.

No final de julho, a Fenae enviou ofícios à direção da Caixa e também ao Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) solicitando informações sobre a não inclusão da Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida em nova prorrogação da suspensão do pagamento dos financiamentos habitacionais.

Comentários do Facebook
Continue lendo
Internacional18 minutos atrás

Reino Unido anuncia que multará em até R$ 70 mil quem furar autoconfinamento

Divulgação/Flickr Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, anunciou novas medidas de combate à disseminação do novo coronavírus Vivendo a segunda onda de...

Esportes18 minutos atrás

Nove dias depois, Marreco e Carlos Barbosa se reencontram pela LNF

. O Complexo Esportivo Arrudão, em Francisco Beltrão (PR), recebe o reencontro entre Marreco e Carlos Barbosa, pelo Grupo B...

Esportes18 minutos atrás

Desfalcado do técnico Ramon, Vasco enfrenta Coritiba no Couto Pereira

. O Vasco enfrenta o Coritiba, neste domingo (20) no estádio Couto Pereira, em jogo válido pela 11ª rodada do...

Mulher18 minutos atrás

6 dicas para montar e organizar o closet perfeito mesmo se tiver pouco espaço

Quem não deseja ter um lugar dedicado às roupas, sapatos e outros acessórios? É por isso que esse cômodo é...

Carros e Motos1 hora atrás

Cinco versões do Ford Escort que não tivemos no Brasil

Lançado no Brasil em 1983, o Escort representou um enorme avanço para a filial brasileira da Ford. Correspondendo ao modelo...

Mulher1 hora atrás

Horóscopo do dia: previsões para 20 de setembro de 2020

Marcelo Dalla O horóscopo do dia apresenta a previsão para o seu signo e ascendente ÁRIES  A Lua nova segue...

Mulher1 hora atrás

Dafne Anãzinha: conheça a história da ex-garota de programa

Um metro e trinta centímetros de altura e muitas histórias para contar. Lia Regina, mais conhecida como Dafne Anãzinha, lançou...

São Mateus

Regional

Estadual

Nacional

Policial

ENTRETENIMENTO

POLÍTICA

Esportes

Mais Lidas da Semana

error: O conteúdo está protegido !!